Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




segunda-feira, 20 de maio de 2013

Neste país é proibido ser doente.






Não se pode estar nem ser doente neste país. Só pode ter esse estado as pessoas com dinheiro, ou seja, quem é rico. A minha indignação cada dia que passa é maior, a minha desilusão começa a ser de uma dimensão indiscritível. Os (des) governantes deste país são mesmo (muito) incompetentes e de uma insensibilidade social a toda a prova. Uso estes termos para não usar outros que se justificavam e são mesmo pertinentes chego achar. Mas como sou educado, não o vou fazer (pelo menos para já), se bem que me apetecia… Tenho vindo acumular este sentimento que chega a ser de “revolta” pelo estado que estes “gajos” estão a colocar o país.

Como sabem a Claudia é possuidora de uma doença crónica (Lúpus) desde 2008. Tem consultas, exames e análises com frequência. De cada vez que faz isto tem que pagar uma pequena fortuna. Como ela existem muitas outras portadoras desta doença, só que com uma diferença, não têm capacidade económica para suportar estes (elevados) custos. Então o que fazem, ou melhor, não fazem?! Não vão às consultas, não fazem exames, por vezes não tomam medicação e ficam entregues a si próprias e à doença que avança feroz e descontroladamente. Como se pode chamar a isto? Não basta ter uma doença crónica? Não basta ser-se doente para já ter problemas de sobra? Como respondem a isto estes “senhores”? Total insensibilidade!

Muitas delas são perseguidas nos seus empregos. Demitem-se ou são forçadas a faze-lo. “Ninguém” quer uma colaboradora doente. Além de as prejudicar e afetar (muito) psicologicamente, debilita-as economicamente. Ficam dependentes da ajuda dos pais, familiares e por vezes de amigos. Coloca-as num estado de ansiedade tal que lhe acelera a doença. Quem conhece esta doença sabe perfeitamente como fazem depressões e num estado psicológico e económico de grande pressão é o verdadeiro rastilho. Falo na doença da Claudia como posso falar em tantas outras em que os doentes se deparam com todo este cenário. Eu sou solidário com todos eles, mas começo a constatar que (só) isso não chega…

Neste país é proibido ser doente. Que fazer com quem o é?!
 
 
p.s:   Não é somente em Portugal que não se pode adoecer aqui no Brasil, nem se fala ficar doente para os nossos governantes é a mesma coisa de ir ao supermercado e/ou padaria não temos direito a nada nem mesmo um atendimento digno remédios sempre faltam. É o que falei com meu primo que quando chegamos para ser atendidos já temos outra patologia por causa do desgaste emocional. Em relação ao requerimento do auxilio doença muito menos eles acham que estão fazendo um favor para as pessoas que os procuram somos tão humilhados que ficamos com vergonha de pedir outra vez nova perícia enquanto (com sempre) outros ganham fácil, pois possuem um padrinho. Hoje (20/05/2013) eu recebi a notícia que o pedido de isenção de imposto de renda da minha mãe que tem Alzheimer foi negado pelo Estado de Minas alegando que a mesma não era portadora da patologia que se enquadra na isenção do imposto é muito descaso com o ser humano. Será que eles conseguem dormir(pior que dormem...) Meu Deus até quando continuaremos ter nosso direito negado pelos nossos governantes em função de favorecimento deles próprios...

Publicada por Tony Madureira à(s) 00:03
extraído:http://tonymadureira.blogspot.com.br/2013/05/neste-pais-e-proibido-ser-doente.html

2 comentários:

  1. Olá.
    Passei e gostei do que vi. Obrigado por divulgar.

    Tony

    ResponderExcluir
  2. Amigo, estamos aqui para tentar ajudar, conscientizar e amenizar as dificuldades que as pessoas enfrentam com a saúde. Gosto muito do seu blog. Parabéns pela luta da causa!!!
    Gde. abs,
    Carla

    ResponderExcluir

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla