Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




terça-feira, 15 de novembro de 2016

12 perguntas e respostas sobre nutrição para Pacientes Renais

Mês de consciêntização do Câncer de Próstata e Diabetes




=#Diabetes Uma Doença Invisível 












Nutricionistas da Pró-Rim esclarecem as dúvidas mais comuns.


Dando continuidade à série que já esclareceu dúvidas sobre hemodiálise ediálise peritoneal fizemos uma enquete nas redes sociais da Pró-Rim sobre nutrição para pacientes renais. As nutricionistas da Fundação, Fabiana Nerbass e Jyana Morais, responderam as dúvidas enviadas. Confira: 


1. O que um recém-transplantado pode ou não comer?

Depende da medicação que o paciente está usando após o transplante. Se ele não usa timoglobulina, por exemplo, com um mês já pode comer comida crua, como verduras e frutas. Se usou timoglobulina, só pode depois de três meses. Mas a princípio, a alimentação do transplantado é uma alimentação saudável, não tem grandes restrições como a do paciente em diálise, porque o rim está funcionando. Há que se ter os cuidados normais como colocar frutas e verduras de molho em hipoclorito e não comer comida mal passada. No pós-transplante imediato, o paciente precisa ter cuidado com os alimentos doces, porque há um risco de 20% de se tornar diabético.



2. Minhas dúvidas são em relação às quantidades de sal e produtos industrializados.

Quanto menos sal a pessoa comer, melhor. Isso influencia na pressão e, nos pacientes em hemodiálise, vai afetar a sede, fazendo com que ele ganhe mais peso entre uma diálise e outra. Orientamos os pacientes a tentar adicionar aos alimentos o mínimo de sal possível. E para melhorar o sabor pode usar qualquer tempero natural à vontade, como alho, cebola, coentro, salsinha e cebolinha. Dos alimentos industrializados, o paciente deve evitar ao máximo aqueles que tenham muita concentração de sal, como alimentos em conserva, caldos em tablete, temperos prontos, embutidos.



3. E quais frutas podemos comer ou não?

Tudo depende da quantidade de potássio que a fruta tem. Mas tem que ser uma orientação mais individualizada. Só não pode comer a carambola porque é tóxica. É preciso consultar um nutricionista para saber as quantidades porque para uns pode ser um pouco mais e, para outros, menos.



4. Cozinhar o feijão e trocar a água mais de uma vez, cozinhar legumes como batata e cenoura e trocar a água de novo realmente ajuda a tirar o potássio?

Cozinhar os alimentos apenas uma vez e desprezar a água já faz com que a maior parte do potássio seja desprezada. No caso do feijão, o que acontece é que o potássio que está dentro do grão vai para o caldo. Por isso, orientamos os pacientes a evitar o caldo.



5. Por que os produtos industrializados não apresentam também a quantidade de potássio existente nos rótulos?

Porque infelizmente não existe essa obrigatoriedade. Não há essa exigência, mas seria muito importante que houvesse essa resolução, pelo menos para o potássio e fósforo.



6. Meu esposo faz hemodiálise e há alguns dias comeu batata doce e teve diarreia. A batata eleva algo no sangue?

Pode ter sido uma coincidência. Nos diabéticos, se comer a batata em grande quantidade pode aumentar a glicemia, que é a glicose do sangue.



7. Minha mãe faz hemodiálise há 12 anos, tem pressão alta e anemia. Quais os alimentos que ela deve comer e não pegar peso? 

Para evitar o ganho de peso excessivo, ela deve tentar ingerir o mínimo de sal possível. E se a pessoa for diabética, é importante estar com a glicemia controlada, porque a glicose elevada também dá muita sede.



8. Essa mesma nutrição servirá para pacientes transplantados? 

Não. Em quem faz hemodiálise, o rim não está funcionando, então o que é ingerido fica acumulado no sangue, pois o excesso só é retirado na hemodiálise. Já o paciente transplantado (com função renal normal) está eliminando o que sobra no organismo normalmente. A única orientação que continua é com relação ao sal, que deve continuar sendo controlado. O transplantado não precisa evitar alimentos que contenham potássio se o rim está funcionando bem.



9. Faço tratamento conservador para o rim e tenho muita anemia, por quê?

A anemia ocorre porque o rim produz um hormônio chamado eritropoetina, que estimula a medula óssea a produzir células vermelhas no sangue. Então, não é por falta de ferro que o paciente renal tem anemia, é pela falta desse hormônio, que ele vai receber através de medicamento. Por isso, não adianta comer alimentos que tenham ferro, nesse caso.



10. Além de minha mãe fazer diálise, também é diabética. Muda alguma coisa a dieta para crônicos renais? 

Ela vai ter que alinhar as orientações de quem faz diálise com as orientações do diabético. O nutricionista é a pessoa mais indicada para individualizar essas orientações.



11. O paciente renal pode tomar coca-cola, suco de laranja ou comer banana?

Depende da fase da insuficiência renal em que a pessoa se encontra e dos exames laboratoriais. Por exemplo, o paciente em tratamento conservador ou em diálise peritoneal que estejam com o potássio normal podem tomar suco de laranja, já o paciente em diálise deve evitar, porque tem muito potássio. A coca-cola é rica em fósforo, mas há pacientes que não têm fósforo alto, já outros sim. Com relação à banana, que é rica em potássio, orientamos nossos pacientes em hemodiálise a consumir apenas uma banana e mais nenhuma fruta num mesmo dia.



12. Pacientes com rins policísticos podem tomar uma xícara de café por dia?

Estudos recentes têm recomendado que pacientes com rins policísticos evitem a cafeína, pois ela estimularia o aumento dos cistos. Mas ainda são estudos preliminares e uma xícara é uma quantidade pequena. Tenha cuidado apenas com a quantidade.

obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico

abs;

Carla
http://www.prorim.org.br/2011/noticias/ver/i/249





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla