Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Feliz 2015!!!!!!!


Obrigada a você que visitou este blog. Desejo a você e seus entes tudo acima nesta árvore todos os dias de sua vida!!!

abs. abraços fraternos,
Carla

Pré-diabetes sempre vira diabetes?

Pré-diabetes sempre vira diabetes?


Nem todo mundo que é diagnosticado com pré-diabetes fica diabético. Estudos internacionais têm mostrado que mudanças no estilo de vida, com perda de peso, alimentação saudável e prática de atividades físicas estão conseguindo preservar a função do pâncreas e evitar ou retardar a evolução para o diabetes. O essencial, defende o professor livre docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Antônio Carlos Lerário, é ter acompanhamento profissional para manter a programação saudável.

Starbem – O que caracteriza o pré-diabetes?

Antônio Carlos Lerário - O diabetes tipo 2, que acomete principalmente indivíduos maduros, acima dos 40 a 50 anos, tem característica progressiva: o pâncreas vai perdendo gradativamente a capacidade de produzir insulina. Estima-se que, ao ser diagnosticada, a pessoa já perdeu cerca de 50% da capacidade de produção de insulina pelo pâncreas.

Define-se que alguém tem diabetes quando sua glicemia de jejum apresenta nível superior a 126 mg/dL. A partir de 100 mg/dL, a classificação é de pré-diabetes. Sem tratamento, a tendência é que o pré-diabético evolua gradativamente para o diabetes.

 
Starbem – O pré-diabetes sempre evolui para diabetes?

Antônio Carlos Lerário - Alguns grandes estudos científicos internacionais vêm demonstrando que é possível retardar - ou até evitar - essa evolução. O estudo norte-americano Diabetes Prevention Programme, por exemplo, acompanhou 4 mil indivíduos e chegou a essa conclusão. Os participantes foram divididos em dois grupos, sendo o primeiro apenas instruído sobre a necessidade de mudança de vida. O segundo grupo foi acompanhado por profissionais de saúde durante 10 anos, período em que recebeu apoio psicológico, nutricional e médico. Esse grupo teve 60% menos casos de pré-diabéticos que se tornaram diabéticos do que aquele que não teve acompanhamento. É possível até que eles não venham a desenvolver a doença no futuro, mas precisamos de mais tempo para chegar a essa conclusão.

 
Starbem – O que é possível fazer para evitar essa evolução?

Antônio Carlos Lerário - O que essa e outras análises mostram é que para evitar ou retardar o surgimento da doença o pré-diabético precisa do acompanhamento profissional, porque a tendência é que, sozinho, ele não adote ou não mantenha as mudanças de estilo de vida necessárias e que são até mais importantes para se evitar diabetes do que o uso de medicamentos isoladamente.


obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla
extraído: http://www.starbem.com.br/Novidades/Especialista/4

Diabetes - Como está o seu nível de A1C?

Como está o seu nível de A1C?


Menos de 19% das pessoas com diabetes tipo 1 apresentam glicemia bem controlada, exibindo resultados do exame A1C – de hemoglobina glicada – abaixo de 7%. A conclusão é de pesquisa inédita realizada no Brasil com 3.591 pacientes, todos acompanhados em seu tratamento por endocrinologistas e com acesso a medicamentos e equipamentos para medição da glicemia, relata a coordenadora do estudo, a endocrinologista Marília Brito Gomes, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Starbem – Como foi realizada esta pesquisa?
Marília Brito Gomes – Ela foi aplicada em 28 serviços de 20 cidades de todas as regiões do País. Participaram do estudo as instituições FAPERJ – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, SBD – Sociedade Brasileira de Diabetes, CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Fiocruz – Fundação Oswaldo Cruz.

Starbem – Quais são os principais resultados?
Marília Brito Gomes - Os índices apontados na pesquisa colocam o Brasil em desvantagem em relação a outros países; se aqui apenas 18,4% dos pacientes têm A1C menor que 7%, a média em países europeus é de 25%. Verificamos também que 47,5% dos pacientes apresentaram A1C acima de 9%, índice que na Suécia, por exemplo, é de apenas 18%. Os dados mostraram ainda que um número significativo de pacientes não realiza exames para detectar a ocorrência de complicações do diabetes, como nefropatia ou retinopatia diabéticas.

Starbem – Que fatores são responsáveis por esses resultados, já que todos os pacientes tinham acompanhamento médico e acesso à medicação?
Marília Brito Gomes – O principal fator é a condição socioeconômica, o que revela a necessidade de investir na educação em diabetes como principal instrumento para o melhor controle.

Starbem – Qual seria o caminho para melhorar esse quadro?
Marília Brito Gomes – É preciso desenvolver novas ferramentas de educação em diabetes que sejam mais apropriadas, de fácil manuseio e que facilitem a interação com o usuário e, nesse sentido, um grupo de estudos deverá dedicar-se ao tema durante o próximo Congresso Brasileiro de Diabetes. Ao mesmo tempo, é aconselhável oferecer mais informações em linguagem adequada para difundir a necessidade de acompanhamento e verificação das complicações do diabetes.


obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla
extraído: http://www.starbem.com.br/Novidades/Especialista/Menos-de-19-mantem-A1C-controlada

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

O que fazer se a glicemia resseca a pele?

O que fazer se a glicemia resseca a pele?

Você já notou que em algumas ocasiões sua pele fica ressecada? Atenção! Esse pode ser um sinal de que sua glicemia está alterada. Segundo o dermatologista João Carlos Lopes Simão, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), taxas elevadas de glicemia podem provocar ressecamento da pele, a chamada xerose cutânea.

Starbem – Glicemia alta pode alterar a pele?
João Carlos Lopes Simão - A hiperglicemia provoca alterações nas características biofísicas da pele, causando espessamento de suas camadas mais superficiais, o que a torna mais áspera e rígida. Há maior perda de água da pele, o que causa o ressecamento, e, como resultado, podem surgir fissuras e rachaduras. Outra consequência é que essas rachaduras são uma porta de entrada para fungos e bactérias que podem provocar processos infecciosos.

Starbem - O que é possível fazer para prevenir?
João Carlos Lopes Simão - Para prevenir todo esse ciclo de incômodos, a primeira dica, é claro, é buscar melhor controle da glicemia, com a adoção de alimentação saudável, prática de exercícios físicos e uso dos medicamentos de forma correta, conforme receitados pelo médico.

Starbem – Devem-se tomar medidas específicas para a pele ressecada?
João Carlos Lopes Simão – Sem dúvida. É aconselhável aplicar um hidratante no máximo 15 minutos após o banho, porque nesse período ainda há água na camada superficial e o hidratante vai retê-la. Quando já houver fissuras e feridas, é necessário passar um produto específico apenas nessas regiões, para facilitar a cicatrização. Aconselho consultar um dermatologista para verificar qual é o mais adequado.

Starbem – Água quente prejudica a hidratação da pele?
João Carlos Lopes Simão - Sim. Deve-se tomar banho com a água em temperatura morna, sem uso de buchas. Banhos quentes e demorados e o uso de buchas removem o manto natural protetor da pele, favorecendo a desidratação.

Starbem – Deve-se dar atenção especial aos pés?
João Carlos Lopes Simão – Os pés merecem cuidados específicos, principalmente na época do frio que, somado à baixa umidade do ar, aumenta a perda de água da pele para o meio ambiente. Nessa estação do ano, pode ocorrer maior ressecamento na planta dos pés com consequentes fissuras e infecções secundárias. Existem produtos específicos para essa área, que devem ser receitados pelo médico. O hidratante também deve ser passado nos pés, com atenção para não deixar o produto na região entre os dedos e evitar, assim, o surgimento de micoses. O uso de meias ajuda a manter o hidratante em contato com a pele e a umidade no local, mas elas devem ser preferencialmente de algodão ou lã, evitando-se o uso de meias feitas com fios sintéticos.

CRM-SP 94214


obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla
extraído: http://www.starbem.com.br/Novidades/Especialista/o_que_fazer_se_a_glicemia_resseca_a_pele#542

Demência é relacionada a hipoglicemia em idosos

A hipoglicemia em idosos que têm diabetes pode estar relacionada à maior ocorrência de casos de demência, segundo estudo divulgado pela Harvard Medical School. O estudo, publicado no site da instituição, envolveu 783 pessoas com diabetes, com idade em volta dos 70 anos e que não apresentavam quadro de demência. Eles foram acompanhados durante 12 anos e, nesse período, cerca de 8% tiveram hipoglicemia pelo menos uma vez. Cerca de 20% desenvolveram demência e o risco de ter o problema foi duas vezes maior em pessoas que tiveram hipoglicemia.

Controlar a glicemia é o principal alvo a ser alcançado por quem tem diabetes e, para isso, é necessário manter alimentação equilibrada, praticar atividades físicas e seguir as recomendações médicas. Podem ocorrer quedas pronunciadas das taxas de glicose no sangue, principalmente se a pessoa com diabetes não se alimentar corretamente.

Para os pesquisadores, a ocorrência de hipoglicemia em idosos acontece porque eles frequentemente pulam refeições e podem não estar realizando o tratamento de forma adequada. 


obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla
extraído: http://www.starbem.com.br/Novidades/FatosRelevantes/demencia_e_relacionada_a_hipoglicemia_em_idosos




Receitas Saudáveis para sua Festa !!!


Arroz à jardineira



Arroz à jardineira

Ingredientes

    2 xícaras (chá) de arroz cozido
    2 colheres (sopa) de margarina light
    1 tablete de caldo de carne
    ½ xícara (chá) de pimentão vermelho em cubos pequenos
    ½ xícara (chá) de pimentão verde em cubos pequenos
    ½ xícara (chá) de pimentão amarelo em cubos pequenos
    ½ xícara (chá) de cenoura em cubos pequenos
    ½ xícara (chá) de ervilhas frescas
    ½ xícara (chá) de milho em conserva
    ½ xícara (chá) de abobrinha em cubos pequenos
    ½ xícara (chá) de cheiro verde picado

Modo de Preparo

    Em uma panela derreta a margarina, dissolva o caldo de carne e acrescente todos os legumes, refogue até amaciar, porém devem ficar crocantes. Junte o arroz já cozido e mexa bem para misturar todos os ingredientes.

 Rendimento: 4 porções

 Calorias: 197 kcal
Proteínas: 4g
Carboidratos: 31g
Gorduras: 6g

Chester recheado

Ingredientes

    1 chester de aprox. 4 kg
    suco de seis laranjas
    1 pão italiano
    6 dentes de alho
    2 colheres de azeite

Modo de Preparo

    Rale o pão italiano no ralo grosso, frite o alho no azeite e misture o pão ralado. Recheie o chester com a farofa de pão italiano, regue com o suco de laranja e ponha para assar, seguindo as instruções da embalagem. 
     
  • Rendimento: 10 porções
    Calorias: 198,62 Kcal
    Carboidratos: 170,58g
    Proteínas: 212,48g
    Lipídeos: 50,74g 

Salada com manjericão

IngredientesSalada com manjericão

    100 g de vagens finas, cozidas e cortadas ao meio
    2 abobrinhas cozidas e picadas em cubos
    1 colher (sopa) de azeite
    sal e pimenta a gosto
    folhas de manjericão fresco
    1 alface rasgada
    1 cebola média cortada em fatias finas
    1 pepino cortado em tiras
    12 tomates cereja
    vinagre a gosto

Modo de Preparo

    Cozinhe os legumes al dente na água com sal. Pique-os e reserve. À parte, pegue uma saladeira, arrume-os e decore com a alface, o pepino, tomates cereja e a cebola. Tempere com sal, vinagre, azeite e pimenta. 
     
  • Rendimento: 6 porções

Calorias: 37 kcal
Carboidratos: 5g
Proteínas: 1g
Gorduras: 1g

     
Rendimento: 10 porções

Ingredientes
  • 3 envelopes de gelatina em pó dietética (sabores de sua preferência)
  • 1 envelope de gelatina em pó incolor e sem sabor
  • 1 xícara (chá) de água
  • 1/2 xícara (chá) de creme de leite light
  • 1 pote de iogurte natural desnatado
  • 1 lata de pêssegos em calda dietéticos

Preparo
Prepare as gelatinas conforme a embalagem, mas considere 1 xícara de água para cada sabor. Depois que estiverem firmes, corte em quadradinhos. Dissolva a gelatina sem sabor na água e aqueça em banho-maria. Bata com o creme de leite, o iogurte e a calda do pêssego no liquidificador. Coloque as gelatinas e os pêssegos picados em um refratário e cubra com o creme. Leve para gelar.

Informações nutricionais 

1 Porção = 1 Fatia 70 g
Calorias 92
Proteínas  8,9 g
Gorduras totais 1,5 g
Carboidratos  4,1 g
Fibras  0,3 g
Sódio 36 mg
Gorduras saturadas   1 g
Colesterol 7 mg



Rendimento: 8 unidades
Ingredientes
  • 1 tablete de fermento biológico fresco (15 g)
  • 1 chuchu cozido com casca
  • 1 ovo
  • 2 colheres (sopa) de óleo de canola
  • 1 colheres (sopa) de adoçante dietético em pó, próprio para forno e fogão
  • 1/2 xícara (chá) de semente de linhaça dourada batida no liquidificador
  • 1 colher (chá) de sal
  • 2 e 1/2 xícaras (chá) de farinha de trigo

Para pincelar
  • 1 gema
  • 2 colheres (sopa) de leite desnatado

Preparo
Coloque o fermento em uma tigela e amasse bem. Passe o chuchu pelo processador e adicione ao fermento. Junte o ovo, o óleo, o adoçante, a linhaça e o sal. Aos poucos, acrescente a farinha de trigo até obter uma massa firme que desgrude das mãos. Deixe descansar por 20 minutos em uma tigela untada com azeite e tampada. Abra a massa em uma mesa enfarinhada e corte-a em 8 triângulos. Enrole, começando da parte mais grossa para a mais fina, formando os croissants. Coloque os pães em uma assadeira antiaderente, mas deixe espaço entre eles. Deixe crescer por mais 30 minutos. Misture a gema e o leite e pincele os pães. Leve ao forno médio (180 ºC), preaquecido, por cerca de 30 minutos. Retire e sirva.

Informações nutricionais
1 Porção = 1 Fatia 50 g
Calorias 152
Proteínas  5,4 g
Gorduras totais 3,9 g
Carboidratos  23,9 g
Fibras  1 g
Sódio 49 mg
Gorduras saturadas   0,4 g
Colesterol 37 mg

 

obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla

extraído: http://www.diabetes.org.br/receitas/
http://www.starbem.com.br/NutricaoExercicios/Receitas

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Carteirinha do Diabético

Crie agora a sua carteirinha

Por favor preencha o formulário abaixo com seus dados pessoais. Em respeito a sua privacidade, os dados preenchidos abaixo não serão armazenados em banco de dados. Todas as informações que você fornecer serão usadas apenas para a impressão de sua carteirinha
http://www.starbem.com.br/Diabetes/MateriaisUteis/Carteirinha
Nome
Endereço                      nº                  Complemento
Bairro
Estado                              Cidade        
Telefone
Tipo de Diabetes
Medicamento em uso atual
Nome do meu médico
Telefone do meu médico
obs.

Laticínios podem evitar Diabetes Tipo 2