sexta-feira, 13 de maio de 2016

FENÔMENO DA MADRUGADA AFETA A METADE DOS DIABÉTICOS DO TIPO 2

clock_fullO chamado “fenômeno do amanhecer” tem um impacto significativo sobre muitas das pessoas com diabetes tipo 2 e já está presente em muitos pacientes tratados apenas com dieta por si só, mostra nova pesquisa. Além disso, este efeito não é anulado pelos hipoglicemiantes orais, revela o estudo de Louis Monnier, MD, da Universidade de Montpellier, na França.
O fenômeno da madrugada refere-se a um aumento espontâneo do nível de glicose no sangue que ocorre ao final da noite, entre os pacientes com o tipo 1 e diabetes do tipo 2, coisa que não acontece com as pessoas sem diabetes, porque a insulina produzida endogenamente impede isso.
Os resultados indicam que, em pacientes diabéticos tipo 2 selecionados, especialmente aqueles com HbA 1c  próximo de 7% que estão demonstrando evidências do fenômeno do amanhecer, o uso de insulina deve ser considerado para ser tomado mais cedo do que é tradicionalmente feito, porque a insulina pode eliminar esse efeito, disse Geremia Bolli B , MD, da Universidade de Perugia, Itália.
“Nós definimos a freqüência do fenômeno madrugada em diabetes tipo 2, que no presente trabalho ocorre em cerca de 50% dos pacientes, e esta definição é mais precisa do que as anteriores, devido termos utilizado sistemas de monitoramento contínuo de glicose [CGM], “Dr. Monnier disse ao Medscape Medical News .
Além disso, ele e os seus colegas quantificaram o efeito deste fenómeno, que mostra ûm impacto significativo sobre a HbA 1c  promovendo um aumento de cerca de 0,4% em seu nível. “Isso pode parecer pequeno,” disse o Dr. Monnier “, mas quando comparado com o tratamento com, por exemplo, [dipeptidil peptidase-4] inibidores da DPP-4 [gliptinas], que resulta em uma redução média da HbA 1c de apenas cerca de 0,7 % para 0,8% podemos avaliar como sendo significativo”. “Uma queda de 1,0% na HbA 1c pode reduzir as complicações macrovasculares em 40% e microvascular os 37%, só para se ter uma ideia do valor”.
Dr. Monnier concorda com Dr. Bolli que as novas descobertas indicam que o uso de insulina deve ser considerado para ser tomado mais cedo para pacientes diabéticos tipo 2 que mostram evidências do fenômeno do amanhecer.  Nós somos incapazes de controlar o fenômeno do amanhecer com nosso arsenal atual de hipoglicemiantes orais, mesmo com a metformina que, provavelmente,  tem o maior potência de redução [lo]. Minha posição é que a insulina deve ser considerada para o tratamento da diabetes de tipo 2, sempre que a HbA 1c tornar-se maior do que 7%, ou então quando os pacientes já estão sendo tratados com a dose máxima tolerada dos agentes orais”, disse à Medscape Medical News .
O estudo do Dr. Monnier e de seus colegas foi publicado online em 29 de outubro no Diabetes Care.

ANTIDIABÉTICOS ORAIS NÃO AFETAM FENÔMENO DO AMANHECER

O aumento progressivo e espontâneo dos valores da glicose no sangue que representa o fenômeno da madrugada na diabetes tipo 2 em torno das 3 às 4 horas da manhã, é uma consequência da produção de glicose pelo fígado no fim da noite, explicou o Dr. Monnier. Isto não ocorre em indivíduos não diabéticos, uma vez que os seus corpos ajustam automaticamente a produção endógena de insulina para compensar esta produção de glicose hepática.
Em seu estudo, ele e seus colegas examinaram 248 pacientes não tratados com insulina e com diabetes tipo 2 que foram submetidos ao CGM (Monitor Contínuo de Glicose) por 2 dias consecutivos e foram divididos em três grupos com base no tratamento: um grupo com uma dieta isolada (n = 53), outro com sensibilizadores de insulina (metformina sozinho e / ou tiazolidinedionas, n = 82), e outro que faziam uso da secreção de insulina (sulfonilureias, glinidas, ou inibidores de DPP-4), isoladamente ou em combinação com um sensibilizador de insulina, n = 113).
Em geral, a magnitude do aumento médio de glicose durante a madrugada foi de 16 mg / dL, e este não era significativamente diferente para as categorias de grupos de tratamento quando foram comparados.
Os participantes foram divididos de acordo com o fato de exibir ou não o fenômeno do amanhecer – definido como um aumento maior que 20-mg/dL da glicose no sangue com base em pesquisas anteriores – que aproximadamente metade deles fez.
Ambos os níveis HbA 1c e os valores médios de glicose nas 24 horas foram significativamente maiores ( P = 0,007 e P = 0,0009, respectivamente) naqueles que apresentaram o fenômeno do amanhecer em comparação com aqueles que não apresentaram tal fenômeno. As diferenças entre as médias foram de 4,3 mmol / mol de HbA 1c (0,39%) e 12,4 mg / dL para as concentrações médias de glicose.
O impacto médio da glicose de 24 horas não foi significativamente diferente para as pessoas tratadas com dieta isoladamente, em comparação com os dois subconjuntos tratados com hipoglicemiantes orais.
Assim, “parece que o fenômeno da madrugada já está presente naqueles que estão livres de qualquer tratamento farmacológico com antidiabéticos”, dizem os autores.
E “o fenômeno do amanhecer tem um impacto remanescente em indivíduos tratados com o nosso atual arsenal antidiabético oral”, eles observou.

TRATE O FENÔMENO DA MADRUGADA, COM INSULINA BASAL

Dr. Bolli disse que esta nova pesquisa confirma que o fenômeno do amanhecer é uma ocorrência comum entre os pacientes diabéticos tipo 2, independente da terapia oral e em um cenário do mundo real.
O trabalho também reafirma o que deveria ser um objetivo primário da terapia de diabetes tipo 2, diz ele, isto é, o tratamento do fenômeno da madrugada – a normalização do açúcar no sangue por volta do café da manhã.
E é importante que este problema seja abordado no início do curso da doença antes que aumentos significativos da HbA 1c possa ocorrer, ressalta, porque de outra forma, um círculo vicioso se estabelece pelo qual a hiperglicemia gera hiperglicemia.
E importante, medicamentos orais não controlam adequadamente o fenômeno do amanhecer, mesmo quando administrado em combinação, observou.
“Acho que se um HbA1c é maior do que 7,0% e o nível de glicose sanguínea pós-prandial está bom, se tem que trabalhar na glicemia de jejum, a melhor abordagem seria através do uso da insulina basal da noite”, disse à Medscape Medical News .
Dr. Monnier e colegas não relataram quaisquer relações financeiras relevantes. Dr. Bolli recebeu honorários da Sanofi, MannKind, e Eli Lilly para aconselhamento científico e consultoria.
 obs. conteúdomeramente informativo procure seu médico
abs
Carla
Diabetes Care . Publicou on-line em 29 de outubro de 2013. Abstract

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla