sábado, 16 de abril de 2016

‘Somos todos prisioneiros do açúcar’, diz Sarah Wilson, autora de best-seller

Jornalista australiana fala sobre a cruzada para eliminar da sua vida o produto que ela define como viciante







por 










Sarah Wilson: experiência de retirar todo tipo de açúcar da alimentação deixou australiana mais magra, saudável e feliz - Divulgação / Divulgação










RIO - Um em cada cinco brasileiros consome doces cinco vezes ou mais na semana, e 7,4% da população adulta já tem diabetes, segundo dados divulgados esta semana pelo Ministério da Saúde. O Rio é a capital com o maior índice da doença: 8,8%. Os números são assustadores, mas a verdade é que o açúcar faz parte das nossas vidas desde cedo: afinal, muitos bebês começam com a papinha doce, para depois passarem à salgada, certo?



Há cinco anos a jornalista australiana Sarah Wilson se descobriu viciada em açúcar. Não o refinado, ou o encontrado em doces e sorvetes, mas os saudáveis, como mel, chocolate amargo, frutas. Com alterações na tireoide, e transtornos de humor e de sono, ela decidiu tirar o açúcar da sua vida. E conseguiu. Sarah descreve esta transformação no livro “Chega de açúcar” (Sextante), recém-lançado no Brasil. Nesta entrevista, ela revisita o processo e, claro, faz muitas críticas à quantidade de açúcar presente no cotidiano das pessoas.


Você acha que seu livro será bem aceito no Brasil, onde 7,4% da população adulta tem diabetes?

Acho que sim. Estou observando um maior interesse nesse importante tópico de saúde em países onde a dieta tradicional manteve a população saudável por muito tempo, mas, hoje, outras influências estão tendo um trágico impacto. O Brasil é um pouco como a Austrália, ao ar livre e energético. E os consumidores australianos estão particularmente engajados na discussão sobre o açúcar, porque nos importamos com essa parte da nossa cultura. Acho que no Brasil será um pouco parecido.



Qualquer um é capaz de abandonar o açúcar? O quão difícil essa mudança foi para você?

A “alteração metabólica”, ou seja, a mudança que ocorre quando o corpo passa a queimar gordura e proteína em vez de “tiros de açúcar” levou quatro semanas para mim, mas pode demorar mais. Eu pesquisei sobre isso antes de começar a experiência e formulei a melhor maneira de fazer para não ter abstinência, conseguir perder peso e decidir, por bem, ficar longe do açúcar. O vício emocional foi o mais difícil de cortar. Eu costumava me recompensar e me consolar com alimentos açucarados, mas superei esse obstáculo substituindo doces por lanches salgados.


Como é possível perceber o vício?

À parte questões muito sérias de saúde como colesterol, triglicerídeos, síndrome metabólica, doenças do coração e diabetes, o problema do açúcar é ser uma substância viciante (alguns estudos mostram que é mais viciante que a cocaína). Somos todos prisioneiros do açúcar, em parte porque nos falta hormônio para dizer quando estamos comendo demais, então comemos sem parar — em contrapartida temos hormônios que nos avisam quando comemos o suficiente de gordura e proteína. Se não fôssemos tão viciados, não estaríamos nos matando por causa disso e já teríamos feito algo a respeito.



Então não há açúcar bom?

Alguns adoçantes são ok. Mas os únicos seguros são aqueles que não contêm frutose (o agave, por exemplo, vendido como “sem açúcar”, tem de 70% a 90% de frutose). Os álcoois de açúcar (tipos de adoçantes de baixa caloria, provenientes de produtos vegetais e encontrados em sorvetes, biscoitos, pudins, doces e chicletes) também podem ser bem perigosos. Mas o xilitol é bom. Xarope de malte de arroz é o meu preferido, e stevia, que é feito de uma planta parecida com a hortelã.



Um estudo da universidade brasileira Unicamp sobre a sucralose mostrou que, em bebidas ou sobremesas quentes, o adoçante (até agora considerado seguro) fica instável e libera substâncias tóxicas que podem causar câncer. Você sabia disso?

A maioria dos adoçantes artificiais é extremamente problemática e cada vez mais estudos mostram seus desastrosos efeitos no metabolismo. Eu não li esse estudo, mas não estou surpresa.



No livro você indica uma dieta sem açúcar, inclusive o proveniente das frutas, até para crianças. Mas não é um pouco perigoso passar a fase de crescimento sem esses nutrientes?

Uma vez que se tenha feito o programa de desintoxicação de oito semanas, você deve reintroduzir frutas inteiras (nunca suco de frutas). Uma ou duas frutas com baixa frutose por dia é ótimo se você não estiver consumindo outra fonte de açúcar.
Quais seriam as frutas com baixa frutose?
As minhas preferidas são kiwi, frutas vermelhas, coco e toranja. Mas isso não significa que eu evito as outras. Banana congelada fica ótima em smoothies, mas só uso uma ou meia banana por porção, por exemplo.

Que diferenças você percebeu no seu humor e na sua concentração depois de deixar de comer açúcar?

Antes, eu vivia em uma montanha-russa diária de energia, precisava comer e me abastecer de açúcar em intervalos curtos e regulares. Quando eu parei de comer açúcar e o substituí por gorduras saudáveis, proteínas e vegetais, comecei a experimentar uma energia mais uniforme durante o dia — e isso se traduz no meu humor também. Hoje não percebo, mas lembro de uma época em que eu costumava ter sono toda tarde, por volta das 15h.


Hoje, depois de tudo isso, o que é saudável, na sua opinião?

Comida de verdade. Basicamente nada que venha em um pacote ou lata.


E você nunca caiu em tentação depois de abandonar o açúcar? Eu particularmente acho que, se isso não aconteceu, é porque não há doce de leite ou brigadeiro na Austrália...

Estou sem açúcar há mais de cinco anos e, quando eu como — sim, eu tenho esses momentos, especialmente quando estou exausta —, anoto como estou me sentindo e logo volto aos trilhos com a dieta sem açúcar. Geralmente comendo costela de porco! O programa de oito semanas que sugiro no livro não tem a ver com perfeição. Ou rigidez. É um experimento suave, e lapsos são completamente normais, é importante a pessoa não ser tão dura com consigo mesma. Estive no Brasil ano passado e provei brigadeiro — eles são deliciosos, e eu entendo a tentação!



obs.conteúdo meramente informativo procure seu médico

abs
Carla
© 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla