segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

O QUE FAZER NOS CASOS DE HIPOGLICEMIA FREQÜENTE

Conviver com o medo da hipoglicemia pode não ser uma coisa fácil. Obtenha medidas práticas para minimizar esses episódios e seu impacto sobre sua vida.Conviver com o medo da hipoglicemia pode não ser uma coisa fácil. Obtenha medidas práticas para minimizar esses episódios e seu impacto sobre sua vida.

O episódio de hipoglicemia que Tom Brobson lembra mais vivamente aconteceu quando ele estava hospedado em um hotel. Seu nível de açúcar no sangue estava em um aceitável 98, quando ele foi dormir, mas após três horas ele estava acordado e sentindo-se desorientado e desconectado do mundo ao seu redor. Em vez de simplesmente pegar sua maçã ou amendoim M & Ms que ele sempre mantém em um criado-mudo para essas situações, ele tentou sair da cama – e caiu no chão. A hipoglicemia lhe abateu deixando-o caído sem forças.
Brobson, agora com 53 anos, lembra-se de ter tido um sonho em que estava comendo a mais incrivelmente deliciosa maçã que já tinha provado, enquanto deitado estático no chão. Por volta das 3 horas e 45 minutos – quando olhou para o relógio – ele foi capaz de voltar para a cama, comer sua comida de emergência e voltar a dormir. Para Brobson, diretor nacional de oportunidades de pesquisa para a organização JDRF, a experiência acabou sendo uma chamada para ele despertar, sem trocadilhos.
“Eu estava sozinho em um quarto de hotel, por trás de uma porta fechada”, lembrou, destacando a ansiedade e o medo daquele momento. “Eu ainda não sei o que eu poderia ter feito para que acontecesse uma redução das taxas de glicose como a daquele tipo”. Ele então tomou a decisão de obter um monitor contínuo de glicose (CGM), que estava prestes a entrar no mercado.
tom brobson diabetes tipo 1 hipoglicemia
Tom Brobson
Cerca de um ano depois que ele conseguiu seu CGM, Brobson estava em outra viagem, quando um cenário semelhante às 3 horas da manhã poderia ocorrer de novo. Desta vez, ele foi despertado pelo alarme do monitor, o que lhe deu o alerta que ele precisava para que pudesse comer o seu lanche e fazer com que o seu nível de açúcar no sangue saísse de uma espiral descendente que se encontrava para se recuperar.
Mesmo com a CGM, Brobson, que desenvolveu diabetes tipo 1 aos 44 anos, disse que ainda sofre com episódios de hipoglicemia. Isto é, em parte, porque ele tenta manter o nível de açúcar no sangue na extremidade mínima da faixa aceitável. Ele faz dieta e exercícios, se utiliza da CGM, e insulina para regular o açúcar no sangue, e ainda adota algumas medidas práticas como sempre carregar um lanche e deixar as pessoas ao redor saberem que ele tem diabetes tipo 1. Esforços cuidadosos de Brobson valeram a pena – a sua A1C (uma medida de açúcar no sangue média ao longo dos últimos três meses) é muito bem controlada e abaixo da meta de 7 por cento.
Ainda assim, houveram momentos em que ele foi pego desprevenido. Brobson, que também é proprietário de uma fazenda de árvores de Natal na Virginia, lembra de uma visita à fazenda com um amigo que também tinha diabetes tipo 1, e que estava à procura de uma árvore de Natal perfeita – pesada, altiva, ressaltou. Seu amigo começou a mostrar sinais de baixa do nível de glicose no sangue enquanto eles estavam andando entre as árvores. Brobson deu-lhe o seu próprio lanche de emergência, e quase acabou na iminência de uma hipoglicemia, mais tarde, à medida que se aproximava de sua casa. Porém foi capaz de entrar para fazer um lanche e se recuperar a tempo, mas ele disse que o incidente lembrou-o mais uma vez de quão rapidamente o açúcar no sangue pode cair.

O NÚMERO DIÁRIO DA HIPOGLICEMIA

O estresse causado pela possibilidade de um evento de baixa de açúcar no sangue é generalizado, e isso pode afetar os entes queridos, bem como aqueles com diabetes tipo 1. Por exemplo, os pais de crianças com diabetes tipo 1 geralmente experimentam uma angústia e até depressão devido à preocupação com baixo nível de açúcar no sangue em seus filhos, de acordo com um estudo publicado no Journal of Clinical Psychology.
Uma pesquisa com adultos rendeu resultados semelhantes. Quando os membros da comunidade online de diabetes TuDiabetes.org foram questionados sobre hipoglicemia, 46 por cento dos entrevistados disseram que experienciaram diariamente preocupação debilitante sobre “queda de seus índices”, de acordo com os resultados publicados na revista JAMA Internal Medicine. Perto da metade das 613 pessoas que participaram da pesquisa relataram ter quatro ou mais episódios de hipoglicemia durante as duas semanas anteriores, e quase 30 por cento disseram ter tido uma baixa grave no ano passado. As conseqüências podem ser graves, sendo que 15 por cento dos entrevistados disseram que a hipoglicemia resultou em um acidente de carro ou lesão. Os participantes também relataram que eles estavam se exercitando, dirigindo, saindo de casa, e tendo relações sexuais com menor frequência devido ao medo de hipoglicemia.
Em sua atividade profissional na fundação, disse Brobson, ele encontra pessoas jovens e idosas que se preocupam com a hipoglicemia a cada dia. Uma causa comum que ele vê para isso é o tratamento em excesso, tanto no momento e, em geral. Brobson sabe que manter o nível de açúcar no sangue dentro de uma faixa saudável pode ser muito desafiador – ele compara a dirigir um carro com os olhos vendados, com poucos auxílios em um tráfego imprevisível, e ainda sem nenhum conhecimento de que tipo de carro você está dirigindo. Ele entende que para as pessoas que temem a hipoglicemia, manter o nível mais alto de açúcar no sangue e A1Cs superiores, poderia ser preferível a passar pelo estresse destes riscos assustadores de hipoglicemia. O problema, porém, é que o nível de açúcar elevado no sangue aumenta o risco de complicações ao longo do tempo. “Você está negociando uma situação de curto prazo por uma situação ainda pior à longo prazo”, disse ele.

MINIMIZANDO O MEDO DE TER UMA HIPOGLICEMIA

Para diminuir o risco de hipoglicemia e diminuir o medo e a ansiedade sobre estes episódios:
  • Considere o uso de um CGM. Um monitor contínuo de glicose envia um alarme quando o açúcar no sangue atinge um baixo nível ou valor específico de uma determinada taxa. “O CGM é, na minha opinião, uma das mais importantes tecnologias desenvolvidas nos últimos 15 anos”, disse Brobson. Usando um CGM com um alarme a eventos de baixa de açúcar no sangue, ocorreu uma redução em 44 por cento nos episódios de hipoglicemia entre as pessoas com diabetes tipo 1, relataram pesquisadores australianos no Jornal de Diabetes Ciência e Tecnologia. Embora CGM’s não estejam cobertos por todos os programas de seguro, você pode achar que a sua paz de espírito vale o custo extra.
  • Fique ainda mais atento sobre o nível de açúcar no sangue. Aprenda tudo que puder sobre como prevenir e tratar eventos de hipoglicemia. Mesmo sem o CGM, você pode obter uma série de informações sobre a resposta de açúcar no sangue do seu corpo com uma monitoração mais freqüente. “Você não pode evitar que a hipoglicemia nunca aconteça, mas se você sabe como ela costuma ocorrer, você pode vir a ter muito menos episódios”, observou o educador certificado de diabetes Sacha Uelmen, RD, diretor do programa de educação em diabetes do ambulatório  do Sistema Único de Saúde da Universidade de Michigan, em Ann Arbor.
  • Saiba como os exercícios afetam a variação da taxa de açúcar no sangue. Exercício pode ajudá-lo a manter os níveis de açúcar no sangue sob controle, mas também podem desencadear um episódio de hipoglicemia se você não se preparar adequadamente. Teste os níveis de glicose antes de se exercitar para garantir que o açúcar no sangue está alto o suficiente (100 é uma boa recomendação) e mantenha um lanche na mão no caso do seu açúcar no sangue cair demais repentinamente.
  • Conheça os sinais de hipoglicemia. “Há diferentes respostas fisiológicas”, disse Brobson.”As pessoas relatam que as palmas de suas mãos ficam suadas, ou ficam com suor no lábio superior, dormência ou formigamento, visão que pode ficar um pouco vacilante – e esses são apenas os sintomas mais leves”, disse ele. “Outra é você se sentir uma fome voraz”. Os sintomas também podem incluir tremores, tontura, dor de cabeça, dificuldade em prestar atenção ou pensar claramente, falta de jeito repentino, e mudanças bruscas de humor.
  • Se você não experimentar sinais perceptíveis quando o açúcar no sangue cai, converse com seu médico sobre precauções extras que você pode tomar, pois para você, a CGM pode ser inestimável.
  • Traga sempre consigo açúcar ou lanches. Ao surgir sintomas de hipoglicemia, coma pelo menos 15 a 20 gramas de carboidratos que isto irá elevar o açúcar no sangue rapidamente. Comprimidos de glicose, que normalmente contêm de 4 a 5 gramas de carboidratos por comprimido, são outra fonte confiável, conveniente e rápida para aumentar o nível de açúcar no sangue. Passas, doces duros, salgadinhos, bolachas e suco de frutas também são boas fontes de carboidratos de ação rápida. Brobson sempre tem pequenos pacotes de amendoim M & Ms, fáceis de carregar, mas os especialistas não recomendam para consumo nesta ocasião, chocolate, biscoitos e outros alimentos que contêm gordura, porque eles não elevam os níveis de açúcar no sangue mais rápido do que carboidratos sozinho.
  • Deixe que os outros saibam como ajudá-lo. Converse com as pessoas mais próximas a você – família, amigos, colegas de trabalho e vizinhos. Deixe-os saber que você tem diabetes tipo 1 e está em risco de hipoglicemia, e explique como eles podem ajudá-lo se você tiver um evento de baixa de açúcar no sangue. Certifique-se de que eles liguem para o 190 ou SAMU, no caso de você desmaiar em vez de lhe darem insulina se você estiver tendo um episódio de hipoglicemia. Estar sozinho em um quarto de hotel, carro ou situação profissional é uma preocupação especial. “Os professores temem esta baixa de açúcar no sangue, porque eles são o único adulto na sala”, disse Uelmen. Nesse tipo de circunstância, é uma boa ideia pedir às pessoas verificarem como você está periodicamente, caso não o tenham visto ou ouvido falar de você.
  • Use uma pulseira de identificação médica . Estas peças personalizadas servem para alertar a equipe de emergência que você tem diabetes.
  • Tenha uma injeção de glucagon na mão. Glucagon é um hormônio usado para ajudar às pessoas que passam por uma hipoglicemia grave. Pergunte ao seu médico se você deve manter uma injeção com você e, em seguida, certifique-se de que as pessoas próximas a você saibam onde ela está e como usá-la.
  • Consulte um terapeuta. Caso você tenha feito um plano para impedir os baixos níveis de açúcar no sangue, mas você ainda está evitando atividades como dirigir, fazer exercícios, ou ter relações sexuais, porque você tem medo de um episódio de hipoglicemia, você pode querer falar com um psicólogo. Pergunte a sua equipe de diabetes sugestões de nome para encaminhamento a um terapeuta ou assistente social familiarizado com o controle do diabetes. Depressão e ansiedade eventualmente  também alimentam os seus medos, mas ambos podem ser tratados.
A hipoglicemia é real e pode ser assustadora, mas ter um plano vai lhe dar de volta uma sensação de controle e permitir que você aproveite a sua vida ao máximo.
 obs. conteúdo meramente informativo procure seu médico
abs
Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vc é muito importante para mim, gostaria muito de saber quem é vc, e sua opinião sobre o meu blog,
bjs, Carla