Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




terça-feira, 28 de março de 2017

Quando os pais tem diferentes estilos para cuidar do filho com Diabetes

 
 
Há bastante tempo atrás, abri o livro de registro de diabetes da minha filha Lauren e tive uma surpresa. Eu tinha acabado de voltar de minha primeira viagem de trabalho desde seu diagnóstico e, para meu horror, meu marido, que tinha sido o responsável por todas as coisas relativas ao diabetes dela enquanto eu estava fora, tinha feito tudo errado. Com o livro de registro na mão, eu cheguei na sala e acenei em seu rosto.
 
– “Isso?” Eu gritei. “É assim que você cuida de nossa criança com diabetes enquanto estou na estrada? Você fez tudo errado. O livro de registro não está nem mesmo codificado por cores! “
 
Hoje, eu penso que a minha opinião de “à minha maneira ou nenhuma” foi um pouco, digamos, exagerada. Mas então o que eu sentia era: sou o principal cuidador de Lauren. Estou fazendo tudo que posso para manter minha filha saudável. Estou trabalhando todos os momentos para equilibrar sua vida divertida como uma criança com diabetes deveria ter. Eu quebrei a promessa sobre o que ela precisa. E ninguém mais parece cumpri-la. Nem mesmo seu pai.
 
O que eu aprendi com o tempo é que não há “uma forma apenas” no diabetes. Assim como cada pessoa com diabetes é única, também é cada pessoa que cuida de alguém com diabetes.
 
Isso pode ser difícil de engolir se você for, como eu era, o principal cuidador. Afinal, você trabalhou duro para descobrir as nuances de seu amado com diabetes. E você tem orgulho do plano que você trabalhou tão duro para desenvolver. Eu sei que fiz. E por isso, quando o meu marido ficou com a tarefa dos cuidados, mas fez o seu caminho – eu fiquei louca.
 
 
Veja por que isso estava errado (e significa):
 
Primeiro, eu estava minando a confiança do meu cônjuge em cuidar da filha que ele amava tanto quanto eu. Uma vez que esse comportamento era exatamente o tipo de coisa que Lauren iria se orientar, eu estava, ao mesmo tempo, minando a sua confiança na capacidade do seu pai para mantê-la segura e feliz. Meu marido tinha tentado o seu melhor em uma situação difícil. (Olhando para trás, eu aposto que ele teve mais do que alguns momentos nervosos pela primeira vez em que ficou encarregado pelos cuidados de seu diabetes.) E lá estava eu, derrubando-o sobre detalhes. E sabe de uma coisa? Eu aposto que Lauren gostava de não ter-me ao redor e fazê-lo de forma diferente por alguns dias. Eu deveria ter considerado isso.
 
Em seguida, ter diabetes significa aprender a ser flexível. Esqueceu-se do medidor, mas está sentindo que a glicemia está baixa? Então trate! Não sabe fazer a contagem de carboidratos de uma refeição que um amigo está servindo? Faça uma estimativa então. Se você estiver errado, você pode corrigi-la mais tarde. Preso em uma selva sem Lantus? Tome a seiva de uma árvore e misture com as raízes para fazer algumas. Ok, essa parte não é real, mas você entendeu o meu ponto. Por conta do esforço (e ajustes) meu marido tinha feito, eu não estava ensinando a minha filha sobre flexibilidade. Eu deveria ter ficado emocionado que Lauren foi capaz de se ajustar ao estilo do seu pai sem qualquer queixa.
 
Com o tempo eu viria a perceber que algum dia Lauren iria começar o processo de escolher a sua maneira de tratar a sua diabetes. Eu precisaria aceitar isso. E o mais importante, ela precisaria saber que eu aceitei.
 
Mas há muito tempo, antes de entender essas coisas, peguei o telefone cheio de fúria e medo, e liguei para o endocrinologista pediátrico de Lauren. Eu expliquei que enquanto eu estava em uma viagem, meu marido não tinha utilizado o código de cores do diário de bordo, e tinha mudado a maneira como ele tratou de medir o nível de açúcar no sangue, e há outras pequenas coisas, também.
 
O médico ouviu, respirou fundo e depois respondeu. Esperei que ele me dissesse para colocar meu marido no telefone, gostaria de realmente gritar com ele. Em vez disso, ele disse:
 
“Moira, deixe-me te perguntar isso: Lauren estava viva quando você chegou em casa?”
“Sim,” eu disse, já sentindo o calor da vergonha acendendo minhas bochechas.
 
“Aqui está a coisa”, continuou o médico. “Seu caminho pode ser o certo para você, mas o caminho do seu marido é certo para ele. E enquanto nós, sua equipe médica, concordarmos, então você está certa. Da próxima vez que você chegar em casa de uma viagem, em vez de verificar o diário de bordo, apenas fique feliz pelo apoio que você tem e confie que o amor do seu marido de seu filho é igual ao seu, assim como sua capacidade de cuidar bem dela. E relaxe”.
 
E assim eu fiz. Viajei muitas vezes ao longo dos anos, e quando cheguei em casa, Lauren estava sempre viva.
 
 
Moira McCarthy  –  estava prosseguindo sua carreira de sonho no jornalismo esportivo quando sua jovem filha foi diagnosticada com Diabetes Tipo 1 em 1997. Enquanto ela continuou nessa rota, escrevendo para o New York Times Sports e Leisure Division, Snow Country Magazine, Ski Magazine e tornando-se colunista de esportes do jornal diário Boston Herald, ela também começou a dedicar a maior parte de sua vida à defesa e educação do diabetes.
 
 
obs.conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla