Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




sábado, 25 de março de 2017

Estudo confirma a preferência dos pacientes pela terapia injetável semanal no controle do diabetes tipo 2

Um estudo[i] conduzido na Inglaterra em adultos com diabetes tipo 2 que nunca utilizaram terapia injetável concluiu que, entre essas opções disponíveis para o controle da doença, há preferência pelo uso da terapia semanal.
 
O levantamento foi feito com 243 pacientes com idade média de 60,5 anos para avaliar a preferência em relação às duas opções injetáveis de agonistas do receptor GLP1: dulaglutida, de aplicação subcutânea semanal, e liraglutida, de aplicação subcutânea diária.
 
A pesquisa foi realizada no modelo de escolha discreta, que através de uma técnica quantitativa permite identificar as preferências individuais sem que os elementos estudados sejam revelados aos entrevistados. A técnica quantitativa se baseia em perguntas aleatórias feitas aos participantes sobre sua preferência hipotética referente a um específico atributo[ii]. No trabalho, foram considerados seis atributos: frequência de aplicação da dose, redução na hemoglobina glicada (HbA1C), alteração de peso, tipo do dispositivo de aplicação, frequência de náusea e frequência de hipoglicemia1.
 
De acordo com o estudo, quando a eficácia entre os medicamentos é similar, outras características – como frequência de aplicação da dose e tipo do dispositivo de aplicação – são mais relevantes para os pacientes. A redução da quantidade de injeções de 365 para apenas 52 ao ano mostrou ser o diferencial mais apreciado pelos entrevistados. O segundo atributo mais importante na escolha dos pacientes foi a caneta de aplicação, sendo a de dulaglutida também a preferida1.
 
 
Inovação que facilita a adesão
 
Por necessitar de um controle rigoroso, a baixa adesão ao tratamento ainda é um dos maiores desafios no controle do diabetes. Foi pensando justamente no bem-estar do paciente e no manejo eficaz da doença que a Lilly desenvolveu Trulicity (dulaglutida), a primeira terapia injetável semanal em caneta pronta para uso. O produto foi lançado no mercado brasileiro em agosto de 2016.
 
A dulaglutida oferece controle eficaz da hiperglicemia (nível elevado de açúcar no sangue) com apenas uma aplicação a cada 7 dias e com o mínimo de efeitos colaterais, resultados confirmados através dos estudos clínicos do programa AWARD. O produto é comercializado em uma caneta aplicadora inteligente, que vem pronta para uso. O dispositivo conta com uma agulha de pequeno calibre, que não fica visível, e permite confirmar a aplicação da dose.
 
O objetivo do tratamento para o diabetes tipo 2 é manter os níveis de glicose no sangue dentro dos limites adequados, reduzindo o risco de complicações a longo prazo. A maioria dos pacientes começa o tratamento com modificações no estilo de vida, como dieta, exercício e controle de peso. Caso essas medidas não sejam efetivas, passa-se ao uso de medicamentos orais ou terapias injetáveis.
 
O diabetes é uma doença crônica. Acomete cerca de 415 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a International Diabetes Federation (IDF. Somente no Brasil, são 14,3 milhões de diabéticos – a maioria com o tipo 2 –, número que coloca o país na quarta posição da lista das nações com maior prevalência da doença, atrás de China, Índia e Estados Unidos. A projeção é que, em 2040, haja 23,3 milhões de brasileiros vivendo com diabetes no país[iii].
 
 
Sobre a Eli Lilly and Company
 
A Lilly é uma organização global líder na área da saúde que une cuidado e descoberta para melhorar a vida para as pessoas ao redor do mundo. Foi fundada há mais de um século por um homem compromissado com a criação de medicamentos de alta qualidade que são essenciais e hoje permanece sendo guiada por essa missão em tudo o que faz. Ao redor do mundo, funcionários Lilly trabalham para inovar e entregar medicamentos que mudem a vida daqueles que precisam, melhorando o entendimento e o tratamento de doenças, e servindo a comunidades com voluntariado e filantropia. Para saber mais sobre a Lilly, acesse www.lilly.com.br.
 
 

[i] GELHORN, H.; POON, J. L.; DAVIES, E. W.; PACZKOWSKI, R.; CURTIS, S. E.; BOYE, K. S. Evaluating preferences for profiles of GLP-1 receptor agonists among injection-naïve type 2 diabetes patients in the UK. Journal of Patient Preference and Adherence, United Kingdom, 2015, n. 9, jun. 2015. < https://www.dovepress.com/evaluating-preferences-for-profiles-of-glp-1-receptor-agonists-among-i-peer-reviewed-article-PPA >. Data de acesso: 19 nov. 2016.
[ii]  Lindsay J Mangham, Kara Hanson and Barbara McPake. How to do (or not to do) … Designing a discrete choice experiment for application in a low-income country. Health Policy Plan (2009) 24 (2): 151-158. 
 [iii] INTERNATIONAL Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas 7th edition. Disponível em: <http://www.idf.org/diabetesatlas>. Acesso em: 12 ago. 2016
 
obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla