Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




domingo, 13 de novembro de 2011





Pesquisa mostra desconhecimento da população sobre o diabetes




DIA MUNDIAL DO DIABETES 2011


A doença é uma das que mais avança sobre a população mundial, mas sua prevenção e tratamento ainda geram muitas dúvidas e incertezas na população em geral: menos da metade dos entrevistados souberam dizer o que é diabetes.Um levantamento inédito realizado pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), com apoio da Bayer Health Care, e participação de mais de 2.000 pessoas confirma: a população ainda tem dúvidas sobre o que é o diabetes e como a doença pode ser controlada. De acordo com a pesquisa, 38% acredita que diabetes tem cura e menos da metade dos entrevistados (49%) soube defini-la. E mais: apenas 50% dos participantes afirmaram que um diabético pode levar uma vida normal.No entanto, é importante que todos saibam como prevenir essa que é uma das doenças crônicas que mais avança entre a população mundial. Dados da Federação Internacional do Diabetes estimam que hoje existam cerca de 250 milhões de pessoas com a doença em todo o mundo e esse número deve chegar a 380 milhões em 2025. “O aumento de casos de diabetes, especialmente do tipo 2 em países em desenvolvimento, decorre de alguns fatores como aumento da obesidade, do sedentarismo, dos maus hábitos alimentares e do próprio envelhecimento da população”, explica o Dr. Walter Minicucci, vice-presidente da SBD e médico assistente da Disciplina de Endocrinologia da Unicamp.Entre os principais dados trazidos pelo levantamento ainda estão:69% dos participantes demonstraram conhecimento sobre os fatores de risco para o diabetes;63% das pessoas disseram que conhecem alguém com diabetes, sendo que 49% são membros da família;51% dos entrevistados não sabiam diferenciar os tipos da doença: tipo 1, tipo 2 e diabetes gestacional;38% afirmaram que o diabetes tem cura;85% desconhecem ou subestimam o número de diabéticos no Brasil, sendo que;61% acha que existem em torno de 2 milhões de doentes no País.De acordo com o Dr. Minicucci, é fundamental que as pessoas sejam mais informadas sobre como prevenir e tratar o diabetes. Quando não controlada adequadamente, a doença pode acarretar complicações graves como retinopatia diabética – que pode causar perda visual definitiva –, catarata precoce, alteração da função renal que pode levar o paciente para a hemodiálise, alterações neurológicas que podem ocasionar dores em membros inferiores e atrofias musculares e complicações cardiovasculares (infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral - AVC).“Mas também é preciso lembrar que nada disto ocorrerá se o tratamento for efetivo e contínuo”, reforça o especialista. “Uma rotina de atividades físicas deve ser incorporada por quem quer prevenir a doença e faz parte do tratamento dos pacientes com diabetes”, conta Dr. Walter Minicucci. A prática de exercícios físicos é importante, pois colabora para a redução dos níveis de glicemia no sangue e melhora a ação da insulina. Além disso, ajuda a manter o corpo enxuto, eliminando o excesso de peso.Para o endocrinologista, a obesidade é uma das grandes vilãs quando o assunto é diabetes: “as pessoas com excesso de gordura no corpo, principalmente aquela concentrada na região abdominal, precisam emagrecer para diminuir os riscos de desenvolver o diabetes tipo 2”, explica o médico. “Para os homens, o ideal é manter a medida da cintura abaixo dos 100 cm, já para as mulheres, o melhor é a medida abaixo dos 82 cm”, afirma o Dr. Minicucci.
Acesse os gráficos dos resultados da pesquisa









Diabetes 4º episódio - Drauzio Varella

Diabetes 3º episódio - Dr. Drauzio Varella

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Semana de Alerta e Combate ao Diabetes


Semana de Alerta e Combate ao Diabetes

Começa a Semana de Alerta e Combate ao Diabetes. Atividades pelo país inteiro estão acontecendo - de 7 a 14 de novembro. O objetivo de aumentar para uma semana é para que as atividades possam se estender e repercutir por um período maiore, assim, seja possível aproveitar todo esforço que os associados e a população realizam para o Dia Mundial.

"Central do Brasil"

A SBD Regional Rio de Janeiro realizará atividades no dia 11 de novembro, das 9 às 13h, na Central do Brasil, Rio de Janeiro, em alusão ao Dia Mundial do Diabetes.

Feira de Saúde no Dia Mundial

O curso de enfermagem da Ulbra Carazinho, promove uma feira de diabetes, com atividades na praça central Albino Hillebrandt - Carazinho-Rs.

Atividades em Salvaterra

A unidade de Vila de Jubim, em Salvaterra (Ilha do Marajó), Pará, promove, no dia 14 de novembro, várias atividades para marcar o Dia Mundial do Diabetes.

Programa Doce Desafio

O Programa de Educação em Diabetes Doce Desafio, na Universidade de Brasília, irá marcar o Dia Mundial do Diabetes fazendo um grande encontro. A atividade será no dia 16 de novembro, de 8h30 às 11h.

Programação em Cuiabá

Serão realizadas, no principal parque da cidade, atividades para marcar o Dia Mundial do Diabetes, em Cuiabá, Mato Grosso. A programção acontece no dia 19, das 8 às 11h. O local será no Parque Mãe Bonifácia, Duque de Caxias.

Caminhada para Conscientização do Diabetes

A Associação dos Diabéticos Tipo I promove no dia 12 de novembro, às 7h, no município de Palmeira dos índios (Alagoas), a caminhada para conscientização do Diabetes.

União pelo Diabetes em Brasília

A Associação de Diabéticos de Brasília (ADB) realizará, no dia 12 de novembro, uma ação na Plataforma Inferior da Estação Rodoviária do Plano Piloto, principal terminal de ônibus urbano do Distrito Federal.

Salvador no Dia Mundial

A loja Planeta Diet, em Salvador, realiza um encontro nos dias 11 e 12 de novembro, para marcar o Dia Mundial do Diabetes e oferece a população palestras gratuitas sobre diabetes.

Atividades em Porto Franco

Palestras educativas e aferição da pressão arterial serão alguma das atividades que aconteceram na cidade de Porto Franco, Maranhão, para marcar a data do Dia Mundial do Diabetes.

"Coisa de Criança"

O Centro de Educação em Diabetes (Diabest) realizará, dia 15 de novembro, em Botafogo, Rio de Janeiro, atividades para as crianças com Diabetes Tipo 1.

Encontro Catarinense

Fazendo parte da programação da campanha do Dia Mundial do Diabetes 2011, foi realizado, no último dia 5 de novembro, o III ECED - Encontro Catarinense de Educação em Diabetes, em Joinville, Santa Catarina.

Flash Mob em Prol do Diabetes

A SBD premiará a melhor ação em Flash Mob em prol do Dia Mundial do Diabetes. Mobilize-se pelas redes sociais e use a criatividade para divulgar a campanha. As melhores ações receberão um prêmio em dinheiro, lembrando que os participantes precisam estar ligados a uma entidade.

Atividade em Vitória da Conquista

Em Vitória da Conquista, na Bahia, os cursos de Nutrição, Farmácia e Enfermagem da UFBA, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, realizaram diversas atividades para lembrar o Dia Mundial do Diabetes.

Semana do Diabetes em Piracicaba

Entre os dias 7 e 14 de novembro, a Santa Casa de Piracicaba, oferece à população uma série de atividades em alusão ao Dia Mundial do Diabetes. Confira a programação.

Vestindo Azul pelo Diabetes

A Associação Pernambucana do Diabético Jovem (APDJ) preparou, em parceria com várias instituições, uma série de atividades em Pernambuco e Olinda para lembrar o Dia Mundial do Diabetes. Confira.

Unidade de Saúde da Família

A Unidade de Saúde da Família (USF) denominada 13 de maio, recebe, do dia 7 até 14 de novembro, um evento em comemoração ao Dia Mundial do Diabetes.

  • Palestra de Conscientização
    O SESI-RJ realiza, no dia 14 de novembro, uma palestra de conscientização sobre o diabetes. A atividade acontecerá na Unidade Tijuca.
  • Esporte, Diabetes e Superação
    Palestra no Rio de Janeiro (RJ) conta com a presença de diabetólogo e ex-jogador de futebol com diabetes.
  • Evento em Campinas
    Estudantes de Medicina da Unicamp promovem evento em Campinas (SP) para conscientizar e informar a população sobre diabetes.
  • Ações em Divinópolis
    Evento para lembrar o Dia Mundial do Diabetes, promovido pela diretoria de Atenção Primária da Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis/MG, vai acontecer entre os dias 7 e 14 de novembro.
  • Caminhada pela Vida
    No dia 19 de novembro, a Bio Personal Training realiza uma caminhada com o objetivo de chamar a atenção para os cuidados com o diabetes.
  • Associação de Diabetes Juvenil
    Associação de Diabetes juvenil,vai promover entre os dias 9 e 14 eventos no Shopping Boulevard Tatuapé- São Paulo.
  • Ação promovida pela Quintissência
    Entre os dias 7 e 14 de novembro, a farmácia de manipulação Quintessência, em Bonsucesso, Rio de Janeiro vai promover uma ação de medição de glicose e pressão arterial para seus clientes.

  • Atividades em Birigui
    Serão realizadas atividades na semana do Dia Mundial do Diabetes pela ADJ - Birigui (SP), em parceria com o Sinbi e o SESI.
  • V Campanha de Detecção de Diabetes
    Em parceria com a Secretaria de Saúde da Estância Turística de Itu, o Rotary Club promoverá sua V Campanha de detecção de diabetes.
  • Vamos Controlar o Diabetes
    A Associação de Diabetes Sempre Amigos de Indaiatuba realizará a 14º Campanha Nacional em Diabetes, com o tema “Seja Sempre Amigo do seu Diabetes”.
  • XIV Jornada – Convivendo Bem com seu Diabetes
    A ADILA (Associação dos Diabéticos da Lagoa) promoverá a XIV Jornada – Convivendo Bem com seu Diabetes. A atividade que será realizada no dia 9 de novembro, no Auditório A do Hospital da Lagoa.
  • Caminhada em Americana
    A Caminhada "Vamos Controlar o Diabetes Agora" acontecerá no dia 19 de novembro, das 8h às 11h, no Jardim Botânico de Americana - SP.
  • 11ª Campanha de Diabetes e Hipertensão
    O evento será realizado nos dias 18, 19 e 20 de outubro na Faculdade de Ciências Farmacêutica da USP, na Cidade Universitária, das 8h às 12h.
  • ADJ Promove Atividades
    Para marcar o Dia Mundial do Diabetes em 2011, a Associação de Diabetes Juvenil irá realizar ações no Shopping Boulevard Tatuapé e no Parque da Água Branca, em São Paulo.
  • 14ª Campanha Nacional ANAD
    A ANAD (Associação Nacional de Assistência ao Diabético) promove a 14ª Campanha Nacional Gratuita em Diabetes, de Detecção, Orientação, Educação e Prevenção das Complicações no dia 6 de novembro, no Colégio Madre Cabrini (Rua Madre Cabrini nº 36, junto à estação Vila Mariana do Metrô), em São Paulo - SP.


fonte:www.diamundialdodiabetes.org.br

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Como ajudar quem não quer ajuda?


Entrevista com a psicóloga Regina Niglio, da ADJ

Você tem alguém com diabetes na família e gostaria de ajudar essa pessoa para que ela cuidasse adequadamente da saúde? Essa é uma situação comum, mas, muitas vezes, quem tem um problema de saúde resiste aos bons conselhos. A primeira reação após um diagnóstico muitas vezes é de negação, o que leva o paciente a resistir às recomendações médicas. O que fazer nessa situação é o que a psicóloga Regina Niglio, responsável pelo programa de arte-terapia da Associação de Diabetes Juvenil (ADJ), ensina aqui.

Regina Niglio - "Ao ser diagnosticado com diabetes o adulto, muitas vezes, perde a sensação de onipotência. Alguns mitos, como o de que 'aquilo não vai acontecer comigo', caem por terra. Mesmo após o diagnóstico, ele pode conservar esse mito e agir como se não estivesse em perigo, o que o leva a burlar as recomendações médicas e, em casos extremos, a deixar de tomar a medicação.

Quem convive com alguém nessa situação pode acabar angustiando-se porque quer, a todo custo, convencer o paciente da conveniência de se tratar. É preciso compreender o adulto e tomar consciência de que apenas com muita informação sobre o diabetes é que ele poderá, em determinado momento, agir no sentido de se cuidar.

Uma forma que pode ajudar a convencer essa pessoa é o parente começar a frequentar grupos de pais e de pacientes diabéticos que acontecem em diversas associações de pacientes, para conhecer melhor o que sucede com essas pessoas e como elas lidam com sua rotina. Trazer esse tipo de informação para casa e convidar o paciente diabético a também frequentar esse tipo de reunião pode ser um caminho.

Entretanto, quando a pessoa resiste, é preciso saber não insistir, respeitar espaço. Cada um tem seu tempo de maturação e é preciso aguardar que o recém-diagnosticado chegue por ele mesmo à conclusão de que precisa se cuidar. Não se pode agir com o adulto como se faz com a criança, que é levada ao médico, ao psicólogo e a reuniões com outras crianças que têm diabetes sem que ela precise ser consultada sobre isso.

Outra maneira de facilitar a adesão do paciente esquivo é mudar gradativamente a rotina familiar, principalmente no que se refere à alimentação. Uma vez que a alimentação para portadores de diabetes deve ser equilibrada, composta por todos os nutrientes, pouco gordurosa e sem abuso do sal, a família toda ganha em qualidade de vida se adotar hábitos alimentares mais saudáveis. Dessa forma, fica transparente para quem tem diabetes que ele não se tornou uma pessoa "diferente", que não é obrigado a seguir uma dieta especial e distinta à da maioria.

Ao mesmo tempo, o empenho da família em se cuidar é uma declaração eloquente de amor e atenção que pode ajudar quem tem diabetes a querer se cuidar mais também."

fonte:www.diabetesnoscuidamos.com.br

Doença de Alzheimer

Diabetes

Junto somo Mais - Diabetes

Qual a relação entre diabetes e vitiligo?

Entrevista com o dermatologista João Carlos Lopes Simão, da FMRP-USP

Entre 2% e 10% das pessoas que têm diabetes tipo 1 sofrem com o vitiligo, doença que se caracteriza pela descoloração da pele em regiões diversas do organismo. Quem explica a relação entre os dois é o dermatologista João Carlos Simão, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (USP).

João Carlos Lopes Simão - "O diabetes tipo 1 resulta da destruição autoimune das células beta do pâncreas produtoras de insulina. Os indivíduos diabéticos do tipo 1 apresentam tendência maior a produzir autoanticorpos contra outras células do organismo também. É onde se inclui o vitiligo, causado pela destruição autoimune dos melanócitos na pele, responsáveis por produzir o pigmento natural da pele, a melanina. O vitiligo tem distribuição simétrica e uma característica interessante: ele atinge áreas peri-orificiais, ou seja, ao redor da boca e dos olhos. É comum a predileção pelos tornozelos, punhos, região anterior das pernas, dorso das mãos, dedos, axilas, pescoço e genitália.

Tratar o vitiligo em pessoas com diabetes tipo 1 não é diferente do que é aconselhado para não diabéticos, mas, dependendo da escolha do tipo de medicamento, requer cautela e acompanhamento estreito. Os medicamentos, administrados por via oral ou tópico, são associados à exposição controlada à luz solar ou fontes artificiais de luz ultravioleta A. Há também a terapêutica com luz ultravioleta B de espectro estreito (narrow band). Podem ser utilizados medicamentos tópicos com ação imunomoduladora ou ainda medicações sistêmicas imunossupressoras.

Com relação aos indivíduos que necessitem da utilização das medicações imunossupressoras, há risco maior de infecções graves nos pacientes que são diabéticos e que utilizam tais medicações. Deve-se pesar o custo-benefício da utilização de tais medicações.

O uso de corticóides via oral deve ser feito com muita cautela, pois levam a uma piora dos níveis glicêmicos no diabetes tipos 1 e 2 e também predispõem a um risco maior de infecções graves, porque eles são imunossupressores, ou seja, diminuem as defesas do organismo contra infecções. Seus efeitos colaterais incluem obesidade, hipertensão, desenvolvimento de estrias, infecções e outros. Deve-se novamente pesar o custo-benefício.

O uso de corticóides tópicos e dos medicamentos com ação imunomoduladora leva a um risco aumentado de infecções na pele onde foram aplicados.

O vitiligo pode ser controlado e o tratamento pode promover a pigmentação das áreas acometidas. Quanto mais extenso o vitiligo, menor a probabilidade de recuperação completa. Áreas difíceis de pigmentação são as mãos e os pés (vitiligo acral).

A escolha do tipo de tratamento está relacionada à gravidade, à extensão do vitiligo e se ele está estável ou progredindo rapidamente."

fonte:www.diabetesnoscuidamos.com.br

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

O que é diabetes MODY?


Entrevista com a endocrinologista Maria Elizabeth Rossi, da FMUSP

MODY é a sigla em inglês para a expressão diabetes da maturidade com início na juventude. Portanto, diabetes MODY é um tipo de diabetes que acomete pessoas jovens e, por isso, às vezes é confundido com o diabetes tipo 1. As causas são genéticas e respondem por 2% a 5% dos casos de diabetes, como explica a endocrinologista Maria Elizabeth Rossi da Silva, professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Maria Elizabeth Rossi - "O diabetes tipo 2 é determinado por fatores ambientais e genéticos. Vários genes influenciam no seu aparecimento e gravidade. No MODY (diabetes da maturidade com início no jovem), sabe-se quais os genes principais causadores do diabetes. As alterações genéticas provocam defeitos na função das células beta pancreáticas produtoras de insulina ou na ação da insulina. A herança é autossômica dominante, ou seja, quem tem o gene terá a doença e geralmente há casos de diabetes em várias gerações da mesma família.

Os subtipos MODY são responsáveis por 2 a 5% dos casos de diabetes e há seis subtipos de MODY já bem definidos. O diagnóstico pode ser feito na infância ou adolescência, sendo às vezes confundido com o diabetes tipo 1. Pode ser acompanhado de anomalias no fígado, pâncreas e sistema genital e baixo peso ao nascimento. A necessidade de insulina no tratamento não é imediata, sendo inclusive muito rara em determinados subtipos. Alguns casos respondem bem ao tratamento com medicamentos orais, à semelhança do diabetes tipo 2. Todos se beneficiam com dieta saudável, pobre em gordura, e com a manutenção do peso adequado e exercícios.

É importante ressaltar que não se trata tampouco de diabetes tipo 2, embora as manifestações clínicas possam ser semelhantes. Por isso, esses casos foram definidos como diabetes do jovem com características do diabetes do adulto. Os pacientes vão desenvolver diabetes leve ou grave, na dependência do tipo de MODY e de fatores agravantes como obesidade e sedentarismo.

O diagnóstico do MODY é feito a partir do histórico familiar - já que normalmente diversos membros da mesma família têm a doença - e da ausência de anticorpos contra as células beta do pâncreas (presentes no diabetes tipo 1). O único exame capaz de afirmar com certeza que se trata de MODY é o estudo do gene por técnicas de biologia molecular - exame que demanda muito trabalho, além de ser caro.

Outras características desse tipo de diabetes incluem a elevação da glicemia em idade mais precoce no MODY que no tipo 2 (geralmente após os 50 anos) e os pacientes nem sempre têm os concomitantes do diabetes tipo 2 como obesidade e hipertensão. Complicações renais e hepáticas podem ser precoces, o que não é tão frequente no diabetes tipo 2."

fonte:www.diabetesnoscuidamos.com.br