sexta-feira, 29 de julho de 2011

Brasileiro tem falta de vitamina D e consome muito sódio, diz pesquisa





Vitamina é essencial para manter a força dos ossos e evitar fraturas.
Excesso de sódio é fator de risco para infartos e derrames.









Do G1, em São Paulo





Os brasileiros têm falta de vitamina D e consomem sódio em excesso, segundo a análise do consumo alimentar pessoal no Brasil feita pela Pesquisa de Orçamentos Familiares, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (28).







A pesquisa mostrou que, entre os adultos com idades entre 19 e 59 anos, os micronutrientes mais ausentes na alimentação são as vitaminas D e E, o cálcio, o magnésio e as vitaminas A e C. Isso engloba tanto homens quanto mulheres. Além disso, 89% dos homens dessa faixa etária e 70% das mulheres têm uma taxa de consumo de sódio acima dos níveis considerados seguros.





Acima dos 60 anos, a deficiência é nos mesmos nutrientes, com piridonixa e tiamina também entrando na lista. Entre os homens, 80% consomem mais sódio do que deveriam. Mas a situação melhora entre as mulheres com mais de 60, com 62%.





Entre os jovens com idades entre 10 e 18 anos, 70% consomem mais sódio do que o recomendado. Eles também apresentaram mais falta de vitaminas E e D, cálcio, vitamina A, fósforo, magnésio e vitamina C – e o problema é pior entre os que têm de 14 a 18 anos.





Vitamina D
As deficiências de vitamina D e cálcio estão intimamente ligadas, porque é ela quem ajuda o organismo a absorver o mineral. A falta de ambos enfraquece os ossos e aumenta a incidência de fraturas.





A principal fonte de vitamina D não está na alimentação, mas no sol. Os médicos recomendam que todas as pessoas passem pelo menos de 15 a 20 minutos no sol (antes das 10h da manhã, para evitar o câncer de pele). Alimentos como leite, ovos, manteiga e peixes também são fonte da vitamina.





Arte Bem Estar Vitamina D (Foto: Arte/G1)




Sódio
O sódio é encontrado principalmente no sal de cozinha, mas também faz parte da composição de inúmeros alimentos industrializados. O Ministério da Saúde recomenda que a ingestão desse mineral não passe de 5g por dia.





O consumo excessivo leva a problemas de coração e circulação, como a pressão alta, e é um fator de risco para derrames cerebrais (ou AVCs) e infartos.

fonte: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2011/07/brasileiro-tem-falta-de-vitamina-d-e-consome-muito-sodio-diz-pesquisa.html

quinta-feira, 28 de julho de 2011




domingo, 24 de julho de 2011

HIPERTENSÃO E CORAÇÃO

O coração é talvez o órgão que mais sofra com a hipertensão. A pressão arterial elevada faz com o ele tenha que bombear o sangue com mais força para vencer essa resistência. O coração é um músculo e como tal se hipertrofia ( aumenta a massa muscular) quando submetido a esforços cronicamente. Um coração com massa muscular aumentada, apresenta um espaço menor na sua cavidade para receber sangue. Isso é chamado de disfunção diastólica.

Portanto, a hipertrofia do ventrículo esquerdo e a disfunção diastólica são os sinais mais precoces de estresse cardíaco pela hipertensão. Podem ser detectado no eletrocardiograma, mas são melhores vistos no ecocardiograma.

Como um elástico que durante muito tempo foi esticado e acaba por perder sua elasticidade, ficando frouxo, o coração depois de anos de estresse pela hipertensão começa a dilatar e perder a capacidade de bombear o sangue. A esta fase dá-se o nome de insuficiência cardíaca (leia: INSUFICIÊNCIA CARDÍACA - CAUSAS E SINTOMAS).

A hipertensão também aumenta o risco de doença coronariana, estando os pacientes hipertensos mal controlados sob maior risco de infarto do miocárdio (leia. INFARTO DO MIOCÁRDIO | Causas e prevenção

fonte:www.mdsaude.com

quarta-feira, 20 de julho de 2011




  • postado por Carolina Lima em Jujuba Diabética -
    Essa é a tabelinha de glicemias da primeira semana com o uso da bomba.... Ainda tem muito o que ajustar... Mas chegaremos lá!!!!!!!!! Utilizei o seguinte critério para as cores: 1. Vermelho - Hipoglicemia...




  • postado por Carolina Lima em Jujuba Diabética -
    Gostei muito dessa reportagem que li hoje na Comunidade Diabetes.... A Baixa Autoestima pode acarretar consequências seríssimas no controle do diabetes.... Vale a pena dar uma lida!!!!!! Compartilho então c...






terça-feira, 19 de julho de 2011

Controle da halitose está em suas mãos

Entrevista com a endocrinologista Geísa Campos de Macedo, da Universidade de Pernambuco

Já aconteceu de você alguma vez sentir que está com problemas de mau hálito? A halitose - que se caracteriza pelo hálito com cheiro de maçã estragada - pode ocorrer principalmente em quem tem diabetes tipo 1, quando a pessoa está com a glicemia descompensada, explica a endocrinologista Geísa Campos de Macedo, da Universidade Estadual de Pernambuco.

Ela acrescenta, entretanto, que o problema vem se tornando cada vez menos frequente porque a conscientização de que o auto-cuidado é importante está mais disseminada do que há alguns anos.

A halitose no diabético acontece por causa da cetoacidose, que ocorre quando a quantidade de insulina é insuficiente para suprir as necessidades do organismo. Isso pode acontecer quando um portador de diabetes do tipo 1 não aplica insulina suficiente ou quando ele está em uma situação em que os hormônios do estresse estão elevados. Se não existe insulina suficiente para permitir que as células utilizem a glicose presente no sangue, elas vão utilizar as gorduras como fonte de energia.

Geísa alerta que quando há problemas frequentes de hálito o mais provável é que a pessoa esteja com algum comprometimento na boca. Quem tem diabetes está mais sujeito a gengivite e periodontite - caracterizadas por inflamação nas gengivas e por complicações ósseas em torno dos dentes -, que também provocam modificações no hálito.

Segundo a cirurgiã dentista Ana Miriam Gebara, do Centro de Atendimento a Pacientes Especiais (Cape) da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, prevenir doenças da gengiva requer correta escovação e uso de fio dental. Ela alerta que as doenças periodontais podem contribuir para o agravamento do controle glicêmico e aumentam o risco de infecção em outras partes do organismo e de ocorrência de doenças cardiovasculares. Tanto Ana Miriam quanto Geísa recomendam ainda que pessoas com diabetes façam visitas trimestrais ao dentista para o acompanhamento e prevenção desses problemas.

fonte:www.diabetesnoscuidamos.com.br

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Diabetes favorece doença celíaca e vice-versa

Entrevista com a pediatra Dorina Barbieri, da USP

A doença celíaca, caracterizada pela intolerância alimentar ao glúten, atinge mais os portadores de diabetes do que a população em geral. Entre os portadores de diabetes tipo 1, diversos estudos apontam que cerca de 2% também desenvolvem a doença celíaca, enquanto em não diabéticos apenas 1 em cada 300 indivíduos apresentam esse problema (cerca de 0,3%). A informação é da médica Dorina Barbieri, professora livre docente em pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Diabetes e doença celíaca são ambas autoimunes e desenvolvidas por fatores genéticos, mas ainda não se sabe o que faz aumentar a probabilidade de ocorrência de ambas num mesmo indivíduo, explica a especialista. Para quem tem a doença celíaca, as chances de desenvolver diabetes também são aumentadas, informa Dorina.

Os sintomas clássicos da doença celíaca são a ocorrência de diarréia com fezes bastante gordurosas, aumento pronunciado do abdômen, emagrecimento ou ausência do ganho de peso, o que leva a criança ou adolescente a um Índice de Massa Corpórea (IMC) menor do que a população em geral. Esses sintomas não são obrigatórios, adverte a pediatra, e em 20% dos casos estão totalmente ausentes. Quando não tratada, a doença celíaca provoca desnutrição, porque ela impede a absorção de nutrientes pelo organismo.

Para quem tem diabetes, a falta de diagnóstico ou de tratamento para a doença celíaca interfere também na glicemia. A falta de absorção dos nutrientes provoca crises de hipoglicemia e uma consequente dificuldade no cálculo das doses de insulina.

O tratamento da doença celíaca é o mesmo para portadores ou não de diabetes. Ele consiste exclusivamente da eliminação do glúten da dieta. "Isso significa deixar de consumir pães, massas e bolachas", resume Dorina. Embora essa restrição nem sempre seja fácil de ser seguida, a pediatra lembra que controlar a doença celíaca ajuda também a controlar a glicemia e que não tratá-la pode levar a sequelas como osteoporose, infertilidade, doenças da tireóide, problemas de pele e outras.

fonte:www.diabetesnoscuidamos.com.br

terça-feira, 12 de julho de 2011

Frio gera dores musculares em idosos
postado por cristinaribeiroft@gmail.com (Cristina Ribeiro) em
Fisioterapia Gerontológica

Cura Diabetes: Novo vídeo da campanha!!!
postado por Carolina Lima em Jujuba Diabética
O vídeo está agora ainda melhor! Assistam e reflitam!!! Vamos lutar todos por essa causa!!!!!


Aprovado na Europa um medicamento para a rejeição no transplante de rim
postado por Criança e Rim em Blog Criança & Rim
Primeiro biológico de uma nova classe terapêutica indicado na rejeição do transplante renal aprovado na Europa A Bristol-Myers Squibb anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou uma autorização de intro...


Monitor sonoro informa o valor da glicemia ao paciente com deficiência visual
postado por Carolina Lima em Jujuba Diabética
Novidade aos os deficientes visuais portadores de diabetes: Pacientes que apresentam deficiência visual, seja parcial ou completa, poderão se beneficiar de mais um avanço no tratamento e controle do diabe...


Terapia com luz azul é desenvolvida para substituir injeção de insulina
postado por Carolina Lima em Jujuba Diabética
Pesquisadores testaram a produção controlada pela luz do hormônio GLP-1, que coordena a fabricação de insulina no pâncreas Pesquisadores do Instituto Federal ETH Zurique, na Suíça, montaram uma rede genéti...


ABAIXO ASSINADO PELA VIDA
postado por Dudu
Atualmente os portadores de Mucopolissacaridose só conseguem auxílio por via judicial, ou seja, precisam processar o governo para ter direito a um tratamento que melhora a sua qualidade de vida. O custo me...



Novo dispositivo melhora eficiência da hemodiálise
postado por Criança e Rim em Blog Criança & Rim
Um novo dispositivo implantado por debaixo da pele na perna pode ajudar a evitar infecções, formação de coágulos e o estreitamento de veias decorrentes das sessões de hemodiálise. O aparelho, criado por um...

abs,
Carla

sábado, 9 de julho de 2011

Afinal, o que são os adoçantes?



Afinal, o que são os adoçantes?

Adoçantes são produtos constituídos a partir dos edulcorantes. Os edulcorantes são os responsáveis pelo sabor doce (muitas vezes maior do que o açúcar) com as calorias reduzidas, recomendados para dietas especiais.

Você já notou que existem diferentes tipos de adoçantes? Vamos aprender um pouco sobre cada um deles por ordem cronológica?
  • Sacarina
    É o primeiro adoçante artificial usado por diabéticos para substituir o açúcar. Foi descoberto em 1897 e é usado desde 1900. É um produto sintético com alto poder edulcorante, sendo de 200 a 700 vezes maior que a sacarose (o açúcar refinado que você conhece), porém tem gosto residual amargo, com perfil de sabor tardio e persistente. Custa pouco e pode ser empregado em receitas que vão ao fogo. É absorvida lentamente, mas não é metabolizada pelo organismo. Isso quer dizer que é eliminada tal como é ingerida.
  • Ciclamato
    Descoberto em 1940, é cerca de trinta vezes mais doce que a sacarose, que você já sabe, é o açúcar comum. Seu perfil de sabor é de lenta percepção da doçura, com sabor residual doce-azedo duradouro. Esse adoçante foi acusado de ser nocivo à saúde mas, depois de novos e inúmeros testes, ficou comprovado que ele pode ser usado sem nenhum tipo de risco à saúde. Tanto que seu uso é permitido em mais de quarenta países.
  • Aspartame
    Descoberto em 1965, o aspartame é uma proteína adocicada produzida pela combinação de dois aminoácidos encontrados normalmente nos alimentos. Seu perfil de doçura é o que mais se assemelha à sacarose. Não deixa sabor residual de nenhum tipo. Adoça de 43 a 400 vezes mais que a sacarose, dependendo da forma como se apresenta e do alimento onde se encontra. Este é o adoçante mais popular no momento, sendo oferecido rotineiramente em cafés, bares e restaurantes. O apartame só é contra-indicado para portadores de fenilcetonúria, uma anomalia rara e geralmente diagnosticada no nascimento. São organismos incapazes de metabolizar a fenilalanina, existente em muitos alimentos, como leite, carne, pão etc.
  • Stévia
    Este adoçante leva o nome da planta de onde é extraído, originária da Serra do Amambaí, na fronteira do Brasil com o Paraguai. Essa planta foi identificada em 1905, mas suas propriedades edulcorantes há séculos eram conhecidas pelos índios guaranis. Produzido desde 1970, esse adoçante tem o perfil de sabor semelhante ao da sacarose, porém mais persistente e residual de mentol. Adoça de 110 a 300 vezes mais que a sacarose. Não é calórico e pode ir ao fogo. É o único adoçante de origem vegetal produzido em escala industrial.
  • Frutose
    A frutose é mais doce que a sacarose e de conteúdo calórico igual ao da sacarose (você lembra, é o açúcar de mesa). Mas como é usado em pequenas quantidades, pode ser consumido até em dietas para obesidade.
Você deve ter notado que na descrição das características de alguns adoçantes aparece a indicação de que "pode ir ao fogo". Isso se dá porque a maioria deles perde seu poder adoçante quando é submetida a altas temperaturas do processo de cozimento. Por isso, há alguns truques na hora de preparar receitas com adoçante que você vai descobrir mais adiante.

Todo mundo pode consumir adoçante?

Praticamente todo mundo pode consumir adoçante, mas existem exceções. Como o caso dos portadores de fenilcetonúria, que não podem consumir aspartame. Mas vamos tirar as dúvidas.
  • Diabéticos - São as maiores beneficiados. A recomendação para eles é adotar o aspartame, que proporciona sabor agradável aos alimentos e não interfere no tratamento de pacientes dependentes ou não da insulina. Mas os outros tipos também podem ser consumidos.
  • Gravidez e período de amamentação - Produtos à base de aspartame podem ser consumidos, sem problemas, por grávidas ou lactantes, segundo o Conselho de Assuntos Científicos da Associação Médica Americana. A única exceção, como você já aprendeu, é para portadoras de fenilcetonúria.
  • Crianças e adolescentes - Crianças a partir dos dois anos de idade podem usar o aspartame, assim como os adolescentes, sem prejuízos para o equilíbrio das calorias necessárias. Aliás, o aspartame ajuda a reduzir a quantidade de açúcar nos dentes e, conseqüentemente, a diminuir a presença de cáries.
p.s: consulte seu médico e/ou nutricionista
Fonte: minicursos- universa

sexta-feira, 8 de julho de 2011


HIPERTENSÃO E RINS





Uma manifestação precoce de lesão renal pela pressão elevada é a presença de proteínas na urina, chamada proteinúria (leia: PROTEINÚRIA, URINA ESPUMOSA E SÍNDROME NEFRÓTICA ). Essas proteínas podem ser detectadas facilmente através de um exame de urina simples chamado de E.A.S (leia: ENTENDA SEU EXAME DE URINA). Pequenas quantidades de proteínas são assintomáticas. Lesões renais avançadas levam a grandes proteinúrias, que se manifestam como uma grande formação de espuma na urina (tipo colarinho de chopp). Outro sinal de doença avançada é a elevação da creatinina sanguínea.

A pressão alta não tratada pode a longo prazo, levar a insuficiência renal terminal e
ne
cessidade de hemodiálise
p.s:consulte um médico e/ou nefrologista
fonte:www.mdsaude.com/ postado por Dr. Pedro Pinheiro