terça-feira, 29 de julho de 2014

Tenho Linfoma, e agora?

linfoma

Se você, assim como o Reynaldo Gianecchini, foi diagnosticado com linfoma, não é necessário entrar em pânico.

Cada vez mais popular, a doença agora aparece na estimativa de Incidência do Câncer no Brasil, realizada pelo INCA (Instituto Nacional do Câncer) e atualmente é o sexto tipo de câncer mais comum no Brasil.


Porém, ainda que os números sejam alarmantes, esta é a área da oncologia que apresenta os maiores avanços em pesquisas clínicas nos últimos anos, segundo o especialista Dr. Carlos Chiattone, chefe da disciplina de Hematologia e Oncologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, diretor de Relações Internacionais da Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e membro do Comitê Científico Médico da ABRALE.

“O nome linfoma se refere a cerca de 50 tipos diferentes de cânceres. Clinicamente podem ser divididos em três grupos de comportamento clínico: os agressivos, os indolentes e os muito agressivos. Os agressivos são os mais frequentes, correspondendo a quase metade de todos os linfomas. Tratados corretamente, há uma alta taxa de pacientes curados, particularmente aqueles que não têm fatores prognósticos negativos. Os indolentes ocupam o segundo lugar, como os linfomas foliculares, que são os mais frequentes nessa categoria. Esses são incuráveis, mas com os tratamentos atuais a tendência é torna-los doenças crônicas, como a diabetes e hipertensão. Neste caso, os pacientes também têm longa vida e com qualidade.

Por último temos os linfomas muito agressivos, que também podem ser curados com as terapias existentes hoje, se utilizadas em altas taxas”, informou o hematologista.

Os principais sintomas deste tipo de câncer do sangue são aumento dos gânglios linfáticos (sem dor) no pescoço, axilas ou virilhas; perda de peso sem motivo; febre persistente; sudorese noturna; coceira na pele; tosse, dificuldade para respirar ou dor no peito; fraqueza e fadiga progressivas e dor, inchaço ou sensação de peso no abdômen.

O linfoma é uma doença que atinge pessoas de diversas idades, desde crianças a idosos, não é hereditário e ainda não há maneiras de preveni-lo. Atualmente, as principais opções para o tratamento são a quimioterapia, radioterapia, fototerapia, transplante de medula óssea e anticorpos monoclonais.

Se diagnosticado precocemente, as chances de cura podem chegar até em 86%, por isso fique sempre atento a qualquer sinal diferente em seu corpo. Se surgir qualquer indício da doença, procure um onco-hematologista, especialidade médica que trata os cânceres do sangue.

Para mais informações, acesse http://www.abrale.org.br ou entre em contato com a ABRALE pelo 0800 773 9973 e abrale@abrale.org.br.

obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla