Será Natal???

Ei, você, aonde vai com tanta pressa?
Eu sei que você tem pouco tempo...
Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua
atenção?
Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você. Há uma correria generalizada...
Entendo que você tenha pouco tempo.
Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...
Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...
Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...
É bonito ver luzes, cores, fartura...
Mas seria tão belo ver sorrisos francos...
Apertos de mãos demorados...
Abraços de ternura...
Mais gratidão...
Mais carinho...
Mais compaixão...
Que familiares e pessoas que  se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação se reconciliem.
Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?
Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!
E os sóbrios comentam: É louco!
E a cidade se prepara... Será Natal.
Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer:
O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.
O Natal é a expressão da caridade...
Natal é fraternidade...
Mas o Natal também é união...
Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...
Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...
E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...
Gratidão!!!
abs.fraternos
Carla




sexta-feira, 1 de abril de 2016

REDUZA O “DIABETES BURNOUT” PARA MANTER A AUTO-GESTÃO SAUDÁVEL

A relação médico-paciente é o fundamento de que uma boa gestão é construídoA relação médico-paciente é o fundamento o qual uma boa gestão da diebetes é construída
Pacientes com diabetes podem tornar-se oprimidos e exaustos após anos de administração de sua doença. Médicos muitas vezes interpretam mal esse esgotamento acreditando tratar-se de uma resistência deliberada por parte do paciente para a auto-gestão. Se o esgotamento não for abordado durante a consulta, o controle do diabetes do paciente pode piorar, levando à diminuição da auto-estima, sintomas de depressão e outros problemas emocionais e físicos.
Muitas vezes, as pessoas que sofrem deste desgaste provocado pelo diabetes (conhecido como burnout) tiveram relativamente boa gestão da doença antes de seu episódio atual. Os pacientes podem passar por vários períodos deburnout durante a sua vida. A chave é ajudar estes pacientes a irem além deste esgotamento, ajudando-os a reduzir a probabilidade de reincidência.

COMPREENDA OS SINTOMAS

Todo mundo fica frustrado devido aos diferentes aspectos da gestão de diabetes, ocorrendo de tempos em tempos.  Mas os sintomas de burnout – incluindo sentimentos gerais de exaustão, culpa, ressentimento, vergonha e isolamento – perdura por longos períodos. Os sintomas causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo nas relações sociais, no auto-cuidado ou gestão da diabetes. Estes podem parecer como depressão, devido à motivação aparentemente irrelevante, tristeza e raiva, mas este esgotamento causado pela diabetes não é depressão clínica.
Alguns comportamentos de burnout comuns são relutar em controlar os níveis de glicose no sangue, não agir no caso de baixos ou altos níveis e não comer ou tomar insulina às refeições. Os pacientes podem ter parado de se preocupar com a gestão da sua doença. Comportamentos também pode incluir o isolamento de amigos e evitar consultas médicas e outros suportes para a gestão da diabetes.
Em face das tarefas de gerenciamento, os pacientes podem experimentar uma sensação geral de paralisia ou ansiedade, raiva, tristeza ou desespero. Eles podem começar negligenciar outras tarefas, como relativas à higiene e outras atividades da vida diária.

ENCONTRAR A CAUSA DO ESGOTAMENTO

A gestão da diabetes é complexa e envolve fatores que estão fora do controle do paciente. Poucos pacientes entendem os fatores que não podem ser controlados, tais como mudanças bioquímicas, alterações metabólicas do dia-a-dia ou liberação de outros hormônios para equilibrar os níveis de glicose. A incapacidade de controlar a diabetes pode levar à frustração e auto-culpa, ao passo que vários exames de sangue diários, medicação ou insulina de ajuste, monitoramento constante e resposta imediata para níveis altos e baixos de glicose no sangue podem levar à exaustão emocional.
Com o aumento desta desmotivação, o controle do diabetes torna-se cognitivamente e emocionalmente mais difícil. É aí que um maior apoio emocional é necessário para ajudar o paciente a recuperar o controle.

A PREVENÇÃO É POSSÍVEL

Uma boa gestão de diabetes vai além do físico e inclui cuidar da saúde emocional dos pacientes. A falta de saúde emocional, motivação e foco, acabam causando comportamentos de auto-cuidado pobres e, eventualmente, levando ao esgotamento. A saúde emocional pode incluir tudo, desde a maneira que os pacientes se vêem como indivíduos, assim como a forma como eles vêem a sua diabetes.
Os médicos devem encorajar seus clientes a procurar outro tipo de apoio, incluindo um educador em diabetes, psicoterapeuta e grupos de apoio, se disponível. Ver um educador de diabetes uma vez por mês para a educação continuada e prestação de contas é importante para aprender a fazer uma gestão eficaz. Sessões semanais de psicoterapia podem ensinar aos pacientes, as habilidades necessárias para a mudança e gestão da diabetes, bem como sobre problemas emocionais relacionados ao diabetes ou não. Os grupos de apoio podem ajudar a reduzir os sentimentos de isolamento e solidão.

RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE

A relação médico-paciente é o fundamento o qual uma boa gestão deve ser construída. O médico pode ter apenas alguns minutos com um paciente, mas não se deve subestimar o efeito que este tempo pode ter sobre ele.
Esta relação pode abrir a porta para a ajuda ou fechá-la. Muitas vezes, os pacientes evitam pedir ajuda por medo de serem punidos ou repreendidos pelo fato de não ter feito o que médico pediu ou por ter um alto HbA1c.
Fora a frustração ou falta de compreensão, alguns médicos podem parecer aos seus pacientes como punitivos. Outros podem não perceber como uma declaração aparentemente útil pode afetar negativamente um paciente. “Isso não é bom. Seu HbA1c é de 13%, e você precisa reduzir isto para um 7, se você quiser evitar complicações futuras”.
O paciente pode interpretar a declaração como uma condenação e acabar por sentir vergonha, culpa e medo.
O médico deve ter uma abordagem mais neutra ou de apoio: “Eu vejo que o seu HbA1c é 13. Isso é uma melhoria em relação a sua última leitura. Como posso ajudá-lo a continuar a melhorar?” O paciente pode ainda ter medo, mas estará mais dispostos a se abrir sobre onde ele está tendo problemas, então o médico poderá fazer os encaminhamentos adequados.

RESOLVENDO O BURNOUT

A melhor solução é evitar o burnout completamente. Se o paciente já está nas garras deste esgotamento, o encaminhamento a um psicoterapeuta e educador de diabetes certificado pode ajudar.
A maioria das pessoas que vive com diabetes vai passar por um período de diabetes burnout em algum ponto. Quando isso acontece, o encaminhamento a um psicoterapeuta especializado em terapia comportamental cognitiva, terapia centrada no cliente ou entrevista motivacional é o ideal, uma vez que estas abordagens tendem a trabalhar bem com as pessoas que vivem com diabetes.
Referências:
  • LeBow EL. Como entender, identificar e resolver diabetes burnout. Disponível Acessado em 19 de janeiro de 2016.
  • Polonsky WH Diabetes Burnout: O que fazer quando você não aguenta mais . Alexandria, Virginia: American Diabetes Association; De 1999.
Para maiores informações:
  • Eliot LeBow, LCSW, CDE, é um psicoterapeuta com foco no diabetes, apresentador, autor e fundador da DiabeticTalks e Psicoterapia Centrada-Diabetes. Sua prática privada está em Nova York e também está disponível via Skype. LeBow, que vive com diabetes tipo 1 desde 1977, trata das muitas necessidades cognitivas, comportamentais e emocionais diversas de pessoas que vivem com diabetes. Ele pode ser alcançado em: eliot.lebow@gmail.com .
obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla