Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




sábado, 30 de abril de 2016

VI Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia. Inscreva-se gratuitamente!

Importantes especialistas em oncologia estarão no VI Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia. Inscreva-se gratuitamente!

http://www.oncoguia.org.br/eventos/vi_forum_brasilia/?utm_source=facebook&utm_medium=post&utm_term=face_VI_Forum&utm_content=face_ilustracao&utm_campaign=face_VI_Forum


Foto de Instituto Oncoguia - oficial.
5º Fórum de Discussão de Políticas de Saúde em Oncologia
O Instituto Oncoguia realizará o VI Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia. Durante dois dias estarão reunidos os mais diversos atores envolvidos com a temática câncer.

O evento contará com importantes instituições, parlamentares e especialistas em oncologia e políticas de saúde para discussões e debates sobre a realidade do câncer no país.
Confira a programação

Horário: 8:30h às 18:30h 
Local: AMBr - Associação Médica de Brasília
Endereço: SCES Trecho 03 Conjunto 06 - Brasília/DF (Veja como chegar!)
Inscrições: Gratuitas 
Vagas: Limitadas

FAÇA SUA INSCRIÇÃO

















5º Fórum de Discussão de Políticas de Saúde em Oncologia








Datas: 18 e 19/05/2016
Horário: 8:30h às 18:30h 

Local: AMBr - Associação Médica de Brasília
Endereço: SCES Trecho 03 Conjunto 06 - Brasília/DF (Veja como chegar!)
Inscrições: Gratuitas          Vagas: Lmitadas
Quem pode participar:











sexta-feira, 29 de abril de 2016

O Banco de Sangue do INCA está precisando de você!




O Banco de Sangue do INCA está precisando de você! Faça parte dessa corrente do bem e salve vidas. O Banco de Sangue do INCA funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 14h30. Aos sábados, das 8h às 12h (Praça Cruz Vermelha, 23 - Centro do Rio de Janeiro). Doe sangue! Salve Vidas! Compartilhe!

Secretaria investiga troca de vacina de gripe H1N1 por insulina

Por engano, 50 pessoas receberam o hormônio em Maringá, PR

Você sabe a diferença entre Resfriado, Gripe Comum e H1N1?

Prevenção pode reduzir em até 50% casos de lesões na pele de pacientes acamados

Prevenção pode reduzir em até 50% casos de lesões na pele de pacientes acamados


“Inicialmente, a lesão é superficial, mas, se não houver o cuidado adequado pode, em questões de dias, evoluir sem que o paciente se dê conta, atingindo ossos e articulações, com possibilidade de avançar para um quadro ainda mais grave”, alerta coordenadora do Grupo de Pele do HCor

Redação Plena
 
Cuidar de pacientes que ficam acamados ou imobilizados por longos períodos em casa ou no hospital exige atenção especial. Estima-se que cerca de 59% dos pacientes nestas condições desenvolvem uma ou mais lesões na pele (escaras). Entre as possíveis causas destacam-se imobilidade, idade avançada, diabetes, desnutrição, deficiência de vitaminas e umidade excessiva da pele, por exemplo. Manchas avermelhadas, escoriações e bolhas são os primeiros sinais de alerta que podem surgir logo no primeiro dia de leito.
 
Segundo a enfermeira estomaterapeuta e coordenadora do Grupo de Pele do HCor, Clariana Alves Majado, a prevenção e diagnóstico precoce são medidas essenciais para evitar possíveis complicações. “O melhor remédio para as lesões na pele é evitar que elas se formem. As áreas que exigem maior atenção são especialmente atrás da cabeça, costas, articulação do quadril, cóccix cotovelos e calcanhares”, pontua.
 
Risco de infecção
 
Seja em ambiente hospitalar ou na residência do paciente, medidas preventivas podem reduzir em até 50% os riscos de as lesões progredirem causando complicações sérias, como infecções. Contudo, Clariana alerta: “Inicialmente, a lesão é superficial, mas, se não houver o cuidado adequado pode, em questões de dias, evoluir sem que o paciente se dê conta, atingindo ossos e articulações, com possibilidade de avançar para um quadro ainda mais grave”.
 
Em casos de internação domiciliar, a enfermeira ressalta que a família tem papel importante no cuidado, na atenção e no apoio ao paciente para evitar a formação de feridas e minimizar danos à sua saúde. “A tarefa de cuidar é de toda a família e é imprescindível que os familiares sejam orientados quanto aos cuidados básicos a serem realizados durante todo o período de tratamento e reabilitação dos pacientes. Mais do que cuidar do corpo, trabalhar a autoestima pode ajudar muito em sua recuperação”, explica Clariana.
 
Como prevenir?
 
Medidas preventivas para o cuidado com a pele do paciente são fundamentais. A coordenadora do Grupo de Pele do HCor, Clariana Alves Majado elenca os principais cuidados a serem feitos: 
 
. Usar colchões de espuma especial, como viscoelástico, e almofadas de proteção de silicone, por exemplo, para aliviar a pressão nas regiões mais vulneráveis à compressão;
 
. Realizar mudança de posição do paciente a cada duas horas;
 
. Manter uma dieta balanceada, rica em vitaminas e proteínas;
 
. Examinar a pele de todo o corpo, especialmente nos pontos de pressão;
 
. Secar bem a pele depois do banho e hidratá-la com cremes sem álcool uma vez ao dia, sem massagear as áreas já comprometidas;
 
. Manter o paciente em posição confortável com apoio para as costas e pernas;
 
. Estimular a movimentação, respeitando sempre as possibilidades físicas e motoras do paciente.  

obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla
extraído:http://www.portalplena.com/saude/852-prevencao-pode-reduzir-em-ate-50-casos-de-lesoes-na-pele-de-pacientes-acamados

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Nutrição enteral e parenteral: você conhece a diferença?

Saiba qual o tipo de nutrição é ideal para  quem está necessitando de cuidados especiais, como pacientes com Alzheimer em estágio avançado ou idosos com outras enfermidades

Redação Plena /  Fonte: Setor de pós-graduação em nutrição da Universidade Municipal de São Caetanos (USCS)
Nutrição enteral e parenteral: você conhece a diferença?
 
Pouca gente sabe, mas pacientes que se encontram internados têm 30% de chance de tornarem-se desnutridos nas primeiras 48 horas de internação, e até o sétimo dia, essa porcentagem pode aumentar para até 45%. Segundo a Sociedade Brasileira de Nutrição Parental e Enteral, a situação é mais insegura para pacientes com infecções graves, recém-operados ou com traumatismos.
 
A questão é que nós somos leigos no tipo de nutrição na qual deve-se submeter alguém que esteja necessitando de cuidados especiais, como pacientes com Alzheimer em estágio avançado, por exemplo. Então, vale a pena saber:
 
Nutrição enteral: quando o paciente não consegue se alimentar por via oral (boca), a ingestão dos alimentos pode ser feita através de uma sonda (passagem naso/orogástrica) posicionada ou implantada no estômago, no jejuno ou no duodeno. Nesse caso, os alimentos estão na forma líquida ou em pó e têm o mesmo valor nutricional de uma refeição equilibrada.
 
Nutrição parenteral: é a alimentação administrada por via endovenosa. Pode fornecer parte ou a totalidade das necessidades nutricionais de uma pessoa. Esse tipo de alimentação tem a finalidade de complementar ou, ainda, de substituir o fornecimento via oral ou enteral de nutrientes como: glicose, proteínas, sais minerais, eletrólitos, água e vitaminas, e possibilita, assim, a manutenção da homeostase, pelo suprimento de aminoácidos e calorias. 
 
A desnutrição pode levar à perda de massa magra, diminuindo cicatrizações e aumentando o risco de infecções, podendo trazer sérios problemas que podem até levar a óbito. Por essas e outras razões, é necessário cuidar dedicadamente da nutrição dos pacientes e recorrer à terapia nutricional.

obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla
extraído:http://www.portalplena.com/saude/840-nutricao-enteral-e-parenteral-voce-conhece-a-diferenca

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Pés Diabéticos e Pés de Diabéticos, você sabe a diferença?

Para quem tem diabetes, as complicações do pé são um perigo constante e merecem toda a atenção e cuidados diários . Veja algumas dicas para fazer em casa
 Redação Plena / Fonte: Doctor Feet
 
Os cuidados com os pés nunca devem ser deixados de lado. São eles que refletem, muitas vezes, como anda a nossa saúde. Algumas pessoas devem dedicar uma atenção especial aos sinais que os pés indicam, como por exemplo, os diabéticos. Mais de 10 milhões de brasileiros possuem a diabetes. O alto nível de glicose no sangue pode causar lesões nos vasos sanguíneos, reduzindo a circulação de sangue nos pés. Com isso, a pele fica enfraquecida, facilitando o aparecimento de ferimentos e dificultando a cicatrização.
 
Entretanto, há uma grande diferença entre “pés de diabéticos” e um “pé diabético”. Os pés de diabéticos podem ainda não ter sido atingidos pela diabetes, enquanto que um “pé diabético” já foi atingido pela doença e tem problemas de perda de sensibilidade.
 
Para quem tem diabetes, as complicações do pé são um perigo constante e merecem toda a atenção e cuidados diários.   A pessoa pode se machucar e como não sente dor, acaba por não perceber, desenvolvendo calos de pressão, lesões na pele e articulações. Em casos mais graves, a demora para cicatrizar um ferimento pode infeccionar o pé e até levar à gangrena.
 
Recomenda-se a visita regular ao podólogo para que se possam evitar problemas futuros. O “Tratamento Tradicional Completo” é o mais indicado para esses pacientes, pois nele se faz a Podoprofilaxia cuidadosa dos pés.
             
Além desses cuidados específicos realizados pelos profissionais da área, algumas dicas da Coordenadora Técnica da Doctor Feet, Cristina Lopes, podem ser seguidas e feitas em casa:
 
1. Fazer uma minuciosa verificação dos pés todos os dias, olhando se existem ferimentos, calos, calosidades, etc.
 
2. Usar calçados apropriados (confortáveis, mas que dão proteção aos pés).
 
3. Utilizar cremes hidratantes específicos à noite para evitar o ressecamento e as rachaduras.
 
4. Utilizar óleos essenciais que evitam a proliferação de fungos que causam as micoses (melaleuca, por exemplo).
 
5. Não cortar as unhas muito rentes e não mexer nas peles nos cantos das unhas.
 
6. Fazer visitas regulares ao médico e, pelo menos a cada 30 dias, ao Podólogo.
Feridas no pé podem ser consequência de diabetes
obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla
extraído:http://www.portalplena.com/saude/976-pes-diabeticos-e-pes-de-diabeticos-voce-sabe-a-diferenca

terça-feira, 26 de abril de 2016

Apresentação de um Espetáculo que fala sobre o Alzheimer

Espetáculo que fala sobre o Alzheimer  Pelos caminhos das rosas vermelhas


Olá! Bom dia!
Nos dias 29 e 30 de abril, o espetáculo "Pelos caminhos das rosas vermelhas" (Grupo de Teatro Iluminartt - Pará de Minas/MG), que traz um olhar sensível, profundo e poético sobre o Alzheimer, estará em cartaz em Belo Horizonte, no Teatro Marília!
A peça aborda o impacto e implicações da doença tanto para o paciente quanto para seus familiares, que, com o descobrimento da enfermidade, passam a lidar com uma nova realidade. A demência, que vai se acentuando lentamente na protagonista, uma romanesca senhora, vai despertando em seus quatro filhos sentimentos como amor, intrigas, violência, compaixão e perdão. Priorizando o artístico, a sensibilidade e a emoção, o espetáculo aborda, também, de forma séria e objetiva, a dificuldade por parte dos familiares em aceitar e conviver com a doença, estimulando reflexões sobre questões como a finitude da vida, relações entre pais e filhos, cuidados com os pais, envelhecimento, sobrepondo toda essa problemática com ludicidade e arte.
É um convite à realidade, à sensibilidade e à emoção.
Peço, por favor, que divulguem entre os amigos que morem em Belo Horizonte e proximidades.




Pelos caminhos das rosas vermelhas - 29 e 30 de abril de 2016
Sábado, 30 de abril às 20:00
Teatro Marília em Belo Horizonte

obs. já assisti vale a pena ver pois, trata das diferentes fases da doença juntamente com o conflito dos familiares.
abs
Carla

Sonda Alimentar: saiba quais são os cuidados necessários



A sonda pode parecer difícil no início, mas assim que assistir ao vídeo da equipe da Home Angels, você verá que tudo fica mais fácil com calma e dedicação

Redação Plena
 
Se você tem algum familiar que usa sonda para se alimentar, vale assistir o vídeo abaixo produzido pela equipe da Home Angels, rede de franquias de cuidadores de pessoas e especializada em serviços para idosos com limitações físicas.
 
Muitas famílias optam por introduzir este artifício para manter a alimentação dos entes acamados, como no caso dos portadores de Alzheimer em estágio avançado.
 
Confira:
 
 

obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
aba
Carla
Extraíodo:http://www.portalplena.com/saude/1067-sonda-alimentar-saiba-quais-sao-os-cuidados-necessarios

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Repelentes contra Aedes Aegypit: saiba as diferenças e como usar com segurança



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária recomenda três princípios ativos para se proteger do mosquito, que transmite o Zika vírus, a dengue e a Chikungunya

Redação Plena
 
Com forte suspeita de que o surto de microcefalia no Brasil esteja sendo causado pelo Zika vírus, transmitido pelo Aedes Aegypit, o Ministério da Saúde tem recomendado o uso de repelentes como uma importante arma para se proteger contra as picadas. Porém, ainda existe uma grande dúvida sobre quais repelentes são eficazes contra o Aedes Aegypit e o uso com segurança.
 
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomenda três princípios ativos para se proteger do mosquito, que transmite o Zika vírus, a dengue e a Chikungunya, entre eles está o IR3535 -presente nos rótulos das loções repelentes como Ethyl Butylacetylaminopropionate -, o único recomendado para bebês a partir dos 6 meses, tendo a mesma eficácia em todas as idades. A substância se diferencia dos demais repelentes por possuir estrutura química semelhante à beta-alanina, um aminoácido encontrado no corpo humano, por tanto muito bem tolerado pelo organismo.
 
Embora sejam seguros quando usados nas quantidades recomendadas, a maioria dos repelentes são substâncias tóxicas, classificadas como pesticidas. Se usados em excesso, podem causar neutoxicidade. Por isso, a quantidade de aplicações diárias também é um fator relevante, ao qual se deve prestar bastante atenção e seguir a recomendação do fabricante. Já o IR3535, é um biopesticida, com melhor perfil de segurança e sem restrições quanto à reaplicação, podendo ser usado inclusive por pessoas com pele sensível, idosos e gestantes.
 
Como usar o repelente:
 
•Apenas as áreas expostas do corpo devem receber o repelente. O produto deve ser reaplicado conforme a indicação de cada fabricante e em caso de suor excessivo ou contato com água.  Porém, é importante atentar para o limite de aplicações diária de cada produto.
 
•Apenas o IR3535 não possui restrição de aplicações diárias e pode ser usado em crianças a partir dos 6 meses.
 
•Existem repelentes específicos recomendados para as crianças, com formulações menos tóxicas.
 
•O tempo de ação varia de acordo com a concentração de princípio ativo na fórmula.
 
•Os bebês com menos de 6 meses devem ser protegidos com roupas adequadas e frescas, e proteção na casa e no berço. As mães devem ter cuidado redobrado para evitar que os mosquitos entrem em casa.
 
•Nenhum repelente é 100% eficaz, e, sendo assim, todas as medidas acima, bem como as que são apresentadas regularmente pelo Ministério da Saúde, devem ser seguidas.

obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla
extraído:http://www.portalplena.com/saude/1056-repelentes-contra-o-aedes-aegypit-saiba-as-diferencas-e-como-usar-com-seguranca