quarta-feira, 19 de julho de 2017

Cetoacidose no diagnóstico está vinculado a pior controle do Diabetes no longo prazo

10 de julho de 2017
















As crianças que apresentam CetoAcidose Diabética (CAD) no momento do diagnóstico de diabetes tipo 1 correm o risco de um pior controle glicêmico no longo prazo, de forma independente dos fatores demográficos e socioeconômicos, indica uma nova pesquisa.

Os resultados foram publicados online em 30 de junho no Diabetes Care por Lindsey M Duca, PhD, do Barbara Davis Center for Diabetes e da Universidade do Colorado, Aurora.

No estudo de quase 4.000 crianças do Colorado diagnosticadas com diabetes tipo 1 entre 1998 e 2012, fatores como o status de minorias étnicas e falta de seguro de saúde foram associados com CAD no diagnóstico e níveis mais elevados de HbA 1c ao longo de 15 anos de acompanhamento. Mas mesmo após o ajuste para aqueles e outros fatores de confusão, a CAD no diagnóstico ainda previu um pior controle e estava presente em quase 40% dos casos.

Os autores levantam a hipótese de que a exacerbação da perda de células beta por hiperglicemia e inflamação associada à CAD pode desempenhar um papel. Além disso, CAD pode prejudicar a função cognitiva, o que pode diminuir a capacidade de autocuidado.

“Eu acho que as pessoas não percebem as implicações de longo prazo da CAD. Nós mostramos que seus efeitos persistem por pelo menos 15 anos. Isto é, o quanto de tempo nós tínhamos de dados, mas eu tenho certeza de que o efeito dura mesmo além de 15 anos”, reportou o co-autor Arleta Rewers, MD, médico de emergência no departamento de pediatria da Universidade do Colorado, ao Medscape Medical News .

A implicação clínica imediata mais importante é a necessidade de reconhecer os sinais e sintomas de diabetes que se apresentam – incluindo polidipsia, poliúria e perda de peso – e instituir tratamento de insulina para prevenir CDA, disse o Dr. Arleta Rewers, observando que ainda hoje existem muitos casos não percebidos.

Além disso, à medida que os níveis de cetona aumentam “é importante que os médicos reconheçam que se uma criança apresentar náuseas e vômitos, mas não diarreia, poderia ser diabetes e não gastroenterite”, observou.


Cetoacidose diabética prevê o pior controle independente dos demais fatores

O estudo recentemente publicado incluiu 3.364 residentes do Colorado com idade entre 0 a 17 anos diagnosticados com diabetes tipo 1 entre 1998 e 2012 e monitorados no Centro Barbara Davis para Diabetes por 1 a 17 anos.

Desses, 1297 (38,6%) apresentaram CAD (glicemia> 250 mg / dL e pH venoso <7 apresentava="" bicarbonato="" cad="" com="" daqueles="" l="" meq="" nbsp="" o="" ou="" ph="" severa="" span="" ter="" um="">

Em comparação com as crianças sem CAD no momento do diagnóstico, as pessoas que apresentaram a mesma eram mais jovens, mais frequentemente de minorias étnicas, não seguradas ou seguradas por um plano de governo e menos propensas a ter parentes de primeiro grau com diabetes tipo 1.

Ao longo de todo o período de estudo de 14 anos, os níveis de HbA 1c em crianças apresentadas em CAD permaneceram 0,3 a 1,0 pontos percentuais (3,3-10,9 mmol / mol) maiores que os diagnosticados com sintomas mais leves, com uma relação dose-resposta aparente por gravidade de CAD.

E na análise multivariada, a HbA 1c nas crianças que apresentaram CAD grave rastreou 1,4% (15,3 mmol / mol) maior que naquelas sem CAD, enquanto que as pessoas com CAD leve / moderada rastrearam 0,9% (9,8 mmol / mol) maiores (ambos  <.0001).

Estes eram independentes do status de minorias étnicas e falta de seguro de saúde no diagnóstico, que previa maior HbA 1c por 0,5 (5,5 mmol / mol) e 0,2 (2,2 mmol / mol) pontos percentuais, respectivamente (ambos  <.0001).

O efeito da CAD no diagnóstico também foi independente do uso subseqüente de bomba de insulina ou de um parente de primeiro grau com diabetes tipo 1. Aqueles predisseram HbA 1c inferior por 0,4 (4,4 mmol / mol; <0001 0="" e="" em="" mmol="" mol="" nbsp="">P 
 = 0,01) pontos percentuais, respectivamente.

Os autores concluem que “CAD no diagnóstico de diabetes tipo 1 não é apenas uma complicação aguda, mas também prenúncio do aumento da morbidade e mortalidade associados ao controle glicêmico fraco”.

“Conseqüentemente, a prevenção eficaz da CAD no diagnóstico pode proporcionar benefícios duradouros. Estudos futuros são necessários para avaliar a eficácia da prevenção de CAD no início do diabetes tipo 1 para a melhoria do controle de glicemia num longo prazo”.

Fonte: 
  1. Diabetes Care. Publicado em 30 de junho de 2017.   Resumo 
obs. conteúdo meramente informativo procure médico

abs
Carla
http://www.tiabeth.com/index.php/2017/07/10/cetoacidose-no-diagnostico-esta-vinculado-a-pior-controle-do-diabetes-no-longo-prazo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla