sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Linfoma não-Hodgkin : PERGUNTAS FREQUENTES

É impossível dar respostas definitivas a perguntas frequentemente colocadas por pessoas com linfoma não-Hodgkin sobre os efeitos que esta doença e o seu tratamento podem ter no seu estilo de vida. Isto deve-se ao facto de a experiência com esta doença variar de doente para doente. As perguntas frequentemente colocadas sobre a vida com o linfoma não-Hodgkin são as seguintes:
  • O efeito que a doença ou o tratamento têm no trabalho
  • Se existem benefícios disponíveis para os doentes
  • O efeito que a doença ou o tratamento terá na condução de veículos
  • O efeito que a doença ou o tratamento terá nas férias
É também frequente o doentes querer saber se o tratamento que está a efectuar poderá afectar a sua fertilidade ou vida sexual. Em qualquer caso, é importante que o doents coloque as perguntas necessárias à equipa médica, sobretudo ao enfermeiro ou médico de família.



O doente com linfoma não-Hodgkin indolente, se apresentar poucos sintomas durante períodos relativamente longos, poderá continuar a trabalhar depois de a doença ser diagnosticada. Quando estamos perante um doente com linfoma não-Hodgkin agressivo, que provoca sintomas desde o início e requer tratamento imediato, pode ser necessário deixar de trabalhar durante algum tempo.
No entanto, muitos doentes, sobretudo os mais jovens, conseguem continuar a trabalhar normalmente durante o tratamento, entre os ciclos de tratamento. Outros necessitam de fazer uma pausa devido ao tratamento ou aos seus efeitos secundários. Porém, é possível e por vezes útil continuar a trabalhar por dar um sentido de normalidade à vida e incentivar as pessoas a adoptarem uma atitude positiva relativamente à sua doença.




Trata-se de um assunto complicado e em constante mudança, sendo recomendável procurar aconselhamento adequado. Embora o enfermeiro , o médico especialista ou o médico de família possam não conseguir prestar ajuda directamente, poderão indicar onde se podem obter informações.







Embora a doença não afecte directamente a capacidade de condução do doente, alguns medicamentos utilizados na quimioterapia ou outras medicações que fazem parte do tratamento do linfoma não-Hodgkin podem tornar pouco segura a condução de veículos. Estes efeitos não são permanentes. O médico é a pessoa mais indicada para informar os doentes se devem evitar conduzir e, se sim, durante quanto tempo.









Muitas pessoas com linfoma não-Hodgkin fazem férias como habitualmente.  Outras preferem esperar até o tratamento terminar. Em certas alturas do tratamento é preferível ficar em casa. Por exemplo, alguns tratamentos suprimem o sistema imunitário durante algum tempo o que aumenta a probabilidade de contrair uma infecção. Assim, recomenda-se que o plano de férias seja debatido com o médico.
As vacinas são outra questão a considerar. Algumas vacinas não podem ser administradas a pessoas com linfoma não-Hodgkin. Esta questão deve ser debatida com o médico antes de se programarem férias para o destino que requer determinado tipo de vacinas.
Embora seja aconselhável que o doente não façam férias 'radicais', viajar para um destino apreciado ou para um local onde sempre desejou ir pode ser muito benéfico.









Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso.


As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico ou farmacêutico.

abs,
Carla
extraído:http://www.roche.pt/sites-tematicos/linfomas/index.cfm/viver_com/alteracoes-estilo-vida/viver-lnh-perguntas/lnh-ferias/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla