quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O QUE FAZER QUANDO A PESSOA IDOSA NÃO QUER COMER?

Muitas vezes, a preocupação sobre a falta de apetite da pessoa idosa pode tornar cada refeição uma batalha. Na verdade, todos saem perdendo: você cansa de insistir para que coma e o idoso, na defensiva, relutando para não comer. E acaba não comendo quase nada mesmo, ou nada.




Aqui estão algumas soluções que podem resolver este problema com a pessoa idosa:




1- Tente oferecer porções pequenas, com intervalos menores entre as refeições (5 a 7 refeições pequenas). Também deixe o idoso servir-se, se possível. Se colocar um prato muito cheio, a pessoa idosa vai olhar e rejeitar. Se você servir uma porção menor, poderá acabar mais rápido e com possibilidades de pedir mais.




2- Quanto mais colorido for o prato, mais nutrientes, mais vitaminas, mais proteínas terá a refeição. Quando falamos em prato colorido pensamos em fibras, carne, legumes, verduras e frutas. Podem ser em pequenas porções, mas rico em nutrientes.




3- Entender que os idoso têm paladar mais fraco para comidas salgadas, então apelar para o uso de temperos fortes da culinária. Tente adicionar alho, cebola, cebolinha, açafrão, cominho, gengibre, canela, pimenta vermelha (só uma gotinha bem pequena).




4- Sirva bebidas entre as refeições e não com as refeições. Muitos idosos se enchem de líquidos no almoço, por exemplo, e não têm vontade de comer o prato principal. Já estão "cheios e satisfeitos". Procure oferecer líquidos nos intervalos entre as refeições que sejam ricos em calorias, como néctares de frutas, chocolate, iogurte, bebidas e sucos. E água à vontade.




5- Sirva a principal refeição no momento do dia em que a pessoa está mais alerta (geralmente é o almoço). Mas lembre-se que se o idoso estiver mais alerta de manhã ou de tarde, talvez seja esta a hora de se alimentar melhor. Observe.




6- Muitas vezes, oferecer o que chamamos de suplemento nutricional pode ajudar a pessoa idosa não ficar desnutrida e ajudar no paladar, conforme o gosto que escolher. Estamos falando dos pós nutricionais, tais como ensure, sustacal e meritene, dentre outros. Servidos em forma de shakes ou com bolas de sorvete, ficam apetitosos aos olhos e ao paladar.




7- Se a pessoa idosa pode se exercitar, nunca a deixe parada, sem exercícios. A atividade físcia é um potente "abridor" de apetite!




8- Conte com ajuda de profissionais especializados nesta área: o nutricionista. Eles podem auxiliar e entender melhor o problema de apetite, facilitando o trabalho dos familiares. Também, se caso a situação perdurar, procure o geriatra e converse com ele sobre a dificuldade de alimentar a pessoa idosa e amada que convive com você!

fonte:http://www.facebook.com/cuidardeidosos





CUIDAR DE IDOSOS REQUER RESPEITO E PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS!

Quando falamos em cuidar de idosos, é claro que existem alguns princípios básicos. Eric Pfeiffer, psicogeriatra americano, elaborou em 1985, o que ele chamou de Princípios básicos para se trabalhar com pacientes idosos:




1. Pacientes idosos são tratáveis: doença na velhice não é meramente uma ocasião para lamentação, mas sim um chamado para intervenção.

2. Cuidados aos idosos requerem uma abordagem multidisciplinar: somente uma abordagem multidisciplinar integrada tem uma chance realista de retornar um idoso com incapacidades múltiplas a um funcionamento normal ou perto do normal.


3. Uma intervenção na vida de um paciente idoso deve ser precedida por uma avaliação também abrangente: é o que se chama de avaliação geriátrica ampla, ou seja, não somente avaliar o idoso em relação à sua saúde, mas também fazer avaliações de seus recursos sociais e financeiros, bem como sua independência para as atividades para a vida diária.


4. Cuidado ao paciente idoso requer um novo tipo de serviço – o gerente de caso: ou seja, um profissional habilitado em gerontologia, que possa implantar e gerenciar um plano de cuidados para o idoso, que leve em conta as limitações, as necessidades e o status funcional, bem como os recursos disponíveis na comunidade.


5. O papel da família é de fundamental importância no cuidado do idoso dependente e frágil!


6. Cuidar de idosos requer treinamento especializado em gerontologia e geriatria: o idoso é um tipo de paciente especial, tratado de maneira própria e especial por profissionais especiais, treinados em geriatria e gerontologia.



7. Pessoas idosas não só são passíveis de tratamento, como também podem receber educação: aqui, afirma-se que os pacientes são capazes e estão interessados em aprender informações vitais sobre sua própria experiência de envelhecimento e são hábeis em aprender sobre como melhorar o auto-cuidado.



8. Pessoas idosas, além de receberem tratamento e educação, também nos ensinam sobre o que é envelhecer: os idosos são experts em relação à experiência do envelhecimento, pois já estão vivendo esta fase em toda a sua plenitude!

fonte:http://www.facebook.com/cuidardeidosos



terça-feira, 30 de outubro de 2012

MINICURSO FACEBOOK CUIDAR DE IDOSOS - 1 - Segurança Domiciliar e Quedas em Idosos

  1. TEMA: SEGURANÇA DOMICILIAR E QUEDAS EM IDOSOS


    1º DIA - Introdução

    Os números são surpreendentes! Muito mais que as tragédias de trânsito, muito mais que a violência urbana, as quedas em idosos apresentam estatísticas dignas de grandes catástrofes, logrando o primeiríssimo lugar entre as principais causas, nos idosos, de internamentos por acidentes.

    E o que é pior, o local mais perigoso do mundo para o idoso, principalmente para aquele m...
    ais dependente, é justamente a sua casa! Sim, é na residência do próprio idoso que acontece os piores acidentes que se traduzem em quedas, com graves consequências, tais como: fraturas de fêmur, fraturas de coluna vertebral, fraturas de braço e traumatismo craniano.


    Falamos em números, mas até agora não os mostramos. As estatísticas de quedas em idosos são as seguintes:
    • 30% de todos os idosos caem ao menos uma vez ao ano!
    • Metade dos idosos acima dos 85 anos (justamente os mais fragilizados e dependentes) cai pelo menos uma vez ao ano.
    • E, cuidado, mais de 60% dos idosos que sofreram quedas, cairão de novo nos próximos seis meses! É surpreendente!
    • No Brasil, 5% das mortes por causas externas, em todas as idades, são por quedas em idosos!

    É fato incontestável e, o que é pior, não estamos preparados para combater esta epidemia de quedas que ocorrem diariamente nos plantões de traumatologia dos hospitais brasileiros. Cuida-se somente da consequência, da fratura, da prótese de fêmur, do traumatismo craniano. Mas como prevenir, como evitar que os nossos idosos caiam tanto, tenham tantas quedas?

    ------------------------------------------------------------
    Foto: MINICURSO FACEBOOK CUIDAR DE IDOSOS

TEMA: SEGURANÇA DOMICILIAR E QUEDAS EM IDOSOS

1º DIA - Introdução

Os números são surpreendentes! Muito mais que as tragédias de trânsito, muito mais que a violência urbana, as quedas em idosos apresentam estatísticas dignas de grandes catástrofes, logrando o primeiríssimo lugar entre as principais causas, nos idosos, de internamentos por acidentes.

E o que é pior, o local mais perigoso do mundo para o idoso, principalmente para aquele mais dependente, é justamente a sua casa! Sim, é na residência do próprio idoso que acontece os piores acidentes que se traduzem em quedas, com graves consequências, tais como: fraturas de fêmur, fraturas de coluna vertebral, fraturas de braço e traumatismo craniano.

Falamos em números, mas até agora não os mostramos. As estatísticas de quedas em idosos são as seguintes:
• 30% de todos os idosos caem ao menos uma vez ao ano!
• Metade dos idosos acima dos 85 anos (justamente os mais fragilizados e dependentes) cai pelo menos uma vez ao ano.
• E, cuidado, mais de 60% dos idosos que sofreram quedas, cairão de novo nos próximos seis meses! É surpreendente!
• No Brasil, 5% das mortes por causas externas, em todas as idades, são por quedas em idosos!

É fato incontestável e, o que é pior, não estamos preparados para combater esta epidemia de quedas que ocorrem diariamente nos plantões de traumatologia dos hospitais brasileiros. Cuida-se somente da consequência, da fratura, da prótese de fêmur, do traumatismo craniano. Mas como prevenir, como evitar que os nossos idosos caiam tanto, tenham tantas quedas?
-----------------------------------------------------------------------------------

Próximo post: Vídeo - 9 dicas de proteção para o idoso não cair -
Aproveite e escute a linda música de Almir Sater  *  "Tocando em frente"
Logo mais às 18 horas - aqui no Facebook Cuidar de Idosos

    fonte:http://www.facebook.com/#!/cuidardeidosos

ALGUNS FATOS SOBRE AS MULHERES IDOSAS NO BRASIL



1- Sem dúvida, as mulheres têm uma expectativa de vida maior que os homens. Ficando mais claro: as mulheres apresentam uma expectativa de vida de 78 anos, enquanto que os homens têm somente 69 anos.

2- De cada 10 mulheres que chegam aos 80 anos, somente 5 homens chegam aos 80 anos!

3- Grande número de mulheres idosas que moram sozinhas nos grandes centros urbanos.

4- Isolamento social da idosa muito maior que do idoso. Maior contingente de institucionalização (ir para casa de repouso) da mulher idosa em relação ao homem idoso.

5- Por falta de contribuição previdenciária, devido ao trabalho no lar e da criação dos filhos, a mulher idosa tem renda menor, muitas vezes somente a aposentadoria do marido falecido.

6- Mesmo assim, muitas delas acabam sendo a única fonte de renda de toda a família, fazendo com que o padrão de vida seja menor.

7- Exploração da família, que depende da idosa, em relação à obrigação de contrair empréstimos consignados, facultativo à aposentados e pensionistas.

Foto: ALGUNS FATOS SOBRE AS MULHERES IDOSAS NO BRASIL

1- Sem dúvida, as mulheres têm uma expectativa de vida maior que os homens. Ficando mais claro: as mulheres apresentam uma expectativa de vida de 78 anos, enquanto que os homens têm somente 69 anos.

2- De cada 10 mulheres que chegam aos 80 anos, somente 5 homens chegam aos 80 anos!

3- Grande número de mulheres idosas que moram sozinhas nos grandes centros urbanos.

4- Isolamento social da idosa muito maior que do idoso. Maior contingente de institucionalização (ir para casa de repouso) da mulher idosa em relação ao homem idoso.

5- Por falta de contribuição previdenciária, devido ao trabalho no lar e da criação dos filhos, a mulher idosa tem renda menor, muitas vezes somente a aposentadoria do marido falecido.

6- Mesmo assim, muitas delas acabam sendo a única fonte de renda de toda a família, fazendo com que o padrão de vida seja menor.

7- Exploração da família, que depende da idosa, em relação à obrigação de contrair empréstimos consignados, facultativo à aposentados e pensionistas.
fonte:http://www.facebook.com/#!/cuidardeidosos

Dia Mundial da Luta Contra AIDS





 A MAOIR DOENÇA É O PRECONCEITO!!!!

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Bebidas açucaradas contribuem para o aumento da obesidade e diabetes no país

27/11/2012 - Jornal do Brasil

Com o crescente percentual de obesos no Brasil, o Ministério da Saúde divulgou recente pesquisa que mostra que a diabetes mata mais que a Aids e que os acidentes de trânsito no país. A principal causa é a má alimentação do brasileiro. Mas se engana quem pensa que o problema está somente nos pratos. Uma das grandes contribuidoras para a obesidade são as bebidas açucaradas, como refrigerantes, por exemplo. O estudo da UERJ, desenvolvido pela doutora em Saúde Coletiva, Ana Carolina Reiff, comprovou que o consumo dessas bebidas altera o metabolismo de adolescentes, tornando-as propensas à obesidade.

Rita Adriana Gomes de Souza, também doutora pela UERJ em saúde coletiva, afirmou que há relação direta entre consumo excessivo de bebidas açucaradas e o aumento da obesidade e do número de mortes por diabetes. “É sugerido que os indivíduos que consomem bebidas açucaradas não compensam este consumo reduzindo o consumo de outros itens, o que pode contribuir para o ganho de peso e desenvolvimento de diabetes. Além disso, o açúcar contido nessas bebidas apresenta rápida absorção, efeito esse com importante papel nos níveis glicêmicos sanguíneos. Como se vê, as bebidas açucaradas tem importante contribuição tanto para a obesidade quanto para o desenvolvimento de diabetes”.

ados do Inquérito Nacional de Alimentação (INA/IBGE) mostraram que os refrigerantes apresentaram uma das maiores médias de consumo diário per capita no Brasil (94,7 g/dia). Para Adriana, que fez sua tese de doutorado baseada na alimentação e obesidade, caberia uma medida semelhante à do cigarro. “Devido a crescente participação das bebidas açucaradas na dieta do brasileiro, por elas serem importante fonte de açúcar e principalmente devido ao forte apelo da mídia para o consumo desses produtos, talvez coubesse uma medida mais enérgica do ministério da saúde no sentido de alertar a população”.

Para a pesquisadora, no entanto, é mais difícil controlar a alimentação do que o tabagismo, pois o cigarro é prejudicial à saúde em quaqluer quantidade. Já os alimentos podem ser consumidos moderadamente. O difícil é a pessoa saber a quantidade ideal. “Os fumantes sabem relatar a quantidade de cigarros fumados por dia. Já com a dieta, se você pedir para a pessoa relatar o que ela comeu cerca de dois dias atrás, ela, possivelmente, não se lembrará bem”, explica a autora. E outra coisa importante: cigarro é maléfico pra saúde em qualquer quantidade. Isso não acontece com a dieta. Bebidas açucaradas, por exemplo, podem ser consumidas desde que de forma moderada”.

Em Nova York, a venda de refrigerantes em tamanhos gigantes foi proibida. Para Rita, essa medida é válida e poderia ser adotada no país. “O aumento do tamanho das porções, algo verificado nos últimos anos, se constitui em um importante fator na manutenção de elevado consumo de energia, causando um super consumo, contribuindo para o aumento da prevalência de obesidade na população. Algumas redes de fast-food, por exemplo, perguntam se o cliente quer aumentar o tamanho das porções, dentre elas a de refrigerante, pagando um pouco mais. Esse tipo de marketing deve ser combatido, a despeito do que foi feito em Nova York”.

Ela, porém, ressalva que tal medida isolada não seria suficiente. “A obesidade apresenta natureza multifatorial, de modo que o controle da mesma dificilmente será alcançado com uma ou outra medida isolada. Isso não invalida, claro, as iniciativas que atuem no ambiente. Acho que um estilo de vida mais saudável também deve ser estimulado”.

Medidas como essa, que tornam o estilo de vida mais saudável, devem ser desenvolvidas principalmente no ambiente familiar, para que crianças não criem o hábito do consumo dessas bebidas. “A incorporação de hábitos alimentares saudáveis deve ser compartilhada no ambiente familiar, pois a influência dos pais nos padrões de estilo de vida dos filhos, incluindo a escolha dos alimentos, indica o importante papel da família em relação ao ganho de peso infantil, sobretudo nos mais pobres”.

A doutora também explicou o porque de as pessoas normalmente “abusarem” mais das bebidas do que da comida. “Líquidos, em geral, demoram mais a acionar os mecanismos de saciedade quando comparados aos alimentos sólidos. Então a gente vai tomando sem perceber. Se esse líquido for uma bebida açucarada, como um refrigerante, por exemplo, até nos sentirmos saciados já teremos consumido grande quantidade de açúcar e de energia extra, o que pode levar ao aumento do ganho de peso”.

fonte:http://www.diabetenet.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=7362

sábado, 20 de outubro de 2012

Campanha da Solidariedade!


De Combate ao Câncer

URGENTEEE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! 


Esse medicamento é fabricado pela PFIZER, se alguém tem contato com eles, tem esse remédio e não usa, por favor, ajude, comente aqui.


Amigos quem pode nos ajudar?! É URGENTEEEEEEEEEEE!

Por favor nos ajude a conseguir o medicamento VORICONAZOL 200MG, a caixa custa 5 mil reais e no hospital não tem!por favor!

Esse medicamento é para o Guilherme, ele tem 1 aninho e luta contra leucemia, precisamos ajuda-lo, podemos tentar judicialmente , mas até sair ele fica sem o medicamento, o valor é um absurdo, quem puder nos ajudar, conseguir algumas amostras grátis! gente, vamos repassando pra ver se alguem ajuda!!! Não queremos o dinheiro, até por que pra compra-lo é preciso fazer encomenda, devido o valor do medicamento, quermeos o remédio, quem puder nos ajude!!!
Esse é o meu tel: (21) 8288-5601 . Podem ligar a qualquer hora!!!!! POR Júlia Ribeiro




  1. Amigos, boa noite!
    Tem um amiguinho do Pedro,o João Vitor de Carvalho , que se trata contra a leucemia lá no IPPMG, ele está precisando de um medicamento chamado FLUCONAZOL - 200MG. O hospital não tem para todas as crianças, e ele só tem a dose até amanhã... alguém aqui pode nos ajudar a conseguir?!
    Nubiára Maia, tem como vc conseguir alguma amostra desse medicamento



extraído: www.facebook.com/combateaocancer
Enviado por Josiani da Silva

CAMPANHA PELA VIDA
 
 
 
Boa noite colegas.

Estamos em época de CAMPANHA.

Por isso convido a VOCÊS para aderirem a minha campanha.

Esta é uma campanha LINDA, LIMPA, SAUDÁVEL... para ajudar pessoas a recuperarem a saúde...
 

Ao contrário das campanhas que se apresentam e que que vem desagradando tanta gente. Que por sua lógica deveriam ser EDUCADAS, sem AGRESSÕES, livre de OFENSAS... SAUDÁVEIS

Minha campanha é pela VIDA... por isso PEÇO que ajudem a divulgar.

Conheço muita gente que está morrendo e precisando de um ato de amor. Doar medula é mais simples do que se imagina.

 
AJUDEM-NOS, pois nosso adversário é forte... lutamos contra o pior dos adversários: a morte.

Eu já estive no lugar deles... sei o quanto é sofrido não ter um doador... eu não tive. Graças a Deus não precisei do transplante, mas há os que não melhoram com quimioterapia e o transplante é a única saída.

CURTA NOSSA PÁGINA >> http://Facebook.com/combatecancer
 
Combate ao Câncer

PARA TODAS AS PRINCESAS QUE ESTÃO FAZENDO OU FIZERAM QUIMIOTERAPIA 

CURTA NOSSA PAGINA : http://Facebook.com/CombateCancer 



sábado, 13 de outubro de 2012

NÃO ACORDE O CÂNCER QUE DORME EM VOCÊ




fonte: www.youtube.com.br

Combatendo a diabetes: algumas coisas que o dinheiro não pode comprar

Por Jane Williams- The New York Times News Service/Syndicate




MSN (© MSN)
Os altos preços do petróleo têm financiado um estilo de vida opulento nos países do Golfo Pérsico, mas essa riqueza está tendo consequências mortais.
Os alimentos com alto teor calórico, a diminuição da atividade física e as altas taxas de tabagismo exacerbaram uma predisposição genética para diabetes, alimentando uma epidemia responsável por 10 por cento do número total de mortes de adultos e absorvendo uma grande fatia do orçamento direcionado à saúde da região. Cinco dos seis países do Golfo estão listados entre os 10 lugares com pior índice de incidência de diabetes, de acordo com dados da Federação Internacional de Diabetes. Os Emirados Árabes Unidos estão em 2º lugar, atrás apenas da pequena ilha de Nauru, no Pacífico.
Alimentação saudável, prática de exercícios e manejo do estresse podem reduzir drasticamente a obesidade e a probabilidade de desenvolver diabetes, mas está sendo bastante difícil convencer os pacientes e aqueles que correm risco de desenvolver a doença a mudar de vida na região.
'Só é possível encontrar uma solução por meio da conscientização e da mudança de comportamento desde a juventude', diz Dr. Mazin Jawad al-Khabouri, consultor sênior do Hospital de Otorrinolaringologia Al Nadha, de Omã, e conselheiro do Ministério da Saúde de Omã. 'Não é fácil', diz ele. 'Como todo mundo aqui é obeso, isso não é considerado um problema grave, mas não há dúvida de que as doenças não transmissíveis, como diabetes, são o maior problema que o Golfo enfrenta. Cerca de 20 a 24 por cento da população nacional do Golfo têm diabetes e, como ela está relacionada a muitas outras doenças crônicas do coração, rins e oftalmológicas, se pudermos controlar a diabetes, temos como controlar também essas outras doenças.'
Desde o final do século XX, os governos da região têm acompanhado e desenvolvido estratégias para reduzir esse problema, oferecendo oportunidades de realizar exames de modo acessível e treinamento para mais profissionais de saúde. Os resultados têm sido limitados, no entanto, e o número de casos de diabetes continua a subir.
Recentemente, um grupo de especialistas em diabetes de Omã descobriu que os pacientes ainda pensam de modo equivocado a respeito de muitos aspectos relacionados à doença, recorrendo a os medicamentos fitoterápicos, comendo demais em restaurantes e abusando na quantidade de mangas, e até mesmo comendo mel, julgando que, por ele ser 'natural', não afetaria o açúcar no sangue.
'Omã, como outros países do Golfo, está em um período de transição', diz a Dra. Fatma Ajmi, diretora-geral de serviços de saúde na governadoria de Muscat. 'As pessoas acreditam no sistema de assistência à saúde, mas temos que convencê-las de que não são os remédios, mas sim os próprios pacientes, que podem fazer a diferença.'
Para isso, os países do Golfo estão investindo recursos em serviços de cuidados primários, reforçando o relacionamento entre os técnicos de saúde e os pacientes. E é aí que entram as técnicas de marketing.
'Nós ainda estamos aprendendo a nos comunicar com as pessoas', diz Ajmi, 'e como capacitá-las a manejar a própria doença'.
A solução está em encontrar técnicas inovadoras para envolver grupos específicos da população, diz Markus Christen, professor associado de Marketing da escola internacional de Administração Insead.
'De um ponto de vista puramente médico', ele continua, 'temos uma boa noção do que está acontecendo de errado. As pessoas levam uma vida confortável e não querem abrir mão dela. Preferem tomar uma pílula mágica vinda de uma farmácia para continuar a se comportar assim. É mais fácil do que frequentar uma academia'.
'Precisamos mudar esses hábitos, criar novos', diz Ajmi. 'O marketing é uma maneira poderosa de fazer isso. As marcas mais bem sucedidas estão prosperando porque nos levaram a ter certos hábitos. Agora queremos que elas usem os mesmos métodos para nos ajudar a mudar hábitos. Não é uma questão de ser forte e dizer o que as pessoas precisam fazer, porque elas vão resistir a essa abordagem.'
Embora as campanhas anteriores tenham sido voltadas para o público em geral, as abordagens direcionadas dão melhores resultados, diz Christen. Grupos diferentes necessitam de abordagens diferentes. Devido à sua natureza viciante, por exemplo, o tabagismo tem um componente médico, bem como social, enquanto muitos hábitos alimentares estão ligados à cultura da região.
'Dentro da estrutura da família ou da comunidade', diz Christen, 'muitas vezes existem influências tradicionais que são prejudiciais para o que estamos tentando realizar. Frequentemente, são influências muito arraigadas e extremamente difíceis de mudar'.
'E é aí que precisamos injetar novas ideias e inovação', argumenta ele. 'Talvez seja uma questão de incentivar os empregadores a possibilitar que os funcionários tenham tempo livre para cuidar de si mesmos, talvez até frequentar uma academia.'
Em âmbito nacional, pode custar caro bancar a mensalidade de academias para a população, mas a alternativa é ainda mais dispendiosa. Conforme aumenta o número de vítimas de diabetes, a tecnologia avança e os tratamentos de doenças crônicas se tornam mais caros, assim como os gastos com saúde na região, que têm subido rapidamente. Estima-se que, desde o valor registrado atualmente, de 12 bilhões, esse gasto chegue a 60 bilhões, valor previsto para 2025, de acordo com a McKinsey & Company.
Stephen Chick, professor de tecnologia e gestão de operações no Insead e diretor do Programa de Liderança na Área da Saúde do Oriente Médio, vinculado à escola, diz que o desafio dos gastos crescentes com saúde está forçando sistemas de saúde de todo o mundo a sair de um modelo que enfatiza os cuidados intensivos e procurar combinar cuidados intensivos e primários. Em outras palavras, eles estão se afastando de um paradigma que combate as doenças e buscando uma maneira de promover o bem-estar.
'A gestão da inovação e um pensamento sistêmico às vezes não são enfatizados pelas escolas de Medicina e Enfermagem', diz Chick, 'mas eu acho que a carência em termos de processos, envolvimento e marketing pode ser fatal se as coisas não forem bem feitas. À medida que as pessoas envelhecem, categorias diferentes de doenças vão se tornando mais prevalentes. É absolutamente essencial enfrentar o desafio das doenças crônicas para garantir que tenhamos um sistema de saúde sustentável. A questão é: podemos pensar de forma diferente e elaborar rapidamente um sistema que se adeque à situação que vivenciamos hoje?'
Para Al-Khabouri, a resposta deve ser sim.
'Os custos para os governos são muito, muito altos', diz ele, 'e, por causa do fator exponencial, vai chegar um momento em que ninguém conseguirá bancá-los. Precisamos de formas novas e inovadoras de pensar. Nós não conseguiremos sustentar a situação como ela está hoje'.
(Jane Williams é colaboradora do INSEAD Knowledge.)
The New York Times News Service/Syndicate – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Dia Mundial de Combate à Obesidade

Hoje é o Dia Mundial de Combate à Obesidade.




Reeducação alimentar e exercício físico regular são o caminho. Vamos todos nesta luta!

fonte:http://www.facebook.com/cyberdietoficial

Estudos de Harvard relacionam consumo diário de carne vermelha com maior risco de mortalidade e diabetes tipo 2



Por Dra Anelena Seyffarth

Estudos desenvolvidos em Harvard e publicados neste mês tem despertado interesse em função dos seus resultados que evidenciam o impacto do consumo rotineiro de carne vermelha. O risco de morte prematura relacionada com este consumo foi evidenciado pelo aumento nos percentuais de mortalidade total e também nas mortes decorrentes de doenças cardiovasculares e câncer.

Dados referentes aos  hábitos alimentares de cerca de 37 mil homens e de mais de 83 mil mulheres, acompanhados por 22 anos e 28 anos respectivamente, serviram de base para as correlações encontradas. O consumo diário de carne vermelha aumentou o risco de morte em 13% em relação aos indivíduos que não a consumiam todos os dias. Este efeito foi especialmente encontrado quando o consumo se referia a carnes processadas, como embutidos, aumentando o risco de morte precoce para 20%. Esta diferença de 13 para 20% pode ser explicada pelos outros ingredientes destes produtos processados como sódio e nitritos, já classicamente associados a doenças cardiovasculares e câncer.

O grupo de pesquisadores observou redução no risco para mortalidade quando nozes (19% menos risco), grãos integrais e aves (14%) e peixe (7%) eram as escolhidas em substituição à carne.

Outra conclusão importante foi a observação de que a redução de meia porção de carne no consumo diário evitaria 7 a 9% das mortes.

Outro estudo publicado pelo mesmo grupo, ainda relacionado ao consumo diário de carne vermelha, sugeriu que o consumo de carne vermelha, particularmente a processada, estava associado a um risco aumentado para o desenvolvimento do Diabetes tipo 2.

Estes resultados evidenciam uma vez que  um dos princípios básicos da nutrição deve ser seguido, o princípio da variedade, o rodízio entre os alimentos, evitando concentração de um mesmo alimento na rotina diária.

Leia mais:

1- Red Meat Consumption and Mortality
Results From 2 Prospective Cohort Studies
An Pan, PhD; Qi Sun, MD, ScD; Adam M. Bernstein, MD, ScD; Matthias B. Schulze, DrPH;JoAnn E. Manson, MD, DrPH; Meir J. Stampfer, MD, DrPH; Walter C. Willett, MD, DrPH; Frank B. Hu, MD, PhD
Arch Intern Med.
Published online March 12, 2012.

2- Red meat consumption and risk of type 2 diabetes: 3 cohorts of US adults and an updated meta-analysis
An Pan, PhD; Qi Sun, MD, ScD; Adam M. Bernstein, MD, ScD; Matthias B. Schulze, DrPH; JoAnn E. Manson, MD, DrPH; Walter C. Willett, MD, DrPH; Frank B. Hu, MD, PhD
Am J Clin Nutr October 2011 vol. 94 no. 4 1088-1096

Cuidados com os agrotóxicos


Por Dra Ana Calábria*

Orientações sobre alimentação saudável e específicas as pessoas com diabetes, contemplam o uso regular de alimentos vegetais (hortaliças, legumes e frutas) devido o valor nutritivo que apresentam e o baixo teor calórico pela maioria deles, quando utilizados em quantidades recomendadas. Essa recomendação deve ser contínua, tendo em vista os benefícios relacionados ao aporte de vitaminas, sais minerais, fibras, boa gordura e etc., os quais são necessários a manutenção da saúde de todos. Diante disso o Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD, faz um alerta aos nutricionistas e demais interessados baseado no relatório publicado em dezembro de 2011,  da Gerência Geral de Toxicologia sobre o  Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).
Em 2010 foram monitorados dezoito alimentos: abacaxi, alface, arroz, batata, beterraba, cebola, cenoura, couve, feijão, laranja, maçã, mamão, manga, morango, pepino, pimentão, repolho e tomate e destes houve a detecção de resíduos de agrotóxicos, principalmente provenientes da cultura do pimentão e o restante em outras sete culturas agrícolas como abacaxi, alface, beterraba, couve, mamão, morango e repolho.
 Cabe esclarecer que o termo agrotóxico é definido de acordo com a LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, que “agrotóxicos e afins são considerados: a) os produtos e os agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos e b) substâncias e produtos, empregados como desfolhantes, dessecantes, estimuladores e inibidores de crescimento.

 O relatório enfatiza o uso indiscriminado e ilegal de um ou mais agrotóxicos em culturas para as quais eles não estão autorizados, sobretudo daqueles em fase de reavaliação ou de descontinuidade programada, por conta de sua alta toxicidade. Em relação aos consumidores, o PARA preconiza a opção por alimentos de origem identificada, o que pode contribuir para o comprometimento dos produtores em relação à qualidade dos seus produtos e à adoção de Boas Práticas Agrícolas. Desta forma, eles colaboram e fomentam as iniciativas dos programas estaduais e das redes varejistas de garantir a rastreabilidade e o controle da qualidade dos alimentos. Também é importante lembrar que os agrotóxicos pulverizados ou distribuídos sobre as culturas agrícolas e o solo têm a capacidade de penetrar no interior de folhas e polpas, e que os procedimentos de lavagem e retirada de cascas e folhas externas das mesmas favorecem a redução dos resíduos de agrotóxicos, limpando a superfície dos alimentos, mas sendo incapazes de eliminar aqueles contidos em suas partes internas. Da mesma forma, a higienização dos alimentos com solução de hipoclorito de sódio tem o objetivo de diminuir os riscos microbiológicos, mas não de eliminar agrotóxicos.

Além disso, a opção pelo consumo de alimentos da época ou produzidos com técnicas de manejo integrado de pragas, que recebem uma carga menor de produtos químicos, reduz a exposição dietética a agrotóxicos, e, aqueles oriundos da agricultura orgânica ou agro ecológica, além de aceitarem apenas produtos de baixa toxicidade, contribuem para a manutenção de uma cadeia de produção ambientalmente mais saudável. A orientação nutricional permanente é necessária!

*Nutricionista Clínica e Membro Titular do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Receitas Diet


Para 2012 a seção “Desfrute com saúde” trouxe novidades! Além de fornecer a cada mês 02 receitas Saborosas e Saudáveis, ela também contará com informações sobre as propriedades funcionais dos alimentos.  A cada dia novas descobertas estão sendo feitas a fim de melhorar o estado de saúde das pessoas por meio da alimentação. Uma dieta considerada saudável hoje vai além de sua qualidade nutricional estrita - as propriedades fisiológicas dos alimentos também devem ser consideradas. Com os conceitos de obesidade, sensibilidade á insulina, estresse oxidativo e inflamação cada vez mais comprovados na relação com diabetes, os alimentos funcionais dentro de uma alimentação balanceada podem ter um impacto em sua prevenção e tratamento.
As receitas continuam sendo classificadas de acordo com o conteúdo de gordura, colesterol, sódio, fibras e com informações dos alimentos quanto ao seu potencial benéfico à saúde. Contudo se faz necessário consultar a equivalência dos alimentos que devem ser retirados da alimentação do dia-a-dia para que seja consumida a porção da receita sugerida. Para essa equivalência foi priorizado o conteúdo de carboidratos e/ou calorias da porção.

Dessa forma espera-se qualificar e fortificar o conceito da alimentação saudável balanceada baseada no consumo harmônico de nutrientes contidos na diversidade de alimentos existentes na natureza.  Compreendendo que alimentar o corpo é muito mais que saciar a fome e o prazer: Desfrute com Saúde!


Receitas:
Pastel de batata doce e abacaxi
Revista Sabor e Vida Diabéticos
Ingredientes
Massa
1 ovo
4 colheres de sopa de margarina cremosa sem sal
1 xícara de chá de batata doce cozida e amassada
1 colher de sopa de fermento em pó
¼ de xícara de leite desnatado
2 colheres de sopa de adoçante dietético em pó próprio para forno e fogão
2 x´caras de chá de farinha de trigo
Recheio
1 abacaxi médio
½ xícara de chá de adoçante em pó, próprio para forno e fogão
1 colher de chá de amido de milho
1 xícara de chá de coco fresco ralado grosso
Canela em pó a gosto
Preparo
Massa
Bata ligeiramente o ovo com um garfo e reserve 1 colher de sopa. Coloque o restante do ovo em uma tigela e junte a margarina, a batata doce, o fermento dissolvido no leite e o adoçante. Acrescente aos poucos  a farinha de trigo até obter uma massa firme que desgrude das mãos. Deixe descansar por cerca de 20 minutos.
Recheio
Descasque o abacaxi e rale no ralo grosso.
Deixe escorrer em uma peneira. Em uma panela coloque a fruta, o adoçante e o amido e deixe cozinhar por 15 minutos, mexendo ocasionalmente. Adicione o coco e deixe mais 5 minutos. Espere amornar.
Montagem
Abra a massa bem fina em uma mesa enfarinhada e corte em rodelas. Coloque um pouco do recheio e feche o pastel. Aperte bem as bordas. Acomode-os em uma assadeira untada com margarina e pincele o ovo reservado. Asse em forno médio (180 graus) preaquecido por cerca de 30 minutos. Polvilhe a canela e sirva.
Informações nutricionais
1 porção = 2 unidades =40g
Calorias  94
Proteínas  1,9 g
Gorduras totais 3,1 g
Carboidratos  14,7 g
Fibras 0,6 g
Sódio 52 mg
Gorduras saturadas 1,4 g
Colesterol 10 mg
Equivalência da porção:  2 colheres de sopa de purê de abóbora
Rendimento: 36 unidades
Propriedades funcionais
Por Daniela de Almeida
Podendo ser utilizada num lanche ou como acompanhamento de uma refeição, esta receita é feita com batata doce, um carboidrato fonte de vitamina A, rico em cálcio , vitamina C e fibras, auxiliando na saciedade.
Especiaria encontrada na receita, a canela pode trazer benefícios a pessoas com diabetes sem contribuir para o aumento de calorias. Em estudo realizado com pacientes na pós menopausa com Diabetes tipo 2, a ingestão de pequenas quantidades de canela em pó (1 g/d) reduziu a glicemia em jejum e melhorou o perfil lipídico.
O abacaxi, fonte de vitamina C e fibras, auxilia no funcionamento do intestino e na digestão, por possuir bromelina, uma enzima proteolítica. 
Delicie-se com esta receita fazendo a devida substituição em se plano alimentar.
Bibliografia
Hlebowicz , J et al. Effects of 1 and 3 g cinnamon on gastric emptying, satiety, and postprandial blood glucose, insulin, glucose-dependent insulinotropic polypeptide, glucagon-like peptide 1, and ghrelin concentrations in healthy subjects123 .Am J Clin Nutr 2009;89:815–21.
Khan A, Safdar M, Ali Khan MM, Khattak KN, Anderson RA. Cinnamon improves glucose and lipids of people with type 2 diabetes. Diabetes Care 2003;26:3215–8.
Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. Versão 2 – Segunda Edição .Campinas – SP, 2006.


Panqueca Funcional ao Molho de Sardinha

Nutricionista Andrea Esquivel
Ingredientes
1 pacote de milho congelado (200g)
1 xícara de leite desnatado  (240 ml)
2 ovos (100g)
5 colheres de sopa cheias de fubá de milho ( 70g)
5 unidades de castanha do Brasil (25g)
1 colher de sobremesa de fermento em pó (5g)
1 colher de sopa de azeite extra virgem (7ml)
Sal se necessário
Molho
1 colher de sopa de azeite de oliva
½ xícara de chá de cebola picada
1 dente de alho picado
1 colher de sopa de folhas picadas de alecrim fresco ou manjericão
½ xícara de chá de gel de linhaça (100g)
1 xícara de chá de molho de tomate ou purê de tomate
Sal e pimenta do reino a gosto
50g de Filés de sardinha em lata para decorar
Gel de linhaça
150 ml de água
1 colher de sopa de semente de linhaça (10g)
Aqueça a água no forno de microondas  por 1 minuto, retire e misture a linhaça até formar gel, coe a seguir.
Modo de preparo
Bata no liquidificador o milho, o leite e as castanhas por alguns minutos até ficar bem triturado.
Acrescente os demais ingredientes e bata por mais alguns minutos até ficar bem homogêneo.
Se necessitar acrescente um pouco de água para deixar mais cremoso. A consistência é mais espessa, para fazer panqueca mais alta, tipo americana.
Esquente uma frigideira antiaderente com um fio de azeite de oliva.
Coloque ½ concha da massa para fritar. Tampe a frigideira, espere um pouco e vire a massa para assar do lado oposto.
Para prepara o molho, em uma panela refogue o alho  e a cebola juntamente com o alecrim.
Acrescente o molho de tomate e o gel de linhaça e tempere com sal e pimenta, misturando por 1 minuto. Retire do fogo.
Monte o prato com 2 panquecas, acrescente 2 colheres de sopa de molho sobre cada panqueca e decore com os filés de sardinha e galhos de alecrim ou manjericão.
Sirva quente.
Rendimento:  3 porções com 2 panquecas cada
Tempo de preparo: 15 minutos
Informações nutricionais
1 porção = 2 panquecas
Calorias  384
Proteínas  26g
Gorduras totais  16g
Carboidratos  34g
Fibras  3g
Sódio  171,3 mg
Gorduras saturadas  4,3g
Colesterol  134 mg
Equivalência da porção:  4 colheres de sopa de cereal + 1 colher de chá de óleo + 1 porção de 100 g de carne.
Não contém glúten, fonte de fibras.

Propriedades funcionais
 Por Daniela Almeida
Esta receita é feita com carboidrato integral, proveniente do milho, que é rico em fibras e vitamina A. As fibras presentes diminuem o esvaziamento gástrico, oferecendo saciedade e contribuindo para o equilíbrio da glicemia.
 A sardinha é fonte de cálcio e ômega 3, gorduras poliinsaturadas que auxiliam na redução de níveis séricos de triglicerídios, tem efeitos diretos na contratilidade cardíaca, na pressão arterial,  agem sobre os fatores coagulantes, sobre as células de imunidade e nos indicadores da inflamação.
A castanha do Brasil é excelente fonte de selênio, magnésio e ômega 3. Além disso, é rica em arginina, aminoácido formador de óxido nítrico, vasodilatador com benefícios na disfunção endotelial.  Em recente estudo com adolescentes obesas, a castanha do Brasil reduziu significativamente as concentrações de colesterol total, LDL oxidada e triglicerídios, sem alterações no HDL-c.
A semente de linhaça possui como principais compostos bioativos o ácido linolênico (ômega 3), lignanas e fibras solúveis. Pesquisas mostram que seu consumo pode melhorar a sensibilidade á insulina e reduzir a inflamação.
O Alecrim (Rosmarinus officinalis) é uma erva anti-séptica, inibindo o crescimento de salmonela, escherichia e estafilococos.  Estudos demonstraram sua alta capacidade antioxidante e de eliminar peroxinitritos induzidos pelo processo inflamatório.
O estresse oxidativo  pode desencadear a doença coronariana, a principal causa de morte nos indivíduos com Diabetes. O azeite de oliva, fonte dietética de ácidos graxos monoinsaturados e compostos fenólicos, tem demonstrado aumentar o colesterol HDL, reduzir triglicerídeos, a oxidação do colesterol LDL  e a pressão arterial, sendo, portanto, considerado um forte protetor cardiovascular.
Com ingredientes fáceis de encontrar, presentes no dia a dia do brasileiro, esta receita é excelente para compor um jantar. Basta adicionar uma salada de verduras e legumes que ela se tornará nutricionalmente completa.

BIBLIOGRAFIA:
Anderson JW. Physicological and metabolic effects os dietary fiber. Fed. Proc; 44: 2902, 1985.
Bhatnagar D, Durrington PN. Omega-3 fatty acids: their role in the prevention and treatment of atherosclerosis related risk factors and complications. Int J Clin Pract, 57(4): 305-14, 2003.
Caruso D, Berra B, Giavarini F, et cols. Effect of virgin olive oil phenolic compounds on in vitro oxidation of human low density lipoproteins. Nutr Metab Cardiovasc Dis  v 9: p102-107, 1999.
Covas, Maria Isabel e cols. The Effect of Polyphenols in Olive Oil on Heart Disease Risk Factors. Ann Intern Med,  v. 145 n.5 p.333-341, 2006.
Joel Faintuch, J et al. Propriedades antiinflamatórias da farinha de linhaça em pacientes obesos. Rev Bras Nutr Clin; 21(4):273-7, 2006.
LAT Bloedon et al.Flaxseed and Cardiovascular Risk Factors: Results from a Double Blind,  Randomized, Controlled Clinical Trial. Journal of the American College of Nutrition, Vol. 27, No. 1, 65-74 , 2008.
Souza, Lab. Prod. Nat, 1991; Chin K-V, ET AL, Adv Cancer Res Benet L. 27th Gordon research conference on drug metabolism, 1997.
Maranhão et al.Brazil nuts intake improves lipid profile, oxidative stress and microvascular function in obese adolescents: a randomized controlled trial. Nutrition & Metabolism, 8:32, 2011.

Vitamina de Abacate com Sorvete


Revista Sabor e Vida Diabéticos
 Propriedades Funcionais
Por Daniela de Almeida nutricionista funcional

Vitamina de abacate com sorvete
O abacate não é mais considerado o vilão das dietas, e sim, um forte aliado no combate a doenças cardiovasculares. Rico em gorduras monoinsaturadas e fitosteróis, como o beta sitosterol, auxilia na redução dos níveis de colesterol. Além disso, possui vitaminas  C e E, potentes antioxidantes que  ajudam o corpo a neutralizar a ação dos radicais livres, apontados como um dos fatores responsáveis no desenvolvimento de doenças cardiovasculares e câncer.
Mas não é por isso que se pode comê-lo à vontade. Faça a devida substituição em seu plano alimentar e delicie-se!


Bibliografia:

  • Salgado, JM e cols. Efeito do abacate (Persea americana Mill) variedade hass na lipidemia de ratos hipercolesterolêmicos. Ciênc. Tecnol. Aliment. v.28 n.4 Campinas, 2008.



Ingredientes2 xícaras de chá de abacate picado
1 colher de sobremesa de suco de limão
2 colheres de sopa de adoçante em pó
400ml de leite desnatado gelado
2 bolas de sorvete de creme dietético

Preparo:

Bata no liquidificador os ingredientes e sirva a seguir.

Informações nutricionais
1 porção = 1 copo = 250ml
Calorias  177
Proteínas  5,6 g
Gorduras totais 11,1 g
Carboidratos 13,6 g
Fibras 2,4 g
Sódio 61,2 mg
Gorduras saturadas 0,2g
Colesterol 0mg
Equivalência da porção: 1 copo de leite integral (250 ml)

Rendimento:
 4 porções
Zero colesterol

Propriedades funcionais
O abacate não é mais considerado o vilão das dietas, e sim, um forte aliado no combate a doenças cardiovasculares. Rico em gorduras monoinsaturadas e fitosteróis, como o beta sitosterol, auxilia na redução dos níveis de colesterol. Além disso, possui vitaminas  C e E, potentes antioxidantes que  ajudam o corpo a neutralizar a ação dos radicais livres, apontados como um dos fatores responsáveis no desenvolvimento de doenças cardiovasculares e câncer.
Mas não é por isso que se pode comê-lo à vontade. Faça a devida substituição em seu plano alimentar e delicie-se!
 
Bibliografia:
  •  Salgado, JM e cols. Efeito do abacate (Persea americana Mill) variedade hass na lipidemia de ratos hipercolesterolêmicos. Ciênc. Tecnol. Aliment. v.28 n.4 Campinas, 2008.


Sanduíche de Mortadela

Rendimento: 4 porções

Ingredientes
8 fatias de pão de forma integral dietético
100 g de mortadela light cortada em fatias finas
2 xícaras (chá) de acelga cortada bem fina

Pasta
2 colheres (sopa) de mostarda
4 colheres (sopa) de cream cheese light
1 colher (sopa) de maionese light
2 colheres (sopa) de picles misto bem picado

Preparo
Misture os ingredientes da pasta. Passe-a em metade dos pães e coloque a mortadela e a acelga. Feche com as fatias restantes e sirva.

Informações nutricionais
1 PORÇÃO = 1 SANDUÍCHE = 140 G
Calorias    216
Proteínas    10,5 g
Gorduras totais    6 g
Carboidratos        29,9 g
Fibras        3,7 g
Sódio        561 mg
Gorduras saturadas        2,5 g
Colesterol    15 mg

Alto conteúdo de sódio
Baixo conteúdo de colesterol
Bom conteúdo de fibras

Equivalência da porção:
2 fatias de pão de forma ou 1 pão francês (50 g) + 1 fatia de queijo amarelo (30 g) + 1/2 copo de leite desnatado (120 ml) 

Batata-doce chips

Rendimento: 4 porções

Ingredientes
2 batatas-doce médias
4 colheres (chá) de azeite de oliva
1 colher (chá) de sal

Preparo
Descasque as batatas e corte em rodelas bem finas com um descascador de legumes. Lave e seque bem. Besunte as batatas com 3 colheres (chá) de azeite. Unte uma assadeira antiaderente com o restante do azeite e acomode as batatas. Leve ao forno baixo (150º C) preaquecido. Mexa a cada 15 minutos até que estejam crocantes e douradas. Salpique o sal e sirva em seguida.
  
Informações nutricionais
1 PORÇÃO = 4 COLHERES (SOPA) = 35 G
Calorias    119
Proteínas    1,2 g
Gorduras totais    1,3 g
Carboidratos        25,7 g
Fibras        0,8 g
Sódio        198 mg
Gorduras saturadas        0,2 g
Colesterol    0 mg

Baixo conteúdo de gorduras
Baixo conteúdo de gordura saturada
Zero conteúdo de colesterol

Equivalência da porção:
3 colheres (sopa) de arroz


Rap Hot Dog


Propriedades Funcionais - Rap Hot Dog

Nutricionista funcional Daniela de Almeida
Rap Hot Dog
Esta receita é rica em fibras, sacietógena e prática, sendo uma boa opção para um lanche da tarderápido e saudável.
Por ser rica em fibras, este rap ajuda a retardar a absorção de glicose e o esvaziamento gástrico, levando a uma maior saciedade.  Além disso,as fibras ajudam a reduzir níveis de colesterol sanguíneo, estimulam o bom funcionamento intestinal e previnem contra o câncer de intestino.
Bibliografia:
Anderson JW. Physicological and metabolic effects os dietary fiber. Fed. Proc; 44: 2902, 1985.

Revista Sabor e Vida Diabéticos
Rendimento: 2 porções
Ingredientes
2 discos de rap integral
Recheio
2 salsichas de peru aferventadas cortadas em cubos
100 g de queijo minas cortado em cubos
1 tomate sem pele cortado em cubos
4 colheres de sopa de requeijão light
2 colheres de chá de mostarda
Preparo
Misture as salsichas, o queijo e o tomate e reserve. Misture o requeijão e a mostarda e espalhe sobre os discos de rap. Distribua o recheio reservado, dobre os raps e sirva.
Informações nutricionais
1 porção = 1 fatia = 120g
Calorias  177
Proteínas  10,3 g
Gorduras totais 6,8 g
Carboidratos 18,6 g
Fibras 2,5 g
Sódio 269 mg
Gorduras saturadas 3,2g
Colesterol  13mg
Equivalência da porção: ½ unidade de pão francês (25 g) + 1 fatia de queijo mussarela + 1 porção de legumes

Rendimento: 2 porções
Baixo conteúdo de colesterol, bom conteúdo de fibras

Propriedades funcionais

Esta receita é rica em fibras, sacietógena e prática, sendo uma boa opção para um lanche da tarde rápido e saudável.
Por ser rica em fibras, este rap ajuda a retardar a absorção de glicose e o esvaziamento gástrico, levando a uma maior saciedade.  Além disso,as fibras ajudam a reduzir níveis de colesterol sanguíneo, estimulam o bom funcionamento intestinal e previnem contra o câncer de intestino.
Por Daniela de Almeida
nutricionista funcional

Bibliografia:


Anderson JW. Physicological and metabolic effects os dietary fiber. Fed. Proc; 44: 2902, 1985.