Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




quinta-feira, 27 de julho de 2017

AMBIENTA BRASIL: LEVANTAMENTO SOBRE A AMBIENTAÇÃO DAS SALAS DE QUIMIOTERAPIA PEDIÁTRICAS NO BRASIL

 
 
 
Com o objetivo de mapear a ambientação das salas de quimioterapia pediátrica no Brasil, o Instituto Desiderata conduziu uma pesquisa online com hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) que tratam crianças e adolescentes com câncer no Brasil. Trinta e sete hospitais distribuídos no território nacional responderam. A pesquisa teve o apoio da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica e a parceria do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A análise mostra que gestores da saúde pública ainda precisam investir mais na transformação de ambulatórios e enfermarias, para transformá-los em locais lúdicos e alegres e entender a ambientação como uma ação estratégica para o cuidado aos pequenos pacientes.

Em outro estudo realizado pelo Instituto Desiderata foi percebido o grande impacto que a ambientação gera na vida dos profissionais de saúde envolvidos e nas famílias que acompanham as crianças e os adolescentes nesta etapa do tratamento.

Conheça os resultados e entenda como a humanização pode criar novos cenários de cuidado para crianças e adolescentes com câncer.
 
 
 
 
obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla
 


Alecrim e hortelã podem ajudar a memória de Pessoas com Alzheimer



É impressionante como, a cada dia, descobre-se novas utilidades terapêuticas vindas da natureza. Mesmo plantas conhecidas há muito tempo ainda oferecem boas surpresas para os que se dedicam a estudá-las. É o caso do alecrim e da hortelã, que trouxeram novas conclusões para os cientistas.



O segredo está nos antioxidantes. As duas plantas tem um alto nível dessas substâncias, reconhecidamente excelentes tanto para a o cérebro quanto para a saúde cardiovascular. Esses benefícios já eram conhecidos… A novidade que surpreendeu os pesquisadores é a melhoria na memória!

Alecrim e hortelã: bons para a memória

Os pesquisadores fizeram um extrato a partir dos antioxidantes do alecrim e da hortelã, com o qual alimentaram os ratos de laboratório. Depois de algum tempo, eles notaram que quanto maior a dose de extrato, melhor a memória e a capacidade de aprendizagem dos animais. E tem mais: eles perceberam também sinais de redução do estresse oxidativo, que marca o declínio comum do envelhecimento.
Esse é mais um importante passo para combater o Alzheimer e seus sintomas. Embora ainda não se saiba qual a quantidade ideal dessas plantas que uma pessoa precisaria consumir, uma coisa é certa: alecrim e hortelã fazem bem para a saúde! Quer conhecer outros alimentos ideais para adiar o avanço do Alzheimer? Assista à palesta sobre alimentação da plataforma do Alzheimer360! Clique aqui e conheça agora!


obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs. Carla\http://alzheimer360.com/alecrim-hortela-ajudar-memoria-alzheimer/
Os artigos publicados pelo Alzheimer360 têm o intuito de divulgar informações sobre os avanços de estudos relacionados ao Alzheimer pelo mundo. Este artigo apresenta pesquisas e testes preliminares que ainda não tiveram sua eficácia comprovada no tratamento/prevenção da doença. Para esclarecer qualquer dúvida ou obter mais informações, o leitor deverá procurar o órgão ou empresa responsável pelo estudo divulgado

. Região do cérebro irrigada ajuda os cientistas a avaliar os danos causados pela doença de Parkinson

Em português mais abaixo
 
.NIH-funded research could aid drug development for the condition


IMAGE: NIH-FUNDED SCIENTISTS HAVE DISCOVERED THAT PARKINSON'S DISEASE INCREASES THE AMOUNT OF "FREE " WATER IN A PARTICULAR BRAIN AREA. view more 
CREDIT: IMAGE COURTESY OF DAVID VAILLANCOURT, PH.D., UNIVERSITY OF FLORIDA.
26-JUL-2017 - Scientists at the University of Florida have discovered a new method of observing thebrain changes caused by Parkinson's disease, which destroys neurons important for movement. The development suggests that fluid changes in a specific brain area could provide a way to track that damage. The study, published in the journal Brain, was supported by the NIH's National Institute of Neurological Disorders and Stroke (NINDS).

"By finding a new way to detect and track how Parkinson's affects the brain, this study provides an important tool for assessing whether a drug might slow or stop those changes and keep symptoms from getting worse," said NINDS Program Director Daofen Chen, Ph.D.

The researchers, led by David Vaillancourt, Ph.D., a professor of applied physiology and kinesiology at the University of Florida in Gainesville, FL, used a form of MRI that differentiates between water contained in brain cells and "free" water outside of cells. Their analysis focused on the substantia nigra, a brain structure where Parkinson's disease kills neurons that use the chemical dopamine to communicate with other cells. The results showed that the amount of free water in that brain area stayed the same over the course of a year in healthy individuals but increased in early-stage Parkinson's patients during that period and increased further over the next three years. This confirms and expands on a prior study by the same group that measured free water over just one year. The new findings also revealed the increase in free water was linked to worsening symptoms.

"The amount of free water doesn't just change over one year - it keeps progressively increasing, which suggests that it's tracking the progressive degeneration of neurons," said Dr. Vaillancourt.

The researchers used a scale to evaluate patient's movement problems, with Stage One on the scale being the least severe and Stage Five being the most advanced. Patients who moved up a stage on the scale during the four years of the study had a greater free water increase than patients who remained at the same stage, suggesting the change reflected Parkinson's-related damage to neurons.

Parkinson's disease destroys dopamine-producing cells in the substantia nigra, which connect to adjacent brain areas. Dr. Vaillancourt's study showed that a greater free water increase in the substantia nigra was associated with a decrease in dopamine neuron activity in one of these nearby regions, supporting the idea that free water changes are related to progression of the disease.

"That correlation is encouraging because it pins down the biological relevance of free water," Dr. Vaillancourt said.

The study's results suggest that the MRI-based free water measurement could be used in Parkinson's disease clinical trials. If a treatment slows or stops the increase in free water, it might be evidence that the drug is slowing the progressive loss of dopamine neurons.

The researchers used data from the Parkinson's Progression Markers Initiative (PPMI), a large study sponsored by the Michael J. Fox Foundation that has been collecting information on recently diagnosed Parkinson's patients from over 30 different U.S. and international sites. The fact that Dr. Vaillancourt's team found similar patterns in patients at every location boosted his confidence in the results because, like the PPMI, clinical trials must collect data from many sites using numerous different MRI machines.

"The PPMI data is real-world messy data, and when you find the effect in real-world messy data, it makes you think that it has legs," he said.

Dr. Vaillancourt speculated that his team's free water approach could make clinical trials less expensive by reducing the number of participants they would need to enroll. His team is currently running just such a study using free water to gauge the effect of a potential Parkinson's treatment. At the same time, the group is attempting to develop computer programs that will make free water analysis faster and easier. Future studies are needed to track changes in free water over longer time spans and in other brain regions and to determine what causes them.

###

The study was funded by NINDS (NS052318), the National Institute of Mental Health (MH108574), the National Institute of Biomedical Imaging and Bioengineering (EB015902), and the Parkinson's Progression Markers Initiative.

References: Burciu et al. Progression marker of Parkinson's disease: a 4-year multi-site imaging study. Brain. July 26, 2017. doi: 10.1093/brain/awx146

How Parkinson's disease alters the brain: NIH-funded scientists have discovered that Parkinson's disease increases the amount of "free" water in a particular brain area. Image courtesy of David Vaillancourt, Ph.D., University of Florida.

The NINDS is the nation's leading funder of research on the brain and nervous system. The mission of NINDS is to seek fundamental knowledge about the brain and nervous system and to use that knowledge to reduce the burden of neurological disease.

The mission of the National Institute of Mental Health (NIMH) is to transform the understanding and treatment of mental illnesses through basic and clinical research, paving the way for prevention, recovery and cure. For more information, visit http://www.nimh.nih.gov.

The mission of the National Institute of Biomedical Imaging and Bioengineering (NIBIB) is to improve health by leading the development and accelerating the application of biomedical technologies. The Institute is committed to integrating the physical and engineering sciences with the life sciences to advance basic research and medical care. For more information about the NIBIB, visit https://www.nibib.nih.gov/.

About the National Institutes of Health (NIH): NIH, the nation's medical research agency, includes 27 Institutes and Centers and is a component of the U.S. Department of Health and Human Services. NIH is the primary federal agency conducting and supporting basic, clinical, and translational medical research, and is investigating the causes, treatments, and cures for both common and rare diseases. For more information about NIH and its programs, visit http://www.nih.gov. Fonte:
Eurekalert.




Os Cientistas descobrem a maneira nova de observar as mudanças do cérebro causadas pela doença de Parkinson

 July 26, 2017 - Os Cientistas na Universidade de Florida descobriram um método novo de observar as mudanças do cérebro causadas pela doença de Parkinson, que destrói os neurônios importantes para o movimento. A revelação sugere que as mudanças fluidas em uma área específica do cérebro poderiam fornecer uma maneira de seguir esse dano. O estudo, publicado na Revista Brain, foi apoiado pelo Instituto Nacional do NIH de Desordens Neurológicas e pelo Curso (NINDS).

“Encontrando uma maneira nova de detectar e seguir como as influências de Parkinson o cérebro, este estudo fornece uma ferramenta importante para avaliar se uma droga pôde retardar ou parar aquelas mudanças e manter sintomas da obtenção mais ruim,” disse o Diretor de Programa Daofen Chen de NINDS, Ph.D.

Os pesquisadores, conduzidos por David Vaillancourt, Ph.D., um professor de fisiologia e de kinesiology aplicados na Universidade de Florida em Gainesville, FL, usaram um formulário de MRI que se diferencia entre a água contida nos neurónios e a água “livre” fora das células. Sua análise focalizou na substantia nigra, uma estrutura do cérebro onde a doença de Parkinson mata os neurônios que usam a dopamina química para se comunicar com outras células. Os resultados mostraram que a quantidade de água livre nessa área do cérebro ficou a mesma no curso de um ano em indivíduos saudáveis mas aumentaram nos pacientes de Parkinson da fase inicial durante esse período e aumentaram mais durante os próximos três anos. Isto confirma e expande em um estudo prévio pelo mesmo grupo que mediu a água livre mais de apenas um ano. Os resultados novos igualmente revelaram o aumento na água livre foram ligados a agravação de sintomas.

“A quantidade de água livre apenas não muda sobre um ano - mantem-se progressivamente aumentando, que sugere que esteja seguindo a degeneração progressiva dos neurônios,” disse o Dr. Vaillancourt.

Os pesquisadores usaram uma escala para avaliar problemas do movimento do paciente, com Fase Um na escala que é menos severa e para encenar a cinco que são os mais avançados. Os pacientes que moveram uma fase na escala durante os quatro anos do estudo tiveram um aumento livre maior da água do que os pacientes que permaneceram na mesma fase, sugerindo o dano Parkinson-relacionado refletiu mudança aos neurônios.

A doença de Parkinson destrói a produção de dopamina das células da substantia nigra, que conectam às áreas adjacentes do cérebro. O estudo do Dr. Vaillancourt mostrou que um aumento livre maior da água da substantia nigra esteve associada com uma diminuição na atividade do neurônio da dopamina em uma destas regiões próximas, apoiando a ideia que as mudanças livres da água estão relacionadas à progressão da doença.

“Essa correlação é porque fixa para baixo a importância biológica da água livre,” Dr. Vaillancourt, encorajador  disse.

Os resultados do estudo sugerem que a medida livre MRI-baseada da água poderia ser usada em ensaios clínicos da doença de Parkinson. Se um tratamento retarda ou para o aumento na água livre, pôde ser evidência que a droga está retardando a perda progressiva de neurônios da dopamina.

Os pesquisadores usaram dados da Iniciativa dos Marcadores da Progressão do Parkinson (PPMI), um grande estudo patrocinado pelo Michael J. Fox Fundação que tem recolhido a informação nos pacientes de Parkinson recentemente diagnosticado sobre de 30 diferentes lugares dos E.U. e locais internacionais. O fato de que a equipe do Dr. Vaillancourt encontrou testes padrões similares nos pacientes em cada lugar impulsionou sua confiança nos resultados porque, como o PPMI, os ensaios clínicos devem recolher dados de muitos locais usando diferentes e numerosas máquinas de MRI.

“Os dados de PPMI são dados desarrumado do mundo real, e quando você encontra o efeito em dados desarrumado do mundo real, fazem-no pensá-lo que têm os pés,” disseram.


O Dr. Vaillancourt especulou que a aproximação livre da água da sua equipe poderia fazer ensaios clínicos menos caros reduzindo o número de participantes que precisariam de se registrar. Sua equipe está executando atualmente apenas tal estudo usando a água livre para calibrar o efeito do tratamento de um Parkinson potencial. Ao mesmo tempo, o grupo está tentando desenvolver os programas informáticos que facilitarão a análise de água livre mais rápida e estudos futuros são necessários seguir mudanças na água livre sobre uns prazos mais longos e em outras regiões do cérebro e determinar o que o causa. Fonte:
News Medical.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

CONVULSÕES

Alguns pacientes podem apresentar convulsões, que geralmente ocorrem nas fases mais tardias da doença, isto no entanto, não impede que elas possam acontecer precocemente. O cuidador deve estar preparado para esta ocorrência que, via de regra, assusta enormemente, dando a impressão que o paciente pode morrer.


Em primeiro lugar, mantenha a calma.

Posicione o paciente no leito ou mesmo no chão se ele caiu, com a cabeça lateralizada.

Evite colocar a mão em sua boca para puxar a língua, no máximo coloque um objeto cilíndrico (como uma caneta) entre os dentes, para evitar que ele se machuque mordendo a própria língua.

Desabotoe golas e colarinhos, mantenha as vestes frouxas e confortáveis.

Mantenha o ambiente arejado.

Proteja-o de quedas, fique ao seu lado.

Caso seja a primeira vez que isso ocorre, contate imediatamente o médico responsável.

Se o paciente já usa medicação anticonvulsiva e, ainda assim, está apresentando convulsões, contate o médico, para que haja um ajuste na medicação prescrita.

Fique calmo, dificilmente o paciente morre durante uma convulsão.

Não alimente pacientes convulsivos com grandes quantidades de alimentos, pois, caso ele apresente uma convulsão com o estômago cheio, o risco de aspirações é muito maior.

Fracione sua dieta, ofereça várias vezes ao dia pequenas quantidades de alimentos.

É da maior importância, que a segurança do paciente seja mantida durante uma crise convulsiva, que pode ser do tipo tônica (quando o paciente apresenta o corpo contraído), clônica (quando o paciente apresenta "pulos", como se estivesse exposto a um choque elétrico) ou mista, do tipo tônico-clônica.

Pense que as quedas são bastante comuns durante uma crise convulsiva, no momento em que o paciente se "bate". Essas quedas, freqüentemente trazem conseqüências ruins para ele, como as fraturas ou traumas cranianos, por exemplo. — com Sandro Marques.



p.s:Não alimente pacientes convulsivos com grandes quantidades de alimentos, pois, caso ele apresente uma convulsão com o estômago cheio, o risco de aspirações é muito maior.
 
obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla
 https://www.facebook.com/groups/redeila/

 

 

domingo, 23 de julho de 2017

Diabetes: Afrezza, a insulina inalada, faz parceria e deve chegar ao Brasil

11 de junho de 2017


O novo CEO da ManKind, Michael Castagna ao lado de um modelo de inalador de Afrezza

A empresa biofarmacêutica MannKind Corp. anunciou no final de maio uma mudança do seu alto executivo quando o CEO Matthew Pfeffer foi substituído por Michael Castagna, ex-diretor de operações da empresa.

A MannKind tem sede em Valência, Califórnia, e também emprega cerca de 120 pessoas em sua fábrica de alta tecnologia em Danbury. A MannKind, fundada por Alfred E. Mann, fabrica e comercializa produtos terapêuticos comerciais para pacientes com doenças como diabetes.

Seu principal produto é Afrezza, uma insulina de ação rápida para tratamento de diabetes. A Afrezza utiliza a tecnologia Technosphere da marca registrada da MannKind, que entrega medicamentos por inalação em vez de injeção. A plataforma Technosphere é o que “diferencia a empresa no mercado”, disse Castagna.

No ano passado, a MannKind encerrou um acordo com a Sanofi, que falhou em sua tentativa de comercializar a Afrezza. MannKind agora fabrica, comercializa e vende Afrezza. Desenvolver um alcance mais amplo para Afrezza será o principal desafio de Castagna.

Castagna, de 40 anos, visitou a instalação de Danbury na semana passada e discutiu com a Hearst Connecticut Media a direção que ele planeja dirigir a empresa, o futuro da MannKind em Danbury e uma variedade de outros tópicos relacionados à empresa.


P: Onde você vê o MannKind no futuro?

R: No curto prazo, nos próximos 12 a 18 a 24 meses, trata-se realmente de dar uma volta à Afrezza e garantir que esteja lá o máximo possível para ajudar as pessoas ao redor do mundo. À longo prazo, esperamos ter um pipeline de moléculas Technosphere que irá transformar a empresa.

Nós somos predominantemente uma empresa dos EUA com nossa primeira aprovação (FDA); Agora estamos no processo de tomar essa aprovação e trazê-la para outros lugares do mundo. Nós temos uma fábrica aqui que é escalável e, para reduzir seus custos e tornar-se competitiva, você precisa ter uma escala de volume. A maneira como você obtém uma escala de volume é entrar nos mercados internacionais. Esse é um componente crítico à medida que avançamos. (Os EUA) crescerão ao longo do tempo, mas o volume, à curto prazo, pode vir de fora dos EUA.


P: Você segmentou mercados internacionais específicos?

R: Na semana passada, anunciamos uma parceria com o Brasil. Nós também estamos olhando para o Oriente Médio – como Emirados Árabes Unidos – como parte fundamental do mundo que, por razões culturais, preferiria uma insulina inalável por um injetável.

Índia e China são dois mercados fantásticos. Há apenas uma pandemia acontecendo no mercado. A Índia tem 80 milhões de pessoas vivendo com diabetes. Isso, infelizmente, é uma doença de 30 a 40 anos. Os países em desenvolvimento estão realmente se preparando para um fardo de custo significativo em cuidar das pessoas no futuro. Hoje, eles não estão vendo muitos danos, mas nos próximos 10 anos eles verão muitos danos por não administrar seus açúcares.

Quando você vê 80 milhões de pessoas em um país realmente em direção ao desastre, isso vai ter uma conseqüência significativa para a sociedade.


P: Por que Afrezza lutou às vezes para ganhar força nos EUA?

A: Toda vez que você está passando por uma mudança monumental em como você trata uma doença, leva tempo. Os médicos estão fazendo o mesmo por 30 ou 40 anos e, de repente, você está dizendo: “Pense na doença de forma diferente, pense na insulina de maneira diferente”. Isso simplesmente não acontece durante a noite.

Trata-se de ensinar médicos como mudar seus comportamentos e usar a droga, porque uma vez que eles fazem eles não voltam.


obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla

http://www.tiabeth.com/index.php/2017/06/11/afrezza-a-insulina-inalada-faz-parceria-e-deve-chegar-ao-brasil/
PS do Editor TiaBeth:

MannKind Corporation e BIOMM SA  anunciaram em 31/05/2017 que fecharam um acordo de distribuição para a comercialização de Afrezza® (insulina humana) no Brasil. De acordo com o contrato de fornecimento e distribuição, a Biomm será responsável por preparar e arquivar os pedidos necessários para a aprovação regulatória da Afrezza junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária e, em relação aos preços, na Câmara de Regulação de Mercado de Medicamentos. Após aprovação satisfatória desses órgãos reguladores, a MannKind fabricará e fornecerá a Afrezza à Biomm, e a Biomm será responsável por promover e distribuir Afrezza no Brasil.

Hábitos para os Idosos com Diabetes ter qualidade de vida


 0

Começar algo vai bem além de uma simples decisão.Afinal, requer disciplina e quando se tem uma doença como a diabetes, seja qual tipo for, a urgência da mudança de hábitos se torna latente. Há muitas discussões sobre a importância de se alimentar adequadamente e praticar exercícios físicos com regularidade, porém outras ações simples também são necessárias como, por exemplo, observar os pés, pois eles dão os primeiros sinais de que algo está errado. Fazendo esse exercício de observação é possível evitar problemas sérios.

Quando a doença se agrava pode acontecer amputações dos membros e muitos diabéticos só percebem a gravidade dos sintomas após um estágio avançado. “Uma das principais causas de amputamento das pernas é a doença conhecida como pé de diabético. São feridas que podem virar úlceras ocasionando dor, vermelhidão e não têm chance de cura”, explica o chefe do grupo Pé Diabético de Ortopedia da Unifesp, Fábio Batista.

As úlceras nos pés, além de um problema sério para o paciente, envolvem alto custo e registram altos índices de mortalidade. No mundo já são mais de 600 milhões de pessoas que têm a doença, sendo 13 milhões no Brasil. Pensando nisso, e em como a profilaxia pode melhorar a vida de milhares de diabéticos, Luzia Costa, especialista em cuidados das mãos e pés, e criadora da rede Beryllos, cita cinco hábitos para melhorar a vida de quem tem a doença:


Atenção às unhas dos pés
 
O brasileiro tem o hábito de ir à manicure uma vez por semana. Este costume não é restrito apenas às mulheres, apesar delas serem o maior número nos salões. De acordo com o Ministério da Saúde, nesses 10 anos, o grupo mais atingido pela diabetes é o das mulheres. O índice saltou de 6,3% para 9,9%. E o perigo maior é que muitas delas continuam a cuidar dos pés com profissionais que não são especializados em pés de diabéticos. Não se pode retirar a cutícula das unhas e devem ser feitas apenas uma vez por mês com um aparelho adequado. Na Beryllos temos um micromotor exclusivo adaptado com uma broca desbastadora de cutícula que inibe um efeito invasivo nas unhas, por exemplo.


Inspecionar os pés diariamente
 
O número de pessoas que moram sozinhas saltou de uns anos para cá. De acordo com o IBGE, brasileiros com mais de 60 anos e que não têm companhia, já são 15,7%. A diabetes não é restrita a apenas indivíduos com essa faixa etária, porém com o avanço da idade pode ser mais comum. Logo, não tenha vergonha de pedir a ajuda de vizinhos e colegas caso não consiga olhar os seus pés todos os dias. Este membro é o mais afetado pela doença e observar sinais como formigamento, rachadura no calcanhar e micose pode ser a “salvação” de um amputamento. Cuide dos seus pés!


Atenção aos sapatos
 
Use calçados sempre confortáveis e com meias, isso evita calos e feridas. Outra medida é, se caso o indivíduo opte por salto alto atenta-se a manter o limite de 3 centímetros. Há lojas especializadas em calçados confortáveis. Lembre-se: vale a pena custear em um produto mais alto, mas que acarretará em benefícios no dia a dia.


Use sabonetes de glicerina
 
Sim, você pode evitar que a sua pele crie casquinhas e feridas adotando o hábito simples de fazer sua higiene com sabonetes à base de glicerina. Isso porque esse composto é ideal para peles sensíveis devido a sua composição química, por possuir poucas toxinas e não causar nenhuma reação alérgica, além de manter a pele mais hidratada.


Evite o uso de secadores
 
Para as mulheres essa dica pode ser difícil de seguir, porém se você gosta do seu cabelo liso pode optar por uma progressiva no salão de cabeleireiro desde que inspecione os produtos que serão usados para o procedimento, e que não tenham contraindicação para diabéticos e circulação do sangue. O secador pode ocasionar feridas caso esteja muito quente, e isso pode acontecer sem que a pessoa perceba por ser um hábito diário que muitas vezes fazemos sem cuidado.

 obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla
http://www.tiabeth.com/index.php/2017/07/04/habitos-para-os-idosos-com-diabetes-ter-qualidade-de-vida/

sábado, 22 de julho de 2017

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Por que seu açúcar no sangue sobe e desce?

27 de novembro de 2016


glicemia-altos-baixos

Muitos alimentos comuns (incluindo alguns sem açúcar) ou mesmo um resfriado podem aumentar seus níveis de açúcar no sangue. Aqui estão alguns culpados para ficar de olho.

Aumenta: Cafeína

O açúcar no sangue pode subir depois de tomar um café – mesmo que seja café preto sem calorias. O mesmo vale para o chá preto, chá verde, e bebidas energéticas. Ironicamente, outros compostos no café pode ajudar a prevenir diabetes tipo 2 em pessoas saudáveis .

Aumenta:  Alimentos sem açúcar

Muitos destes irá aumentar seus níveis de açúcar no sangue. Por quê? Eles ainda podem ter uma abundância de carboidratos a partir de amidos. Confira os carboidratos totais no rótulo de informações nutricionais antes de comprar.

Aumenta: Comida Chinesa

Quando você for consumir um prato de carne de gergelim ou frango doce e azedo, não é apenas o arroz branco que pode lhe causar problemas. Alimentos ricos em gordura podem fazer o seu açúcar no sangue ficar elevado por mais tempo. O mesmo é verdadeiro para pizza, batatas fritas, e outras guloseimas que têm uma grande quantidade de carboidratos e gordura.

Aumenta: Um resfriado

O açúcar no sangue sobe à medida que seu corpo trabalha para combater uma doença. Beba água e outros líquidos sem açúcar e gás para ficar hidratado. Chame o seu médico se tiver com diarreia ou vômitos durante mais de 2 horas ou se esteve doente durante 2 dias e não estiver melhorando.

Aumenta: O estresse de trabalho

Oprimido ou infeliz no trabalho? Isso tem um preço. Quando você está sob estresse, seu corpo libera hormônios que podem fazer aumentar o açúcar no sangue. É mais comum em pessoas com diabetes tipo 2. Aprenda a relaxar fazendo uma respiração profunda e exercício.

Aumenta: Bebidas Esportivas

Elas são feitos para ajudá-lo a repor os líquidos rapidamente, mas algumas delas têm tanto açúcar quanto um refrigerante. A água normal é provavelmente tudo que você precisa para aguentar um treino moderado de menos de uma hora.

Diminui: Iogurte

Os alimentos que têm bactérias saudáveis, como muitos tipos de iogurte, são chamados de probióticos. Eles podem melhorar a digestão e também podem ajudar a controlar o açúcar no sangue. Alguns iogurtes têm adição de açúcar e frutas, por isso tome cuidado para contar os carboidratos. Sua melhor opção é iogurte natural ou “light” sem açúcar extra.

Diminui: Dieta Vegana

Um estudo descobriu que as pessoas com diabetes tipo 2 que mudaram para uma dieta vegana tiveram um melhor controle de açúcar no sangue e tomavam menos insulina. Um incentivo para as fibras de grãos integrais e feijões pode desempenhar um papel, por abrandar a digestão de carboidratos.

Diminui: Canela

Uma pitada desta especiaria pode adicionar sabor, sem adição de sal, carboidratos ou calorias. Alguns estudos sugerem que também pode ajudar a utilizar melhor a insulina do corpo e assim reduzir o açúcar no sangue em pessoas com diabetes tipo 2.

Atenção: Sono

O açúcar no sangue pode mergulhar a níveis perigosamente baixos durante o fechar de olhos para algumas pessoas com diabetes, especialmente se elas tomam insulina. É melhor verificar os seus níveis de glicose na hora de dormir e quando acordar. Um lanche antes de dormir pode ajudar. Para algumas pessoas, o açúcar no sangue pode subir na parte da manhã – mesmo antes do café da manhã – devido a alterações nos hormônios ou a uma queda na insulina. Tesar a glicemia com regularidade é importante.

Aumenta e Reduz: Calor

Você estará mais seguro no interior de um ambiente com ar condicionado do que quando está ao ar livre com calor. O calor faz com que o açúcar no sangue fique mais difícil de controlar. Você deve testá-lo com frequência e beber muita água para evitar a desidratação. Temperaturas elevadas podem afetar seus medicamentos, medidor de glicose e tiras de teste também. Não os deixe em um carro quente.

Aumenta e Reduz: Hormônios femininos

Quando os hormônios de uma mulher muda, o mesmo acontece com o seu açúcar no sangue. Mantenha um registro mensal de seus níveis de glicose, para ter uma ideia melhor de como o seu ciclo menstrual afeta. Alterações hormonais durante a menopausa podem fazer açúcar no sangue ainda mais difícil de controlar.

O açúcar é ruim para você?

Se você adora doces, não se desespere. Você não tem que desistir deles para sempre. O açúcar irá aumentar seus níveis de glicose no sangue mais rapidamente do que outros carboidratos, mas especialistas em diabetes dizem agora que a quantidade total de carboidratos é mais importante. Portanto, mantenha pequenos os tamanhos da porção do alimento e tenha em conta o total de carboidratos e calorias.

E sobre o índice glicêmico?

O total de carboidratos por dia, distribuídos de forma constante ao longo do dia, é a chave para um bom controle do açúcar no sangue. Algumas pessoas também usam o índice glicêmico (IG), uma classificação de como os alimentos individuais elevam os níveis de açúcar no sangue. Feijão e pães de grãos integrais e cereais têm um IG mais baixo do que o pão branco ou macarrão regular. O suco da fruta tem um IG maior do que a fruta inteira. Pretende comer um alimento de alto IG? Pode comê-lo, desde que juntamente com outro de baixo IG para ajudar a controlar os seus níveis.

Fonte: WebMD

obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla 
http://www.tiabeth.com/index.php/2016/11/27/por-que-seu-acucar-no-sangue-sobe-e-desce/

http://www.thedailystar.net/

Manual do Câncer : Dicas para Enfrentar o Câncer - Abrale





obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico 

abs

Carla

https://www.youtube.com/embed/qmnao1aKWIQ?&wmode=transparent

sexta-feira, 21 de julho de 2017

TV Abrale - Cateter: quando é indicado, quais são e principais cuidados




obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla 

http://abrale.org.br/

Terapia que altera Células para combater Câncer avança nos EUA

Criado: Quinta, 13 Julho 2017 16:13 

 16155579

DO "NEW YORK TIMES"
Uma nova era na medicina foi aberta nesta quarta-feira (12). Um painel da FDA (agência americana que regula medicamentos) recomendou, de forma unânime, a aprovação do primeiro tratamento que altera as células do paciente para combate a leucemia.
Segundo os cientistas, o processo transforma as células da pessoa em "drogas vivas" que potencializam o sistema imunológico contra a doença.
Caso a FDA aceite a recomendação, o que é provável, o tratamento se tornará a primeira terapia gênica do mercado, com outras possíveis a caminho.
Há décadas pesquisadores e indústrias farmacêuticas buscam esse tipo de terapia. Agora, a Novartis provavelmente será a primeira, ao mesmo tempo em que trabalha em tratamentos similares para vários tipos de melanomas e para cânceres agressivos de cérebro.
Para a utilização da técnica, um tratamento paralelo precisa ser criado para cada paciente. As células da pessoa precisam ser removidas em um centro médico autorizado, enviadas para a Novartis para descongelamento e processamento, congeladas de novo e enviadas de volta ao centro de tratamento.
Com uma única dose do produto resultante, já foram observadas remissões e até possíveis curas em estudos com pacientes que se aproximavam da morte após tentarem todos os tratamentos disponíveis.
O painel recomendou a aprovação da terapia para a leucemia linfoide aguda, que costuma ser resistente ao tratamento em crianças e adultos entre três e 25 anos.
Emily Whitehead, 12, primeira criança a receber as células potencializadas, estava presente com seus pais na reunião do painel para defender a aprovação da droga que salvou sua vida.
Em 2012, então com seis anos, Emily recebeu o tratamento em um estudo desenvolvido no Children's Hospital of Philadelphia. Os efeitos colaterais –febres agressivas, problemas de pressão sanguínea e nos pulmões– quase a mataram, mas, no final, ela conseguiu se livrar do câncer.
"Acreditamos que, quando aprovado, este tratamento salvará milhares de crianças", disse ao painel Tom Whitehead, pai de Emily. "Eu espero que um dia todos vocês possam falar a suas famílias, geração após geração, que fizeram parte do processo que acabou com o uso padrão de tratamentos tóxicos, como quimioterapia e radiação. Que foram vocês os responsáveis por transformar cânceres em uma doença tratável."
Na reunião, os especialistas do painel não questionaram o potencial do tratamento em casos em que não há mais esperança de cura. As preocupações se concentraram nos possíveis mortais efeitos colaterais –no curto prazo, as reações agudas como as sofridas por Emily; no longo prazo, a possibilidade das células injetadas causarem, anos depois, tumores secundários.
Até o momento, esses problemas mais longínquos não foram detectados, mas também não se passou tempo suficiente para considerá-los carta fora do baralho.
Don McMahon, outro pai presente na reunião, descreveu os exaustivos 12 anos de leucemia de seu filho, Connor. A doença se iniciou quando o garoto tinha três anos.
O pai de Connor mostrou fotos do garoto careca e entubado durante o tratamento, e afirmou que a quimioterapia tinha deixado seu filho estéril.
Há um ano, os pais de Connor se preparavam para um transplante de medula óssea quando descobriram o tratamento com células T. O garoto, então, começou a terapia na Universidade Duke, nos EUA.
Hoje, Connor já voltou a jogar hockey.
McMahon pediu para o painel aprovar a terapia e afirmou que, comparado ao tratamento padrão –que requer várias punções lombares e dolorosos testes de medula óssea–, os cuidados com as células T são muito mais toleráveis.
O tratamento foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade da Pennsylvania e licenciado pela Novartis.
De toda forma, a terapia não será amplamente utilizada logo de início. A doença não é comum, afetando somente 5.000 pessoas por ano, dos quais 60% são crianças ou jovens adultos.
A maior parte das crianças é curada com o tratamento padrão, mas em 15% dos casos –como nos de Emily e Connor– a doença não responde à terapia ou acaba retornando.
Segundo especialistas, esses tratamentos individualizados podem custar mais US$300 mil. A Novartis se recusou a especificar o preço da terapia.
Considerando a complexidade do tratamento e necessidade de uma equipe especializada para controle dos efeitos colaterais, a Novartis, inicialmente, irá limitar a terapia a 30 ou 35 centros médicos, nos quais já há pessoal treinado para aplicação do processo.
"Após a aprovação do CTL019 [nome do tratamento], caberá aos centros médicos aceitar ou não pacientes estrangeiros. Estamos trabalhando para levar o CTL019 outros países", disse, por e-mail. um representante da Novartis. A farmacêutica também afirmou que ainda este ano iniciará o processo de regulamentação da terapia na União Europeia.
Para o tratamento, é necessário remover milhões de células T dos pacientes e modificá-las com engenheira genética para que consigam matar células cancerígenas.
A técnica se utiliza de uma forma inativa de HIV, o vírus causador da Aids, para implantar material genético dentro das células T, reprogramando-as.
Essa recauchutagem potencializa o ataque de células T contra células B, uma parte normal do sistema imunológico que, na leucemia, torna-se maligna. As células T alteradas recebem a proteína CD-19, encontrada na superfície da maior parte das células B.
Então, as céluas T recauchutadas são colocadas de voltas na corrente sanguínea dos pacientes, onde elas se multiplicarão e começarão a combater o câncer.
Carl June, líder da equipe da Universidade da Pennsylvania que desenvolveu o tratamento, chama as células reprogramadas de "assassinas em série". Uma única seria capaz de destruir 100 mil células cancerígenas.
Em alguns estudos, a engenharia genética celular demorou quatro meses, o que impediu o uso da terapia, pois os pacientes estavam tão doentes que morreram antes de receber as células de volta.
Na reunião do painel da FDA, a Novartis afirmou que atualmente esse tempo foi reduzido para 22 dias. Segundo a farmacêutica, quando a terapia for utilizada em maior escala, códigos de barras e outros procedimentos podem ser usados para evitar que amostras se misturem.
16166538

Fonte: Folha de S.Paulo