Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




sexta-feira, 11 de setembro de 2015

COMO A HIPERGLICEMIA AFETA A CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS

Muitos têm consciência das complicações que surgem a partir de um controle inadequado da glicose associada à hiperglicemia. Uma das maiores complicações é a má cicatrização de feridas, e, devido ao processo prolongado, há uma grande possibilidade de infecção e outros problemas. Então, como é que a hiperglicemia afeta na cicatrização de feridas? Vamos dar uma olhada em como essas duas complicações estão relacionadas.
 
Antes de responder a esta pergunta, primeiro precisamos entender o processo normal de cicatrização das feridas. A teoria complexa está vinculada ao sistema imunológico e é dividida em 4 fases específicas:
  • Hemóstase
  • Inflamação
  • Proliferação
  • Remodelações / Maturação
Para que a cicatrização aconteça apropriadamente, estas etapas precisam ser cumpridas em uma ordem específica.  Em termos gerais, quando há uma ferida, o primeiro processo que ocorre é a hemóstase. Pense em uma ferida como uma casa com problemas de encanamento. É preciso primeiro deter a infiltração, para que os trabalhadores possam reparar os danos causados. De maneira similar, os vasos sanguíneos que foram danificados são fechados através de coagulação do sangue. A hemóstase ocorre imediatamente após a ocorrência da ferida.
 
A segunda fase é a de inflamação. Seguindo o mesmo exemplo, assim que os trabalhadores detêm a infiltração, logo após é preciso limpar a bagunça que os danos causaram. No caso de uma ferida, esse trabalho é realizado por neutrófilos que canibalizam tecidos danificados e microorganismos. Esta constitui a primeira linha de defesa, para que a infecção não ocorra.  Seguidamente, entram em ação os macrófagos que são encarregados de reconstruir a casa e responsáveis pela administração da obra. Os macrófagos afastam as bactérias e fornecem a segunda linha de defesa contra a infecção.
 
A próxima etapa começa logo após que a casa está livre de detritos. Os responsáveis pela obra contratam um grupo de pessoas para reconstruir a estrutura da casa (fibroblastos). Em seguida a empreiteira contrata subcontratados para entrar e dar os toques finais de acabamento. Esta é a fase proliferativa, para isto os macrófagos enviam sinais aos fibroblastos para secretar uma substancia chamada colágeno responsável pela regeneração de novos tecidos. Outras células, como os pericitos e queratinócitos realizam o trabalho dos encanadores, recuperação do telhado, etc.
 
Finalmente, a remodelação ou etapa de maturação pode ocorrer. Assim como a casa, uma vez que todo o trabalho estrutural está completo, os toques finais, tais como design de interiores e qualquer estética podem ser efetuados. O reparo das feridas também requer a remodelação. Nesta fase, o tecido se fortalece e retoma as suas funções defensivas, assim como era antes do ferimento ser causado.
A descrição anterior representa uma maneira simples de entender a cicatrização de feridas, mas como é que a hiperglicemia afeta na cicatrização de feridas? Como mencionamos anteriormente, a cicatrização deve passar por um processo específico para que aconteça de forma correta, todas as etapas e eventos precisam seguir esta ordem. Por exemplo, assim que os trabalhadores terminam de fazer a sua parte, eles se retiram até que seja preciso entrar em ação novamente. Algo semelhante acontece durante a cicatrização de feridas. Uma vez que uma célula ou tipo de célula terminou o seu trabalho específico durante a cicatrização, isto é chamado de apoptose. Estudos mostram que a hiperglicemia aumenta a produção de oxigênio, o que provoca um aumento significativo no apoptose celular. Isto significa que algumas células irão morrer antes de concluir o seu papel, o que leva a uma cicatrização inadequada ou prolongada. Basta imaginar quanto tempo seria necessário para reconstruir uma casa com a metade dos trabalhadores presentes.
 
Esta é apenas mais uma razão pela qual é importante evitar a hiperglicemia se uma pessoa é diabética. Você acha que o controle glicêmico rigoroso teve um efeito significativo sobre a sua cicatrização de feridas? Deixe seu comentário abaixo!
 
obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla
extraído:http://blogbr.diabetv.com/como-hiperglicemia-afeta-cicatrizacao-de-feridas/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla