quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013




Muitas vezes.........

abs,
Carla

Cardápios por sintomas: Náuseas e Vômitos no tratamento Oncológico



Dia 1

Refeições

Alimentos


Café da manhã
  • Suco de laranja ou gelo do suco
  • Torradas com geleia
  • Banana passa

Lanche da manhã
  • Bolacha água e sal
  • Iogurte

Almoço
  • Salada de cenoura e tomate
  • Bolinho de arroz assado com cebolinha verde (4 col de sopa de azeite, 1 xic de arroz, 1 col de orégano, 2 ovos batidos, 1 xic de farinha de trigo peneirada, sal, ½ xícara de farinha de rosca para empanar - refogue a cebola com o óleo, junte o arroz e frite. Junte 3 xícaras de água, o orégano, o sal e misture bem. Assim que a água ferver, reduza a chama, tampe a panela e cozinhe. Retire e deixe esfriar. Unte duas formas com o azeite e polvilhe com farinha de trigo. Acrescente ao arroz os ovos e a farinha de trigo. Adicione o sal e a cebolinha misture bem. Faça os bolinhos com uma colher e empane na farinha de rosca. Coloque os bolinhos nas formas e leve ao forno até dourar)
  • Carne vermelha grelhada sem molho

Lanche da tarde
  • Cookies de limão(1 ovo, ½ xícara chá de manteiga,½ xícara chá de açúcar ¾ de xícara chá de farinha de trigo, 1 colher chá rasa de fermento em pó, 1 xícara chá de aveia em flocos - misture a manteiga com o açúcar e o ovo. Adicione os outros ingredientes e misture. Coloque pequenas porções num tabuleiro untado, polvilhe com as raspas de limão e asse em forno pré-aquecido por aproximadamente 20 minutos)
    Suco de uva ou gelo de suco

Jantar
  • Salada verde com tomates
  • Batata assada
  • Frango sem gordura
  • Pêssego em caldas


Dia 2

Refeições

Alimentos


Café da manhã
  • Suco de melão ou gelo do suco
    Bolo de chocolate (3col de sopa de chocolate em pó, 15col de sopa de margarina, 1 ½ xic de chá de açúcar, 4 ovos, 1 ¾ xic de chá de farinha de trigo, 1 col de sopa de fermento em pó – dissolva o chocolate em água morna. Bater bem a margarina, açúcar, chocolate e ovos. Junte a farinha peneirada com o fermento e mexa devagar. Despeje na forma e asse por 1 hora)
  • Ameixa seca

Lanche da manhã
  • Bolacha maisena
  • Leite

Almoço
  • Salada de abobrinha com beterraba
  • Purê de batata (2xic de batata espremida, ¼ de xic de leite, ½ col de sopa de margarina, sal a gosto – adicione os ingredientes à batata cozida e espremida e mexa até formar a consistência desejada)
  • Frango desfiado sem molho

Lanche da tarde
  • Torradas com compota de goiaba - (1xic de goiaba vermelha cortada sem casca e sem semente, 1 xic de água e açúcar a gosto – colocar a goiaba em um panela com água e levar para o fogo para ferver. Depois de cozida, acrescentar o açúcar)
  • Suco de melão ou gelo de suco

  • Salada de vagem com pepino e tomate
    Purê de batata-doce (1 batata-doce, ¼ xic de chá de leite, 1 col de sobremesa de manteiga, 1 xic de chá de água e sal a gosto – descasque e pique a batata e leve ao fogo com a água, deixe cozinhar até ficar macia. Esprema a batata-doce, junte a manteiga, o sal e o leite. Retorne ao fogo mexendo até engrossar)
  • Carne desfiada
  • Banana amassada


Dia 3

Refeições

Alimentos


Café da manhã
  • Suco de uva ou gelo do suco
  • Pão francês com geleia
  • Damasco seco

Lanche da manhã
  • Torradas simples
  • Queijo

Almoço
  • Salada de couve-flor cozida
  • Arroz colorido (2 xic de arroz, 1 col  de sopa de óleo vegetal, 1 cebola picada, 3 dentes de alho amassados, 4 xic de chá de água fervente do cozimento dos legumes, 1 tomate picado sem semente, 1 talo de salsão cortado em tiras finas, 1 xic de ervilhas frescas, 1 cenoura grande picada, ½ xícara de salsinha picada e sal a gosto)
  • Frango sem gordura

Lanche da tarde
  • Bolo de cenoura (3 cenouras cruas, ½ xic de óleo, 3 ovos, 3 xic de farinha de trigo, 1 xic de açúcar, 1 col de sobremesa de fermento em pó, 2 col chá de margarina, 1 copo de leite - Bater no liquidificador o óleo, os ovos, as cenouras. Em seguida, acrescentar a farinha de trigo, o açúcar e o fermento, misture e leve ao forno para assar)
  • Suco de morango ou gelo de suco

Jantar
  • Salada de cenoura e beterraba
  • Macarrão sem molho
  • Carne sem gordura
  • Compota de abacaxi (2 fatias de abacaxi sem miolo, 1 copo de água, cravo e açúcar a gosto – cortar o abacaxi em pedaços, colocar em um panela com metade da água e levar para o fogo para ferver, jogar fora a água. Levar novamente ao fogo com o resto da água e o açúcar e deixar cozinhar)



fonte:http://www.gastronomianutricional.com.br/cardapios-nauseas-vomitos.php

Aline Barros - Ressuscita - me ( Xuxa se emociona )

1- Eu, Minha Mãe, o ALZHEIMER e um LINFOMA NÃO HODGKIN entre nós...


Chamo-me Carla, tenho um blog (reccomecar. blogspot.com) que postei em março de 2010 a intenção era postar um pouco a experiência que tive com meu pai durante quase 09 anos ele era diabético e as complicações da doença  o levou a perda das funções renais tendo que ir para a hemodiálise. Em janeiro de 2009, apresentei como sintoma principal o inchamento de uma ou mais glândulas salivares, causando um aumento exagerado do volume da região do pescoço.  Tive inchaço das glândulas parótidas (as maiores glândulas salivares, localizadas entre a orelha e a mandíbula) depois apresentei um aumento da glândula submandibular (embaixo do queixo) passei pelo Médico clinico e o mesmo depois de pedir alguns exames na especifico somente hemograma e um raio-X cervical constou que não havia nada passando somente uma caixa de antiflamátorio e para procurar o dentista. Indo ao dentista constatou que não havia nenhuma infecção e nada em relação ao inchaço. Tomei a medicação ainda ficando um pequeno inchaço na glândula submandibular, ou seja, debaixo do queixo foi quando o médico (nefrologista) que olhava meu pai me pediu para ir ao Hematologista achei super engraçado e não procurei porque as coisas com meu pai ficarão piores e não preocupei comigo já havia desaparecido os inchaços com as duas caixas de antiflamátorio (porque outro medico do meu pai falou para tomar mais uma caixa e o fiz). Tudo normal até que em 2010 começou aparecer o inchaço na glândula submandibular (debaixo do queixo) como não dói e não havia outros sintomas levando em consideração o que havia sido diagnosticado fiquei tranqüila só que o caroço foi só crescendo aponto deu falar que havia um papo de pelicano (kkk) e cada vez mais que sofria stress aumentava para minha alegria apareceu outro caroço  na glândula parótida do lado esquerdo (perto do ouvido) então resolvi a procura uma hematologista em outubro de 2011, 06 dias antes do meu aniversário e o medo do diagnostico, mas fui. Então levei os exames feitos em 2009 que já não valiam  mais nada  e depois do exame físico ela me pediu uma bateria de exames para identificar o aumento significante dos linfonodos começou ai o desespero para ser diagnosticado.


Um longo caminho... que a ser percorrido...


Esquema das glândulas da cabeça e do pescoço


Adam

foto:http://www.minhavida.com.br/saude/temas/caxumba



p.s: hoje dia 28/02/2013 faz 01(um)ano que inicie minha quimoterapia.
abs,

Carla





terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Casos de cálculo renal crescem 30% no verão


Estudo afirma que problema atinge duas vezes mais homens do que mulheres 


Um levantamento feito pelo Centro de Referência da Saúde do Homem, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, aponta que o número de atendimentos aos pacientes com quadro de cálculo renal aumenta 30% entre os meses de janeiro e março todo ano. 

De acordo com os pesquisadores, isso acontece porque as pessoas transpiram mais e não ingerem líquido o suficiente no verão. Além disso, os cuidados com a alimentação nas férias costumam ser deixados de lado: as pessoas aumentam a ingestão de alimentos industrializados e ricos em sódio, facilitando ainda mais o aparecimento de cálculo renal.

O urologista Fábio Vicentini, médico chefe do ambulatório de litíase (cálculo) renal do Centro, afirma que amendoim, castanha do Pará, calabresa e camarão facilitam a formação das pedras, principalmente por indivíduos propensos à doença, que atinge duas vezes mais os homens do que mulheres. A obesidade também está ligada ao problema, já que os pacientes com índice de massa corporal elevado podem apresentar mais cálcio e ácido úrico na urina.

Em torno de 15% da população brasileira apresenta cálculos renais. Em 85% dos casos, as pedras são pequenas e expelidas naturalmente pela urina. O restante dos pacientes apresenta dores fortes e infecções, necessitando de tratamento medicamentoso ou de intervenção cirúrgica. A chance de reincidência da doença também é grande - metade dos pacientes volta a ter a doença e alguns sofrem ainda pela terceira vez. "Por isso, é extremamente importante que os pacientes que tiveram cálculo renal procurem o médico para fazer o acompanhamento e evitar novas crises", finaliza o urologista Fábio.


Sete cuidados para acabar com o cálculo renal

Complicação difícil de lidar, a dor do cálculo renal provoca dores horríveis, além de náuseas, vômitos, febre e até sangue na urina. A pedra se forma quando algumas substâncias secretadas pela urina - como o cálcio - estão presentes no rim em quantidade excessiva e isso causa um processo de cristalização, formando a pedra. O tamanho do cálculo influencia a intensidade da dor - até quatro milímetros podem ser expelidos espontaneamente, sem dor. "Acima desse tamanho, a chance de episódios com dor aumenta", conta o nefrologista André Sloboda, da Sociedade Brasileira de Nefrologia. Confira alguns cuidados que especialistas recomendam para evitar que o cálculo se desenvolva e até mesmo para ajudar o corpo a expeli-lo. 


Hidrate-se 

A principal recomendação para evitar as pedras e auxiliar o tratamento é ingestão de líquidos acima de dois litros por dia. "Isso deixa a urina menos concentrada, auxiliando a diluição dos cristais", explica o nefrologista Eduardo Garcia, do Hospital Samaritano de São Paulo.


Atenção redobrada em climas quentes 

A incidência de cálculo renal aumenta cerca de 30% no verão. "O principal motivo é a maior perda de líquido pela transpiração, levando a uma urina mais concentrada", conta Pedro Rocha, Nefrologista do Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro. Por isso, se você já tem pedras no rim ou quer evitá-las, aumente a ingestão de água nos dias quentes e use roupas mais leves, evitando a transpiração excessiva. 


Evite o excesso de álcool 

"A ingestão de álcool em grandes quantidades pode levar à desidratação e à elevação no ácido úrico", explica o nefrologista André Sloboda, da Sociedade Brasileira de Nefrologia. As bebidas fermentadas são as que têm maior teor desse ácido e seu consumo elevado pode levar a um agravamento das pedras ou ao surgimento delas. 


Modere a quantidade de sal 

O sal pode ser tido como o grande vilão na formação de cálculos renais. "O consumo elevado leva a uma maior excreção de sódio pelo rim, o que pode aumentar a produção de cálcio, fósforo, acido úrico ou oxalatos, causando a pedra no rim", conta o nefrologista André Sloboda. 


Atenção às proteínas e ao cálcio 

Em casos de cálculo renal mais grave, é recomendado evitar a ingestão de alimentos fontes de proteínas ou de cálcio em grandes quantidades. "O excesso de proteína animal aumentará a secreção de acido úrico urinário, podendo agravar ainda mais o cálculo", conta o nefrologista Pedro Rocha. 

A restrição do cálcio é aplicada a pessoas que desenvolveram pedras formadas por esse nutriente - o cálculo renal por excesso de cálcio é o mais comum. É preciso esse controle para não formar mais pedras ou aumentar as já existentes. 


Tratamento clínico e cirúrgico 

Em casos de pedra nos rins acima de quatro milímetros, é necessário o auxilio de medicamentos analgésicos, para que ela possa ser expelida sem dor, e outros medicamentos que ajudem a sua passagem - todos receitados por um médico. 

De acordo com os especialistas, é recomendado o tratamento cirúrgico quando as pedras possuem mais de 10 milímetros, já que são mais agressivas. Há dois tipos de cirurgias: litotripsia (emissão de ondas de choque que quebram o cálculo) e procedimentos endoscópicos (retirada da pedra através de sondas e cateteres). 

Para todos os casos, a recomendação é conversar com o seu médico e descobrir qual é o método mais adequado. 


Fique atento! 

Existem doenças sistêmicas que podem ter o cálculo renal como o seu primeiro sintoma. Alguns exemplos são gota, doenças autoimunes, doenças inflamatórias intestinais e doenças renais. ?Quando o cálculo renal aparece junto com febre, pode sinalizar uma infecção associada e deve ser motivo para procurar assistência médica imediata?, conta o nefrologista Eduardo Garcia. 

Todo cuidado é pouco: se você está desconfiando que o seu cálculo renal pode ser sintoma de qualquer complicação mais grave, fale com seu médico. 

PERGUNTAS QUE DEVEMOS FAZER QUANDO A PESSOA IDOSA CAI MUITO


PERGUNTAS QUE DEVEMOS FAZER QUANDO A PESSOA IDOSA CAI MUITO

O lugar mais perigoso que existe para o idoso dependente é a sua própria casa. O local da casa onde o idoso mais sofre acidentes é o banheiro e o horário mais comum para quedas é o horário da madrugada.

Sempre que há uma queda, é lógico que todos nós corremos para socorrer o idoso e, se precisar, levá-lo a um setor de urgência e emergência hospitalar, para tratar dos danos ocorridos (pancadas, hematomas e até fraturas). Ninguém se preocupa em saber a causa da queda, somente em buscar uma solução para as suas consequências.

Quando uma pessoa idosa sofre uma queda, algumas perguntas deverão ser respondidas de forma clara. É a melhor maneira de fazer prevenção e não deixar que a pessoa idosa caia de novo!

1- Onde o idoso estava quando caiu? Qual foi o motivo da queda?
2- O que o idoso estava fazendo antes de cair? O idoso perdeu a consciência antes de cair? 
3- O idoso conseguiu levantar sozinho depois da queda? O idoso sabe por que caiu?
4- É a primeira vez que o idoso caiu? A casa do idoso é segura para ele? Há iluminação correta e o banheiro oferece segurança, com piso adequado e alças no box e ao redor do vaso sanitário?
5- Tem algum tipo de movimento que causa desequilíbrio no idoso? Abaixar a cabeça, levantar muito os braços, ficar agachado? 
6- Sentiu-se confuso ou está diferente depois da queda?
As perguntas anteriores são importantes e procuram saber o que ocasionou a queda do idoso, buscando as causas possíveis do acidente e EVITAR QUE SE CAIA NOVAMENTE!



fonte:www.cuidardeidoso.com.br/facebook
PERGUNTAS QUE DEVEMOS FAZER QUANDO A PESSOA IDOSA CAI MUITO

O lugar mais perigoso que existe para o idoso dependente é a sua própria casa. O local da casa onde o idoso mais sofre acidentes é o banheiro e o horário mais comum para quedas é o horário da madrugada.

Sempre que há uma queda, é lógico que todos nós corremos para socorrer o idoso e, se precisar, levá-lo a um setor de urgência e emergência hospitalar, para tratar dos danos ocorridos (pancadas, hematomas e até fraturas). Ninguém se preocupa em saber a causa da queda, somente em buscar uma solução para as suas consequências.

Quando uma pessoa idosa sofre uma queda, algumas perguntas deverão ser respondidas de forma clara. É a melhor maneira de fazer prevenção e não deixar que a pessoa idosa caia de novo!

1- Onde o idoso estava quando caiu? Qual foi o motivo da queda?
2- O que o idoso estava fazendo antes de cair? O idoso perdeu a consciência antes de cair? 
3- O idoso conseguiu levantar sozinho depois da queda? O idoso sabe por que caiu?
4- É a primeira vez que o idoso caiu? A casa do idoso é segura para ele? Há iluminação correta e o banheiro oferece segurança, com piso adequado e alças no box e ao redor do vaso sanitário?
5- Tem algum tipo de movimento que causa desequilíbrio no idoso? Abaixar a cabeça, levantar muito os braços, ficar agachado? 
6- Sentiu-se confuso ou está diferente depois da queda?
As perguntas anteriores são importantes e procuram saber o que ocasionou a queda do idoso, buscando as causas possíveis do acidente e EVITAR QUE SE CAIA NOVAMENTE!


sábado, 23 de fevereiro de 2013

VAMOS NOS COMUNICAR MELHOR COM AS PESSOAS IDOSAS MAIS DEPENDENTES?


Dicas fáceis e muito úteis:

•Sempre tratar o idoso com respeito e chamando-lhe pelo nome. Evitar as expressões como “VOVÔ”, “MINHA CRIANÇA”, “COITADINHO”, “PACIENTE DO LEITO X”, “AQUELE QUE TEM ALZHEIMER”, etc.

•Lembrar que o nome é seu maior patrimônio, é a sua marca registrada num mundo cheio de Josés e Marias. NADA É MAIS IMPORTANTE DO QUE SEU PRÓPRIO NOME. QUANDO ALGUÉM FALA SEU NOME, ISTO É MÚSICA PARA SEUS OUVIDOS!

•Mantenha sempre a tranqüilidade, mostre-se calmo.

•Seja flexível, não exija aquilo que o idoso não pode dar.

•Não tenha pressa para falar e não fique com pressa de ouvir o que o idoso quer falar.

•Procure guiar a conversa, ajudar o idoso a se comunicar. Não controle a conversa, não deixe o idoso falar só o que você quer!

•Não é só a palavra que sai da sua boca que tem importância ao se ouvir. Seus gestos, a carga emotiva da voz, o conteúdo do que se fala e a representação do que se fala, por quem está falando (verdade/mentira).

•Esteja sempre olhando para o idoso, quando falar com ele. Perceba se ele está olhando para você e entendendo o que se está dizendo.

•Evite mostrar-se com raiva ou chateado com o idoso. O olhar de tranqüilidade e bondade, o olhar de carinho e de bom humor contagia qualquer pessoa. Imagine praticando isto com o idoso que é seu cliente ou que é seu familiar!

•Numa conversa, nunca discuta ou tente convencê-lo. Geralmente, quando isto acontece, a conversa fica áspera, complexa e de difícil entendimento pelo idoso.

•Deve-se falar claro e lentamente, sem elevar muito a voz. Se for necessário, podem-se repetir palavras que tenham o mesmo sentido. Exemplo: “José, vamos tomar banho... Lavar o corpo... Entrar no chuveiro?”

•Ao dizer nomes, dê uma orientação: “Maria, sua filha.”, “João, seu vizinho.”

•Comunicar com frases curtas e simples, enfocando somente uma ideia ou opinião de cada vez.

•Dê tempo para o idoso entender o que lhe foi dito.

•Para pessoas idosas com Alzheimer, quando fizer uma pergunta, uma escolha, nunca dê muitas opções: “Mamãe, a senhora prefere a saia azul ou a marrom”?

fonte:www.cuidardeidoso.com.br/facebook



p.s:  eu sempre coloquei e coloco apelido na minha mãe, e tenho que aprender a ficar mais calma e dar o tempo dela para as respostas;  sempre tento convencê-la que tá errada e em relação as roupas já faço isto, mas, quando eu arrumo e vou tomar o meu banho ela troca de roupa outra vez(KKKK) fica para morrer porque as vezes não tem nada a ver com o lugar onde vamos. Obrigada pelas dicas foi super preciosas.
VAMOS NOS COMUNICAR MELHOR COM AS PESSOAS IDOSAS MAIS DEPENDENTES?

Dicas fáceis e muito úteis:

•Sempre tratar o idoso com respeito e chamando-lhe pelo nome. Evitar as expressões como “VOVÔ”, “MINHA CRIANÇA”, “COITADINHO”, “PACIENTE DO LEITO X”, “AQUELE QUE TEM ALZHEIMER”, etc.
•Lembrar que o nome é seu maior patrimônio, é a sua marca registrada num mundo cheio de Josés e Marias. NADA É MAIS IMPORTANTE DO QUE SEU PRÓPRIO NOME. QUANDO ALGUÉM FALA SEU NOME, ISTO É MÚSICA PARA SEUS OUVIDOS!
•Mantenha sempre a tranqüilidade, mostre-se calmo.
•Seja flexível, não exija aquilo que o idoso não pode dar.
•Não tenha pressa para falar e não fique com pressa de ouvir o que o idoso quer falar.
•Procure guiar a conversa, ajudar o idoso a se comunicar. Não controle a conversa, não deixe o idoso falar só o que você quer!
•Não é só a palavra que sai da sua boca que tem importância ao se ouvir. Seus gestos, a carga emotiva da voz, o conteúdo do que se fala e a representação do que se fala, por quem está falando (verdade/mentira).
•Esteja sempre olhando para o idoso, quando falar com ele. Perceba se ele está olhando para você e entendendo o que se está dizendo.
•Evite mostrar-se com raiva ou chateado com o idoso. O olhar de tranqüilidade e bondade, o olhar de carinho e de bom humor contagia qualquer pessoa. Imagine praticando isto com o idoso que é seu cliente ou que é seu familiar!
•Numa conversa, nunca discuta ou tente convencê-lo. Geralmente, quando isto acontece, a conversa fica áspera, complexa e de difícil entendimento pelo idoso.
•Deve-se falar claro e lentamente, sem elevar muito a voz. Se for necessário, podem-se repetir palavras que tenham o mesmo sentido. Exemplo: “José, vamos tomar banho... Lavar o corpo... Entrar no chuveiro?”
•Ao dizer nomes, dê uma orientação: “Maria, sua filha.”, “João, seu vizinho.”
•Comunicar com frases curtas e simples, enfocando somente uma ideia ou opinião de cada vez.
•Dê tempo para o idoso entender o que lhe foi dito.
•Para pessoas idosas com Alzheimer, quando fizer uma pergunta, uma escolha, nunca dê muitas opções: “Mamãe, a senhora prefere a saia azul ou a marrom”?

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Foto

Estudos Clínicos sobre Diabetes Mellitus tipo 1


Seja voluntário e participe de um Estudo Clínico para ampliar  o conhecimento sobre diabetes mellitus.
1. Influencia da ancestralidade na suscetibilidade ao diabetes mellitus tipo 1 em uma população brasileira
O Grupo de Diabetes do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo está convidando pessoas saudáveis e portadoras de diabetes tipo 1, em qualquer idade, com ou sem história familiar de diabetes, a participarem deste Estudo Clínico  com o objetivo de identificar a possível causa genética desta doença. Será feita uma coleta de sangue.
Mais informações: Dra. Karla Gomes e-mail kfbg23@hotmail.com Telefone – 11.9 8667-9149
Grupo de Diabetes do Hospital das Clínicas – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo(HC-FMUSP) Pesquisadora Responsável – Dra. Maria Elizabeth Rossi da Silva



fonte:http://www.diabetes.org.br/para-o-publico/estudos-clinicos

Dia 26/02/13 - ABRALE : Orientação Nutricional Personalizada - paciente onco-hematológico (leucemia, linfoma, mielodisplasia e mieloma múltiplo)


Olá Pessoal, recebi por e-mail e achei super interessante e necessário  e posto aqui para você como eu que passa por tratamento contra o câncer.  Por que é muito complicado achar e pagar uma nutricionista voltada para o nosso  tratamento fora isto, a dificuldade nutricional  que vão surgindo ao longo do tratamento.

abs, 

Carla






A ABRALE traz mais um serviço muito importante para você utilizar durante o tratamento - 

Orientação Nutricional Personalizada. São 8 vagas por mês.



A próxima atividade será no dia 26 de fevereiro,na sede ABRALE em São Paulo, com duração de 1 hora.


Se você é paciente onco-hematológico (leucemia, linfoma, mielodisplasia e mieloma múltiplo), 

agende sua consulta. Clique aqui.





Nome:
E-mail:
Telefone:
Patologia:
Cidade:
 UF: 
                                              


Etapas:

SEDE DA ABRALE

Horário de atendimento: 9h às 17h
Rua Pamplona, 518 - 5º andar
Jardim Paulista - São Paulo (SP) - CEP: 01405-000
São orientações mensais.

Mais informações: apoioaopaciente@abrale.org.br ou 0800-7739973 (ligação gratuita)


Dicas de Alimentação para Pacientes com Câncer

A sua dieta é parte importante do seu tratamento de câncer. Comer os tipos certos de alimentos antes, durante e após o tratamento pode ajudá-lo a se sentir melhor e manter-se forte.

Antes de Iniciar o Tratamento

Logo que seu câncer foi diagnosticado, o seu médico conversou com você sobre um plano de tratamento, que pode ter incluído cirurgia, radioterapia, quimioterapia, terapia com hormônios e biológica (imunoterapia), ou alguma combinação desses tratamentos.

Todos esses métodos matam células. No processo de matar as células do câncer, algumas células saudáveis também são danificadas. É isso que causa os efeitos colaterais do tratamento. Os que podem afetar a sua capacidade de comer incluem:

Confira abaixo algumas dicas que podem ajudá-lo a amenizar os seguintes problemas.


Perda de Apetite

Mudança de peso (perda ou ganho)

Lesões na boca ou na garganta

Boca seca

Problemas na boca e na garganta

Mudança no paladar e no olfato

Náusea/vômito

Diarréia

Intolerância à lactose

Prisão de ventre

Cansaço e/ou depressão

As recomendações de nutrição para os pacientes com câncer podem concentrar-se em ajudá-los a comer alimentos mais ricos em nutrientes. Para tanto, é aconselhável incluir mais leite, creme, queijo, ovos e óleo na dieta, ou alterar os métodos de cozinhar. Algumas vezes recomenda-se que você coma menos alimentos com fibras, porque eles podem agravar problemas como a diarréia ou lesões na boca.

Essas recomendações foram projetadas para ajudar você a recuperar suas forças e tolerar melhor os efeitos de seu tratamento.


• Administrando problemas
• Dicas






Administrando os problemas de alimentação durante o tratamento



Todos os métodos de tratamento do câncer são muito poderosos. Embora esses tratamentos seja dirigidos às células de câncer em rápido crescimento do seu corpo, as células saudáveis também podem ser danificadas. As células saudáveis que normalmente crescem e se dividem rapidamente, tais como aquelas da boca, trato digestivo e cabelo, são freqüentemente afetadas pelos tratamentos de câncer. Os danos às células saudáveis produzem os efeitos colaterais desagradáveis que causam os problemas de alimentação.

Alguns problemas de alimentação são causados pelo próprio tratamento. Outras vezes, os pacientes podem ter problemas para comer porque estão zangados, preocupados ou com medo.

Enquanto estiver no hospital ou recebendo o tratamento, converse com umnutricionista. Ele poderá lhe dar sugestões de refeições específicas, petiscos e alimentos e de como lidar com quaisquer problemas de alimentação que você possa ter. Lembre-se que não existem quaisquer normas de nutrição inflexíveis e fixas durante o tratamento do câncer. Seguem algumas dicas para manter em mente:

Quando puder, tente fazer refeições e comer petiscos nutritivos; eles o ajudarão a manter a sua força, a impedir que os tecidos corporais entrem em colapso e a reconstruir os tecidos que o tratamento de câncer possa danificar.

Muitas pessoas percebem que o seu apetite é melhor de manhã. Aproveite e coma mais nesse horário. Considere fazer a sua refeição principal do dia cedo e mais tarde substitua as refeições por refeições líquidas se não sentir vontade de comer.

Se não se sentir bem e puder comer apenas um ou dois alimentos, coma-os até que seja capaz de ingerir outros. Experimente fazer uma refeição líquida substituta para ingerir nutrientes necessários.

Naqueles dias em que não conseguir comer nada, não se preocupe. Faça o que puder para sentir-se melhor. Volte a comer assim que puder e informe ao seu médico se esse problema não melhorar dentro de dois dias.

Tente beber muitos líquidos, especialmente naqueles dias em que não sentir vontade de comer. A água é essencial para o funcionamento adequado do seu corpo. A ingestão de líquido suficiente assegurará que o seu corpo recebe toda a água de que precisa. É indicado para a maioria dos adultos, de 6 a 8 copos de líquido por dia. Tente levar consigo uma garrafa d’água durante o dia. Isso pode ajudá-lo a desenvolver o hábito de ingerir líquidos.















• Dicas




fonte:

http://www.abrale.org.br/docs/nutricao/?__akacao=1274962&__akcnt=9789a3ab&__akvkey=c978&utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=13.02.19+Orienta%E7%E3o+Nutricional