sexta-feira, 11 de abril de 2014

Dia Mundial da Doença de Parkinson

A doença de Parkinson é uma doença neurodegenerativa (Parkinson Society Canada, n. d.) eferida pela primeira vez em 1817 pelo físico inglês Dr. James Parkinson (The National Parkinson Foundation, Inc) no livro intitulado “An Essay on the Shaking Palsy” (Nicholl, 2003).
Em situação normal, nós não pensamos como é possível que os nossos corpos se movimentem pois isso simplesmente acontece quando nós queremos.
Na verdade, várias áreas cerebrais estão envolvidas em complexas tomadas de decisões exigidas até para os movimentos mais pequenos. Esta informação é processada numa zona central do cérebro denominada estriado (Somerset Pharmaceuticals, Inc) (constituido pelo putamen e pelo núcleo caudado), que controla muitos aspectos da locomoção. O estriado comunica com muitas outras áreas do cérebro, sendo uma delas a substancia nigra. A projecção nigroestriada tem origem na parte compacta da substancia nigra do tegumento mesoencefálico e o neurotransmissor utilizado é a dopamina que tem efeitos tanto excitatórios como inibitórios nas células do estriado. Na parte mais rostral e ventral do estriado recebe a dopamina precedente da área tegumental ventral situada medianamente em relação à substancia nigra. Esta projecção é a mesoestriada. As projecções eferentes do estriado para a substancia nigra denominam-se estriadonigricas (Crossman e Neary, 2002).


A dopamina é um neurotransmissor formado na substancia nigra, crucial para os movimentos humanos, iniciando e controlando-os, pois medeia a comunicação entre o estriado e a substancia nigra. Outro neurotransmissor que funciona em conjunto com a dopamina é a acetilcolina. Algumas dos neurónios do cérebro estão especializados para utilizar tanto dopamina como acetilcolina para enviar diferentes mensagens consoante os movimentos em questão (Somerset Pharmaceuticals, 1997).
O que acontece na doença de Parkinson, por motivos ainda não compreendidos é que o número de células produtoras de dopamina começa a diminuir substancialmente (Nicholl, 2003) o que provoca uma diminuição na dopamina disponível. Por outro lado a molécula responsável pela deterioração de dopamina, MAO-B, continua em actividade. Desta forma, não existe dopamina suficiente para equilibrar as funções com a acetilcolina (Somerset Pharmaceuticals, 1997).


Como consequência, o indivíduo sofre de tremores, bradicinesia – lentidão de movimentos generalizada –, rigidez, dificuldade em manter o equilíbrio, ipomimia – diminuição da expressão facial –, disartria – diminuição do volume da voz –, sentimentos de depressão e ansiedade, dificuldade em iniciar movimentos, os passos tornam-se mais pequenos, (The National Parkinson Foundation, Inc, 2003), disquinesia – ocorrência de movimentos involuntários – (Tatter), acinesia – redução da quantidade de movimentos –, caligrafia torna-se menos visível, frequentes distúrbios do sono acompanhados de pesadelos e inversão do ciclo vigília-sono, sialorréia, distúrbios respiratórios, dificuldades urinárias (MJF Foundation For Parkinson’s Research), ocorre também modificação da postura geral do indivíduo: a cabeça permanece flectida sobre o tronco, este sobre o abdómen e os membros superiores são mantidos ligeiramente à frente com os antebraços semi-flectidos na altura do cotovelo, a nível cognitivo não existem grandes declínios, ou seja, as capacidades de raciocínio e percepção estão intactas. No entanto, em doentes mais idosos e nas fases mais adiantadas da doença ocorrem défices cognitivos que vão desde dificuldades de orientação, a grandes dificuldades de memorizar acontecimentos, objectos e pessoas. É importante frisar que a natureza e severidade da doença varia muito consoante o indivíduo, ter a doença não significa que se tenha todos os sintomas (The National Parkinson Foundation, Inc, 2003).




Como já antes referido, na doença de Parkinson, a aprendizagem, o pensamento e outras capacidades cognitivas são afectadas. Estudos recentes, tentaram explicar o porquê de tal acontecer. Os resultados mostraram que as memórias de momentos específicos e facto requerem um hipocampo saudável, enquanto a memória procedimental de habilidades requerem um núcleo caudado saudável. Por exemplo, pacientes com o hipocampo danificado podem facilmente aprender uma tarefa que teste a memória procedimental mas não têm qualquer memória do que os ajudou a conseguir aprende-la. Pacientes com a doença de Parkinson e o gânglio basal danificado têm problemas no que concerne à habilidade mas conseguem recordar-se facilmente de factos da tarefa de teste de memória. Mais recentemente, cientistas descobriram que, nos pacientes com a doença de Parkinson, o núcleo caudado tem baixa actividade enquanto o hipocampo tem alta actividade. Este facto levou-os a concluir que estes pacientes tendem a compensar o défice funcional do núcleo caudado com maior actividade do hipocampo. Isto pode levar a recuperação de memórias para realizar tarefas procedimentais mais conscientes, deliberadas e difíceis.

Outros estudos demonstraram que o mal funcionamento do gânglio basal nos doentes de Parkinson dificulta a interacção com o córtex pré frontal, uma área reconhecida pela implicação no desemprenho de tarefas complexas. Recentemente, os investigadores testaram funções cognitivas que recebiam ajuda do córtex pré frontal como a atenção, e o tipo de memória que ajuda na manipulação da informação durante algum tempo para dar uma resposta. Os estudos mostraram que a baixa performance nos testes está intimamente relacionada com a baixa actividade do gânglio basal.

Outro estudo tentou ainda verificar se as drogas utilizadas para minimizar o mau funcionamento do gânglio basal e movimentos restituindo dopamina, também podiam ajudar nas funções cognitivas. Como conclusões verificou-se que estas drogas podem ajudar nas funções cognitivas que dependem da existência de dopamina do gânglio basal e da interacção deste com o córtex pré frontal. No entanto, as funções cognitivas que dependem de outras áreas cerebrais podem ficar danificadas devido à sobredosagem de dopamina. (Society for Neuroscience, 2002).

Várias técnicas para melhorar os sintomas da doença de Parkinson são utilizadas, entre elas a medicação oral, a fisioterapia, a terapia ocupacional (Zerati, 2000), terapia da fala e dietas adequadas (Nicholl, 2003).
Entre as várias drogas utilizadas destacam-se os anticolinérgicos, a Amantadine, o Selegiline (Deprenyl), a Levedopa, os agonistas dopaminérgicos, a Apomorfina e os inibidores de COMT.
A Levedopa foi a primeira droga a ser aprovada especificamente para a doença de Parkinson, em 1970, e continua a ser terapia mais administrada (The Michael J. Fox Foundation for Parkinson’s Research, n. d.). No entanto, esta é uma solução temporária. Esta droga, ao entrar no cérebro, é transportada para células que a convertem em dopamina no estriado. Inicialmente, os sintomas diminuem, proporcionando melhor mobilidade e funcionamento relativamente normal mas, em três ou cinco anos, eles podem voltar. Os cientistas descobriram que as células que convertem a Levedopa morrem (Society for Neuroscience, 1997).
A carbidopa prolonga os efeitos da Levedopa e ajuda a diminuir os seus efeitos secundários. Ela actua diminuindo a conversão de levedopa em dopamina no tronco cerebral de forma que mais levedopa chegue ao cérebro (Nicholl, 2003).
O Comtan, um inibidor COMT, tem os mesmos efeitos que carbidopa quando tomado em conjunto com levedopa, bloqueando a actividade de uma enzima responsável pela destruição da levedopa antes de esta chegar ao cérebro.
Da mesma forma, o Deprenil / Eldepril é um inibidor selectivo de monoamina oxidase do tipo B que metaboliza a dopamina, podendo aumentar e prolongar a resposta da levedopa quando utilizadas em conjunto.
Os anticolinérgicos têm pouco efeito antiparkinsónico, sendo mais utilizados para diminuição de tremores. Tem vários efeitos secundários, alucinações, dificuldades de concentração e de memória, dificuldade para ver ao perto devido a medriase, retenção urinária nos homens , disquinesia (Nichol, 2003).
Os cientistas têm tentado desenvolver outras drogas que imitem a dopamina actuando directamente nos receptores no estriado, denominadas agonistas dopaminérgicos. Estas drogas, variam tanto no seu tempo de acção tanto no grau a que elas são agonistas D1 ou D2. Nos pacientes que tolerem a monoterapia com agonistas dopaminérgicos por um longo espaço de tempo, a ocorrência de disquenesias e descoordenação motora é menor. Por outro lado, as doses têm de ir sendo progressivamente maiores e os efeitos secundários como náuseas, vómitos, entre outros, são fortemente sentidos pelo doente (The Michael J. Fox Foundation for Parkinson’s Research, n. d.).

Actualmente praticam-se algumas cirurgias na doença de Parkinson, não estando os benefícios destas directamente ligados à causa que provoca o desaparecimento das células da substancia nigra. Estas cirurgias são utilizadas na tentativa de diminuição dos sintomas da doença proporcionando uma melhoria da qualidade de vida dos doentes.
Em 1997, foi aprovado o mais importante procedimento para tratar o tremor parkinsónico denominado “inserção estereótática de um estimulador profundo do cérebro no tálamo”. Em Janeiro de 2002 foi aprovada a inserção de estimuladores profundos do cérebro nos núcleos subtalâmicos bilaterais e no globus pallidus, para tratar outros sintomas parkinsónicos relacionados com o movimento como a rigidez, a bradiquinesia, tremor e a dificuldade em iniciar movimentos (Tatter, n. d.). Nesta técnica um ou dois eléctrodos são implantados no núcleo subtalâmico, uma estrutura com apenas alguns milímetros de diâmetro localizada nos núcleos cinzentos da base. Os eléctrodos são ligados por finos cabos subcutâneos, que passam por trás da orelha, a um meuroestimulador eléctrico. Esta peça, que funciona como um pacemaker cardíaco, fica acomodada sob a pele do tórax (Jornal Público, 2004).
Outra técnica utilizado como alternativa a fazer uma lesão com um eléctrodo é a radiocirurgia estereotáctica para desordens nos movimentos. Algumas das desvantagens deste método é que não é possível fazer uma lesão teste ou mudar a posição da lesão depois de a sua posição ter sido estabelecida nos scans. Por estas razões, a taxa de sucesso da radiocirúrgia talâmica e do núcleo subtalâmico é baixa comparada aos métodos mais tradicionais.

É importante referir que a cirurgia para a Doença de Parkinson não beneficia os sintomas que não estejam directamente relacionados com a morte das células da substancia nigra. Apenas os sintomas relacionados com a movimentação podem sofrer alterações com a cirurgia. Por conseguinte, estes procedimentos têm sido optimizados para os movimentos dos membros superiores e inferiores, não sendo, por exemplo, a fala melhorada através da cirurgia. Para além do referido, não são conhecidas quaisquer melhorias a nível da memória, depressão, problemas urinários, entre outros, a partir da cirurgia.
Por conseguinte, a cirurgia na doença de Parkinson é recomendada apenas quando a qualidade de vida do doente está muito afectada devido a dificuldades na movimentação (Tatter, n. d.).

Crossman, A. R. & Neary, D., (2002), Neuroanatomia Texto y Atlas En Color, Londres, Masson
Michael J. Fox Foundation for Parkinson’s Research, n. d., About Parkinson’s de http://michaeljfox.org/parkinsons/index.php
Nicholl, D., 19 de Outubro de 2003, Parkinson’s Desease, de http://medweb.bham.ac.uk/http/depts/clin_neuro/teaching/tutorials/parkinsons
Society for Neuroscience, No vembro de 2002, Brain Briefings, de http://web.sfn.org/content/Publications/BrainBriefings/BrainBriefings_Nov2002.pdf
Somerset Pharmaceuticals, Inc, 1997, What Happens in Parkinson’s Disease, http://www.parkinsoninfo.com/about_parkinson/whathappens.html
Tatter, S. B., n. d., Department of Neurosurgery of Wake Forest University School of Medicine, retirado dia 14 de Abril de 2004, de http://www.bgsm.edu/bgsm/surg-sci/ns/md-surg3.html
 
obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs,
Carla
extraído: http://blogdoconhecimento.blogspot.com.br/2005/04/dia-mundial-da-doena-de-parkinson.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla