Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




quarta-feira, 16 de julho de 2014

EXISTE UMA IDADE CERTA PARA QUE AS CRIANÇAS COMECEM A AUTOAPLICAÇÃO DA INSULINA?

Nesse post Kellen, nossa parceira aqui no blog, fala um pouco sobre sua experiência com a autoaplicação de insulina com a Marília, sua filha:

EXISTE UMA IDADE CERTA PARA QUE AS CRIANÇAS COMECEM A AUTOAPLICAÇÃO DA INSULINA?

POR KELLEN, MÃE DA MARÍLIA.
Quando nos vemos frente à realidade do diabetes tipo 1, um dos maiores receios está relacionado à aplicação das insulinas diárias, muito provavelmente pelo fato de envolver agulhas, o que apavora a maior parte das pessoas. As mães, protetoras por natureza, quase sempre assumem integralmente essa função, só delegando a outra pessoa quando não têm outra opção, mesmo por que, quase ninguém se dispõe a essa tarefa, seja por ter pena da criança, ou pelo próprio medo de cometer algum erro na aplicação.
Mas nossas crianças vão crescendo, querendo mais independência, tendo mais atividades em que os pais não estão presentes, como ir à casa dos colegas; atividades esportivas, campeonatos de natação, no caso da Marilia; dormir na casa dos avós....e aí, o que fazer? Aqui em casa, quando dorme na casa da vovó, o papai vai cedinho pra medir a glicemia e aplicar a insulina, eu ainda acompanho nos eventos esportivos, mais para paparicar e gritar na torcida alucinada, é verdade...também para garantir que nada saia do controle em relação ao diabetes, mas até quando ela se sentirá à vontade com tudo isso?marilia kellen
Marília ficou diabética pertinho de completar 4 anos e já está com seis...sempre aceitou muito bem a condição e também demonstrou muito interesse pelo arsenal que envolve as medições de glicemia e aplicação de insulina. Os dedinhos ainda tão pequenos e já queria fazer sozinha.....mas eu não deixava com medo de que se machucasse. Porém, achava importante que ela participasse, então deixava que armasse a lanceta, girasse o tamborzinho(nosso lancetador é o multiclix), que colocasse a tira no aparelho....e por fim, que encostasse a tirinha para “puxar” a gotinha de sangue. Mas a danadinha sempre pedindo pra fazer sozinha.....
Foi para a escola perto de completar 5 anos, e mesmo a professora aprendendo a medir a glicemia, eu não estava muito segura....foi aí que resolvi deixar que ela fizesse os testes de glicemia sozinha, o que ajudou muito.
Desse tempo até aqui, já se vai mais de um ano e nesse período foi a mesma coisa com as canetinhas....ela interessada, participando de toda montagem do arsenal, até apertando o botão e retirando a caneta da pele sozinha, quando um dia perguntei se queria fazer a aplicação toda sozinha e ela disse que SIM. Só faz na barriga, sob minha total supervisão para que não haja, principalmente, uma superdosagem de insulina.
O mais importante, no meu modo de ver, é fazer com que as crianças se interessem por esse cuidado sem pressioná-las, pois um dia elas, obrigatoriamente, assumirão essa tarefa sozinhas. PARTICIPAÇÃO é a palavra-chave, fazendo tudo de maneira natural, sem dramas, mas incluindo-as no processo, nem que seja apenas para passar o algodãozinho com álcool para a desinfecção. Toda criança adora se sentir útil, ainda mais sendo diretamente relacionado a elas. Quem nunca se achou o máximo na infância porque conseguiu amarrar o tênis sozinho? É a mesma coisa. Se passarmos segurança a elas, com certeza será bem mais fácil e tranquilo, no momento delas.
obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla
extraído: http://jujubadiabetica.blogspot.com.br/2014/07/existe-uma-idade-certa-para-que-as.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla